rio-de-janeiro

Noticias

Irlandês preso por cambismo poderá sair da cadeia mesmo sem tornozeleira

RIO - O irlandês Kevin James Mallon, diretor da empresa britânica THG que foi preso no começo do mês por envolvimento com a venda de ingressos falsos para a Olimpíada, deve ser solto até o fim da tarde deste sábado, segundo o advogado Ricardo Sidi, defensor. Depois de o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) conceder habeas corpus ao empresário, na sexta-feira, e de o alvará de soltura não ser emitido porque é exigido que o réu use tornozeleira eletrônica, a qual o Estado não dispõe, a justiça aceitou os argumentos da defesa e autorizou a libertação do acusado.

Irlandês cambismo 2708

— Usamos o argumento mais óbvio: o Estado está falido e o preso não pode pagar por isso. Quando é culpa do Estado, este sofrimento não pode ser passado para o indivíduo — afirmou Sidi.

De acordo com o advogado, Kevin foi solto por meio de uma medida cautelar alternativa à prisão e tem o passaporte apreendido, ficando impedido de deixar o Brasil. Por enquanto, o irlandês vai ficar num apartamento alugado por temporada, com auxílio dos advogados.

Antes de conseguir a libertação, três liminares para a soltura de Kevin já haviam sido negadas pela Justiça. O irlandês foi detido no dia 5 deste mês. Na ocasião, também foram decretadas as prisões dos britânicos Marcus Evans e Martin Studd, do irlandês David Patrick Gilmore, e do holandês Marten Van Aos, todos diretores da THG, que estavam foragidos e já voltaram para o exterior.

A THG foi a empresa responsável pela venda oficial de ingressos para a Olimpíada de 2012, em Londres, mas não estava credenciada para repassar ou vender entradas para os Jogos do Rio, que chegaram a ser vendidos por 8 mil dólares (cerca de R$ 25 mil). Segundo a polícia civil do Rio, ela comprou os ingressos por meio da empresa Cartin, que estava credenciada para essas operações. A empresa também esteve envolvida na máfia dos ingressos para a Copa do Mundo de 2014.

LEIA MAIS:

'Os agentes 007' entre nós: um milhão de pessoas já foi investigado no Rio

Voluntário é detido ao tentar vender ingresso de cortesia

Total de ocorrências supera expectativas do Plantão do TJRJ no Maracanã

Integrantes do COI têm prisão preventiva decretada


Globo Online | 27-Ago-2016 15:17

Adolescente morto no Degase não tinha meningite

RIO — O Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), em Belford Roxo, confirmou que a morte de um de seus internos, na madrugada deste sábado, deu-se por um tamponamento cardíaco e não meningite meningogócica, como se suspeitava.

O menor infrator, que completaria 15 anos neste sábado, recebeu os primeiros socorros ainda no Degase, e teria sido levado inconsciente para o Hospital Municipal Jorge Júlio Costa dos Santos. O corpo seguiu para o Instituto Médico Legal (IML), de Nova Iguaçu.

Degase 2708

Segundo o sindicato de funcionários do Degase (Sind-Degase), agentes e enfermeiros que mantiveram contato direto com o jovem estariam apreensivos com o risco de terem contraído a doença. A unidade, superlotada, tem 380 menores internados ocupando um espaço para apenas 150.

A coordenação do departamento já havia afirmado, em nota, estar “tomando as providências necessárias, iniciando o protocolo de prevenção e medicando os jovens que tiveram contato com o adolescente”.

O Degase informou atambém que está prestando todo o auxílio necessário aos familiares do jovem.


Globo Online | 27-Ago-2016 15:12

Zona Leste de Niterói pede mais investimentos da prefeitura

NITERÓI - Localizada na divisa de Niterói com São Gonçalo, a Zona Leste carece de investimentos em infraestrutura e serviços públicos de qualidade. Essas são as principais queixas apontadas por moradores de Rio do Ouro e Várzea das Moças durante visita da equipe de reportagem do GLOBO-Niterói, em mais um capítulo da série Meu Bairro. Pavimentação, saneamento básico e iluminação pública estão entre os transtornos mais citados.

Com 5.985 moradores — pouco mais de 1% da população da cidade —, os dois bairros há décadas se sentem desamparados. Desde a aprovação do Plano Diretor, em 1992, esta é a única área de Niterói que não conta com um Plano Urbanístico Regional (PUR) que determine parâmetros específicos para suas edificações.

Os moradores pedem diversos investimentos. É o caso de Luciene Coelho de Oliveira, moradora do Rio do Ouro.

— Temos muitas ruas sem asfalto. Depois de chuvas, andamos no meio da lama. Quando chega o verão, muitas vezes ficamos sem água. Temos problemas de esgoto também — resume.

Segundo a prefeitura, medidas foram tomadas para atenuar problemas de pavimentação. Os bairros receberam operações tapa-buraco, e ruas foram niveladas, inclusive as de terra, com uso de máquinas. A prefeitura acrescenta ter providenciado a limpeza de diversos rios e canais que cortam os dois bairros, como os rios Várzea das Moças e Muriqui, e o Canal do Rio do Ouro. Diz ainda que faz manutenção periódica de bueiros e caixas de passagem.

Além de reclamar da falta de pavimentação e iluminação adequada, Lucas Pereira pede mais opções da lazer em Rio do Ouro.

— Aqui não tem nada. Minha rua mesmo não tem asfalto, e a iluminação também é falha. Além disso, não conmos com áreas para o lazer e a prática de esportes — lista o jovem.

Rosa Lídia Morales recorre aos dotes de atleta veterana para desviar dos carros na Avenida Central. Na altura de Várzea das Moças, não há calçadas, e em muitos pontos ela é obrigada a andar no asfalto.

— As calçadas são muito ruins. Certas áreas ficam alagadas, e temos que andar na rua. Outro problema é a iluminação. Aqui fica escuro, e ocorrem muitos assaltos — reclama a moradora.

Outra queixa recorrente se refere à sinalização de trânsito em vias importantes, como a própria Avenida Central. Pâmela Rosa aponta este como um dos mais graves problemas da região. Ponto crítico é o entroncamento da via com a Estrada Marino Nunes Vieira. Vizinho a um Ciep, o cruzamento assusta. Próximo ainda do ponto final de diversas linhas de ônibus, o trecho tem grande movimento.

— Faltam sinais de trânsito para as travessias. É perigoso atravessar desse jeito aqui — diz Pâmela.


Globo Online | 27-Ago-2016 08:00

Candidatos divergem sobre projetos para o Centro de Niterói

NITERÓI - Um dos projetos mais polêmicos do mandato do prefeito Rodrigo Neves (PV), a Operação Urbana Consorciada (OUC) ganha posições divergentes nos programas de governo dos candidatos à prefeitura. Enquanto Rodrigo, que tenta a reeleição, defende a transformação da região sem citar explicitamente o projeto, Felipe Peixoto (PSB) e Flavio Serafini (PSOL) querem revogá-lo. Os dois principais nomes da oposição, entretanto, divergem sobre a melhor destinação para a área central de Niterói: Serafini defende explorar o turismo e construir unidades de habitação popular; e Felipe aposta na revitalização de todo o perímetro compreendido entre a Avenida Visconde do Rio Branco e o Caminho Niemeyer e a área do aterrado de São Lourenço, na descida da Ponte.

Em seu plano de governo, Rodrigo promete “avançar na transformação do Centro, promovendo um ambiente agradável para a habitação e o trabalho”. Segundo ele, é possível tirar a revitalização do papel no próximo mandato. Contudo, o prefeito diz que ainda vai avaliar o melhor mecanismo para custear as intervenções: a venda de Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs), previstos originalmente na lei da OUC, ou a concessão de outorgas onerosas, modificação aprovada na Câmara este ano.

— O projeto que foi elaborado para o Centro é bastante consistente. Vamos avaliar a situação macroeconômica, para encaminhar a melhor estratégia do ponto de vista do desenvolvimento do projeto — diz, comparando a OUC com o Porto Maravilha. — A revitalização do Centro do Rio foi proposta inicialmente em 1996. Começou em 2010 e só foi entregue agora.

O prefeito preferiu não comentar a proposta dos candidatos da oposição de revogar a OUC. Segundo ele, não lhe cabe avaliar esses planos:

— A operação urbana é prevista no Estatuto das Cidades. As administrações mais modernas da Europa e da América do Sul realizaram projetos estruturantes com esse mecanismo.

Do programa do atual prefeito em relação à política urbana consta outro ponto importante: é a criação de 57 quilômetros de novas ciclovias. De acordo com ele, entram nessa conta os cerca de 15 quilômetros que vão acompanhar a Transoceânica.

— Com a implantação dessas novas ciclovias e a integração com as já existentes, Niterói será, proporcionalmente, a cidade do Brasil mais receptiva à bicicleta — promete.

Para Flavio Serafini, o projeto da OUC promove a gentrificação do Centro (transformação de áreas periféricas em espaços nobres ou comerciais), o que provocará um aumento do custo de vida e moradia, que expulsará a população pobre da região. Ele propõe a criação de habitações populares, usando terrenos e imóveis públicos e privados hoje abandonados ou subutilizados.

— A gente acredita que a prefeitura deve investir na região central como investe em outras áreas da cidade. A revitalização não precisa ser feita por meio da privatização. Pode ser realizada pelo poder público. Uma de nossas propostas é mapear os imóveis vazios. A partir de uma determinada metragem, vamos dar uma taxação maior, através do IPTU progressivo, para desestimular o uso especulativo de áreas que podem abrigar habitação popular — explica Serafini.

Outro ponto polêmico do plano do candidato do PSOL na área de urbanismo é a revogação do Plano Urbanístico Regional (PUR) de Pendotiba. Segundo ele, seu governo enviará um novo projeto de lei para a Câmara, depois de ouvir a população de Pendotiba.

— Não vamos permitir espigões de dez andares em Pendotiba. Enviaremos à Câmara um novo PUR, que esteja de acordo com as características históricas da região, impedindo o crescimento acima das capacidades do local — diz o deputado estadual.

Felipe Peixoto, por sua vez, pretende concentrar os investimentos em dois pontos do Centro: o perímetro entre a Avenida Visconde do Rio Branco e o Caminho Niemeyer e a área do aterrado de São Lourenço, na descida da Ponte. Segundo ele, nas duas áreas há estoques de terrenos públicos.

— Nós propomos a revitalização do Centro a partir desses dois focos principais. São pontos com grandes áreas públicas, que pretendemos revitalizar por meio da criação de moradias populares e prédios comerciais — afirma.

Ainda segundo Felipe, outra providência importante que promete viabilizar é facilitar o licenciamento de obras, inicialmente para empreendimentos unifamiliares, como casas. Uma de suas propostas é unificar as licenças ambientais e urbanísticas em um único órgão, investindo na digitalização dos processos para reduzir a burocracia que o contribuinte enfrenta.

— Nossa proposta é ter um órgão dedicado ao planejamento urbano e outro especificamente para cuidar de todo o licenciamento. Na questão do licenciamento, não dá para o cidadão comum levar o tempo que leva hoje para legalizar uma obra. Isso é um incentivo à informalidade — critica o candidato do PSB.


Globo Online | 27-Ago-2016 08:00

Nem guardas evitam uso da ciclovia Tim Maia, interditada desde abril

RIO - Cariocas e turistas continuam desrespeitando a interdição da Ciclovia Tim Maia, em São Conrado, que não foi ainda liberada após a reconstrução do trecho que desabou em abril, matando duas pessoas. Três dias depois de reportagem do GLOBO mostrar que ciclistas e pedestres contornavam faixas e blocos de concreto para acessar as pistas, nesta sexta-feira a situação continuava a mesma.

O vale tudo na Ciclovia Tim Maia

A equipe flagrou várias pessoas caminhando e pedalando tranquilamente ao longo de toda área interditada, que só será liberada após novos testes. Havia três guardas municipais na área. O motorista Carlos Roberto Neves diz que ainda é pouco.

Ciclovia - 04/08

— Falta fiscalização. A Guarda Municipal precisa aumentar o número de homens nesta área, pois as pessoas ignoram a interdição, mesmo colocando em risco a própria segurança. Já vi ciclista arrebentando a fita que sinaliza a interdição — reclamou.

Mesmo sabendo que está proibido circular pelo trecho da Ciclovia entre o número 318 da Avenida Niemeyer e o bairro de São Conrado, o estudante João Vitor da Silva, de 20 anos, voltou a pedalar no local:

— Quando percebi que muitas pessoas voltaram a andar de bicicleta no trecho interditado, decidi pedalar também. É uma economia que faço, pois não gasto dinheiro com passagem de ônibus.

Ao longo da área interditada, blocos de concretos, instalados pela Secretaria municipal de Conservação (Seconserva) para impedir o tráfego de pessoas, foram deslocados. Em nota, a secretaria informou que “a última instalação desses blocos de concreto foi feita com o auxílio de cabos de aço que serviam para reforçar a fixação. No entanto, os cabos foram cortados. A Seconserva afirmou que conta com a conscientização da população, que deve respeitar a interdição. O órgão não informou se irá recolocar os blocos no lugar.

A Guarda Municipal informou que está atuando com rondas motorizadas por toda a extensão da Av. Niemeyer, em horários aleatórios, para coibir o uso irregular do espaço, com ênfase nos pontos de bloqueio físico.

LEIA MAIS:

Desabamento de ciclovia recém-inaugurada deixa ao menos dois mortos

Ressaca que destruiu ciclovia se formou após passagem de ciclone pelo Sul

Ondas fortes deveriam estar previstas no projeto de ciclovia, diz especialista


Globo Online | 27-Ago-2016 07:30

Aberta para ser referência, escola em Manguinhos sofre com roubos

RIO - As letras “r”, “o” e “v” que faltam para completar o letreiro com o nome de Luiz Carlos da Vila, um dos mais festejados sambistas brasileiros, morto em outubro de 2008, aos 59 anos, foram escritas a tinta pelos próprios alunos, depois de parte da estrutura metálica ter sido roubada. É um detalhe na fachada da construção, mas pode resumir a situação do colégio estadual que homenageia o compositor. Inaugurada em 2009, no número 1.184 da Avenida Dom Hélder Câmara, em Manguinhos, a unidade — que devido à crise do estado não conta, desde o início do ano, com os policiais que faziam sua segurança — virou alvo de vândalos, ladrões, traficantes e usuários de drogas. Crise estadual - 26/08

Nos últimos três meses, seguidos roubos deixaram parte da escola às escuras, depois que foram arrancados fios e destruída a instalação elétrica. Televisores, mesas, lâmpadas, cadeiras, portas, janelas inteiras e vidros também foram levados pelos ladrões. Um moderno quadro-negro interativo desapareceu. Assim como as últimas três bombas d’água compradas pelo colégio, levando a uma crônica falta de água. Até as panelas da cozinha sumiram. O mesmo aconteceu com os cabos de conexão à internet.

O Colégio Estadual Compositor Luiz Carlos da Vila, numa região onde há as comunidades de Manguinhos e do Jacarezinho, não é uma escola qualquer. Ele foi construído numa área pobre da Zona Norte para ser um modelo de ensino. Não apenas educacional, mas na estrutura: tem salas de informática, laboratório de química e física, biblioteca, um amplo auditório, ginásio esportivo (com quadra de basquete, futebol, vôlei, vestiários e um ambiente para aulas de judô e outras artes marciais), refeitório com mais de 50 lugares e cozinha moderna. O xodó é uma piscina com dimensões olímpicas, agora sem uso e abandonada nos fundos de um terreno de cerca de oito mil metros quadrados.

— Não sabemos exatamente o que está acontecendo. A situação da escola é dramática. Praticamente todos os dias, o colégio tem algum registro de roubo. E já informamos todo mundo: Secretaria estadual de Educação, Ministério Público estadual, polícia e Assembleia Legislativa, para onde encaminhamos ofícios — afirma um professor, preferindo não ser identificado.

“HÁ DIAS EM QUE É IMPOSSÍVEL OUVIR O PROFESSOR"

Marcas dos saques podem ser vistas em todos os andares. No segundo andar, alunos estão expostos ao tempo porque as janelas foram todas arrancadas de sete das 15 salas, que contam com climatização de potentes aparelhos de ar-condicionado.

— Há dias em que é impossível ouvir o professor. O ambiente já era barulhento, porque minha sala fica próximo à Avenida Dom Hélder Câmara. Agora, sem janelas, piorou. Às vezes, até a chuva impede que a gente tenha aulas normalmente — diz um dos estudantes.

Sem estrutura, a Luiz Carlos da Vila passou a conviver com uma situação até então inimaginável para os professores. Quando a escola foi inaugurada há sete anos, pais brigaram para matricular seus filhos no local. Agora, existe evasão de alunos. Dos mais de 1.400 estudantes do início, apenas 800 permanecem.

— A melhor solução é o estado contratar uma vigilância patrimonial. É o que defendo — afirma um outro professor.

O exemplo vem de unidades educacionais e de saúde ao lado da escola, localizada numa grande área de lazer. No terreno onde a Luiz Carlos da Vila está instalada, há cinemas, a Biblioteca Parque de Manquinhos, uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), uma moderna pista de skate e uma unidade de atendimento psicossocial. Todas as construções têm vigilantes.

— Estamos há seis anos aqui e nunca registramos qualquer caso de roubo ou furto — diz um funcionário da Biblioteca Parque de Manguinhos.

A situação da escola tem mobilizado moradores, associações comunitárias, pais, professores e entidades de classe. No mês passado, funcionários da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) — que fica próximo — organizaram um abraço à Luiz Carlos da Vila. O grupo também acionou o Ministério Público estadual: um ofício foi encaminhado ao procurador-geral do estado, Marfan Martins Vieira.

No documento enviado ao MP, a comunidade diz esperar uma ação dos promotores. Após frisar que a educação é importante para “transformar a realidade da vida dessas comunidades”, o texto afirma: “As depredações sofridas pela escola afetam negativamente não apenas os professores e alunos da instituição, que tem seu funcionamento prejudicado, mas também todos que moram e trabalham em Manguinhos e Jacarezinho, pois frustam as nossas expectativas em uma aposta na educação como elemento para o desenvolvimento destes territórios”.

O Sindicado Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) informou que enviou um dossiê sobre a situação da escola, incluindo fotografias, para o governo do estado, deputados estaduais e para o MP.

— Estamos há meses cobrando uma providência urgente das autoridades. É uma situação lamentável. Revela como o governo tem tratado a situação da educação no estado — afirma Dorotéa Frota Santana, coordenadora-geral do Sepe.

Segundo ela, o abandono da piscina não atrapalha só as aulas de natação e o lazer da comunidade.

— Ela (a piscina) virou foco de dengue. A escola vive uma situação de caos e abandono.

SECRETARIA DIZ QUE TEM PROJETO DE MELHORIAS

O deputado Comte Bittencourt (PPS), presidente da Comissão de Educação da Alerj, que também foi procurado, revelou ontem que pretende convidar outros parlamentares para visitarem à escola.

— Infelizmente, foi uma decisão da Secretaria estadual de Educação retirar vigilantes e funcionários das portarias das escolas estaduais. Já fiz alertas ao estado — afirmou.

Em nota, a Secretaria estadual de Educação informou que “a escola está dentro do projeto de melhorias em desenvolvimento do programa Caminho Melhor Jovem”. Segundo a pasta, essas melhorias estão sendo detalhadas com a Empresa de Obras Públicas (Emop), para ser implantadas fora do período letivo. O texto diz que, “inclusive, está previsto o aumento da altura dos muros, que atualmente favorecem o ingresso de usuários de drogas, pois existe um ponto de consumo próximo”. O órgão lembrou ainda que a Secretaria de Segurança já foi informada da situação.

Já a 2ª Promotoria de Justiça da Tutela Coletiva da Educação informou ontem que, assim que tomou conhecimento dos problemas do colégio, cobrou explicações da Secretaria de Educação. Perguntou, por exemplo, se o órgão sabia dos furtos e do vandalismo, se havia entrado em contato com a polícia e se já adotara as medidas necessárias. O ofício é do dia 12. O MP disse que ainda aguarda uma resposta.

DE SÍMBOLO DO PAC A EXEMPLO DE ABANDONO

Um dos símbolos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no Rio, o Colégio Estadual Compositor Luiz Carlos da Vila foi inaugurado em fevereiro de 2009 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foi a primeira obra do PAC na cidade. Além de Lula, estavam presentes na cerimônia o governador da época, Sérgio Cabral, seu sucessor, Luiz Fernando Pezão, e o prefeito Eduardo Paes.

Instalada numa região carente, com histórico de violência, a unidade tem capacidade para atender 1.400 alunos do ensino médio. Está localizada perto das favelas de Manguinhos, Mandela e Jacarezinho, e, em seus dois primeiros anos de funcionamento, manteve uma forte ligação com os moradores da região. Famílias inteiras começaram a frequentá-la diariamente para fazer atividades como natação, futebol e cursos: suas portas ficavam abertas inclusive nos finais de semana e feriados. Mas, segundo professores, a falta de investimentos fez a escola começar a apresentar problemas.

Até dezembro de 2015,PMs trabalhavam na segurança do colégio e de seu entorno durante suas folgas, com jornadas pagas pelo governo estadual. Com a crise, acabaram sendo dispensados no início deste ano. Foi a partir daí que os primeiros roubos e atos de vandalismo começaram a ser registrados.

Uma parte do ginásio foi destruído. Vestiários tiveram equipamentos roubados, e até um incêndio atingiu o colégio. A instalação elétrica foi furtada e a piscina virou foco de proliferação de mosquitos. Há buracos no telhado e rachaduras nas paredes, o que assusta alunos e funcionários. Mas, segundo técnicos da Emop que fizeram uma inspeção, estão descartados riscos de acidentes.


Globo Online | 27-Ago-2016 07:30

Posto onde nadadores criaram confusão vira roteiro de visitação

RIO - Praia de Copacabana, Cristo Redentor, Parque Olímpico e, acredite, uma paradinha no posto de gasolina, na Barra da Tijuca, onde Ryan Lochte e outros três nadadores foram pivô de uma confusão durante a Olimpíada. O local do imbróglio envolvendo os atletas americanos virou um filão para a agência de viagem Urban Adventures, que incluiu o posto no roteiro do tour pela cidade.

Para fazer o passeio, que dura aproximadamente nove horas, é preciso desembolsar US$ 160,00 (cerca de R$ 525), mas o gerente da agência garante que a parada no posto não passa de dez minutos. Tempo, segundo ele, suficiente para matar a curiosidade de seus clientes. links Lochte e cambismo

— O tour é direcionado, especialmente, aos turistas americanos. Traçamos um roteiro de vários pontos turísticos que os atletas dos Estados Unidos visitaram durante as Olimpíadas e cujas fotos foram postadas nas redes sociais. Apesar de ter sido um acontecimento desagradável, não podemos negar que esse incidente se tornou parte dos momentos Olímpicos dos Estados Unidos. Por isso, as pessoas têm interesse — explica o gerente da agência, Luiz Renato Malcher.

Mesmo sem querer se identificar, funcionários do posto de gasolina não negam que o movimento aumentou muito após o caso Lochte. Detalhe: alguns vão até lá apenas para tirar fotos. A parede, na qual estava preso o painel quebrado pelos americanos, é o local preferido para selfies.

— As pessoas continuam perguntando detalhes sobre o acontecimento, e tiram várias selfies. Nunca imaginei que este episódio fosse atrair a atenção de tanta gente — conta um funcionário.

A contadora Liliana Britto Barros, apesar de trabalhar na Barra da Tijuca, conta que nunca abasteceu seu carro no posto de gasolina onde a confusão aconteceu. Nesta sexta-feira, porém, ela mudou a rota para o escritório apenas para conhecer o local.

— Matei a minha curiosidade. É interessante conhecer um lugar que foi manchete dos jornais do mundo todo — afirma a contadora.

NADADOR INDICIADO

Na quinta-feira, a Polícia Civil indiciou Ryan Lochte por falsa comunicação de crime. No relatório da Delegacia Especial de Atendimento ao Turista (Deat), o delegado Clemente Braune sugeriu à Justiça a expedição de carta rogatória para que Lochte seja citado (comunicado do processo) nos Estados Unidos e o envio de cópia dos autos para a Comissão de Ética do Comitê Olímpico Internacional.

Lochte, que conquistou ouro no revezamento 4 x 200m, disse inicialmente ter sido vítima de um assalto, fato que foi desmentido pelas investigações. Depois que a verdade veio à tona, o nadador, já nos EUA, pediu desculpas, disse que exagerou em sua versão e atribuiu a confusão à imaturidade.

LEIA MAIS:

Lochte atribui versão sobre assalto a 'imaturidade'

Nadadores americanos se desculpam por falso assalto em posto de gasolina

Ryan Lochte e demais nadadores devem ser punidos pelo comitê olímpico americano


Globo Online | 27-Ago-2016 07:30

O GLOBO vence duas categorias no Prêmio GDA de Jornalismo

RIO - Pelo segundo ano consecutivo, O GLOBO venceu duas das quatro categorias do Prêmio GDA de Jornalismo, entregue pelo Grupo de Diarios América, que reúne 11 dos principais jornais da América Latina, entre eles o próprio GLOBO. Márcia Foletto ganhou na categoria Reportagem Fotográfica com as imagens da série “Os Miseráveis”, publicada em maio de 2015, sobre as 565 mil pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza no estado do Rio. Na categoria Infografia, foi premiada a equipe de Jornalismo de Dados, coordenada pela jornalista Gabriela Allegro, que fez um trabalho inédito ao levantar o passado político de cada um dos 594 parlamentares com mandatos de 2015 a 2019. A premiação, que pagará US$ 5 mil aos escolhidos, acontecerá na Reunião Semanal do GDA, entre os dias 17 e 19 de outubro, na Cidade do México.

A série “Os Miseráveis” revelou que 3,77% dos moradores do Estado do Rio (565.135 pessoas) viviam em situação de extrema pobreza, de acordo com números do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) de 2013, do IBGE. A fotografia premiada de Márcia Foletto mostrou a imagem de duas crianças, moradoras de Belford Roxo, estudando sentadas numa cama, alheias à pobreza que as rodeava. Imagens de quem vive na extrema pobreza

A imagem de Adriel e Diana, que moram com os pais e uma irmã, e vivem com R$ 182 do Bolsa Família, também conquistou em Madri o Prêmio Rei de Espanha, um dos mais importantes do jornalismo. Márcia recebeu o troféu, na categoria Fotografia, das mãos do rei Felipe VI, no mês passado.

— Todas as histórias que encontramos são muito tristes. Conhecemos um casal que vive no alto da favela Pavão-Pavãozinho e come apenas o que encontra no lixo. Moram muito perto da gente, com vista para o oceano, mas em casas de madeira.

INFOGRÁFICO: DNA DO CONGRESSO

Sobre o prêmio na categoria Infografia, Gabriela destaca que foram “meses e meses de pesquisa para construir essa base de dados e elaborar a melhor visualização para um tema tão árido”. Além dela, assinam o trabalho vencedor Carolina Benevides, Mateus Paulino, Flavio Taublib, Marcelo Coimbra e Carolina Cavaleiro.

prêmios O GLOBO

— A história eletiva do país está digitalizada no Tribunal Superior Eleitoral de maneira uniforme e completa apenas a partir de 2002, mas nossa pesquisa abrange o passado de parlamentares que iniciaram sua vida política em 1954. Há parlamentares do nordeste e sudeste que estão no jogo político há mais de 60 anos — afirma Gabriela.

Leitores e pesquisadores que queiram mergulhar na matriz política do país têm acesso ao download da base completa levantada. A partir dela, é possível fazer estudos sobre a fisiologia partidária do Brasil e a trajetória eletiva dos nossos políticos.

Na categoria "Reportagem noticiosa de investigação" do Prêmio GDA de Jornalismo, a equipe do "El Tiempo" (Colômbia) foi a vencedora com o trabalho "Crimes ambientais da guerrilha (Farc)". Já a menção honrosa da categoria "Jornalismo de Dados" foi para a série "Desaparecidos", premiando o trabalho desenvolvido pelas unidades de dados dos jornais "El Universal" (México) e "El Tiempo". O diário "La Nación" (Argentina), por sua vez, conquistou o prêmio da categoria "Proposta editorial inovadora", com o trabalho "Ciclo de Conversações", veiculando 680 entrevistas em vídeo.

MENÇÕES HONROSAS

Também foram anunciados ontem os vencedores do prêmio da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP, na sigla em espanhol), no qual O GLOBO recebeu duas menções honrosas nas mesmas categorias: uma pelo trabalho de Márcia Foletto com as fotos da série “Os Miseráveis”, e outra, também em infografia, pelo projeto “Rio, cidade dos túneis”, desenvolvido por Nathany Santos, Renato Carvalho, Carolina Cavaleiro, Rubens Paiva, Thais Leão, Anderson Campos e Louise Tamiasi.

INFOGRÁFICO: RIO, CIDADE DOS TÚNEIS

Presidente da comissão de prêmios da SIP e diretora do grupo argentino Clarín, Marcela Noble-Herrera disse que se sente muito satisfeita “pela grande participação que tivemos nesta edição”. Ela falou que os trabalhos inscritos refletem os temas relevantes do melhor jornalismo das Américas: corrupção, narcotráfico, violência e poluição. O prêmio da SIP será entregue também na Cidade do México, durante a 72ª Assembleia Geral da entidade, entre 13 e 17 de outubro.


Globo Online | 27-Ago-2016 07:30

Sonhos para a cidade viram projetos na Semana Design

RIO - Muito mais que uma oportunidade para lançamento de produtos, a Semana Design Rio, que aporta na Zona Portuária a partir de quinta-feira da semana que vem, confirma sua vocação de território de discussão de ideias da indústria criativa e do design no estado. Um dos destaques será um desafio lançado pela revista “Casa Vogue” a um grupo de profissionais de renome, que tiveram que arregaçar as mangas para responder à seguinte questão: “Qual o projeto dos sonhos para o Rio de Janeiro?” Craques como Sergio Conde Caldas, Gisele Taranto, Beto Figueiredo e Erick Figueira de Melo são alguns dos que se aventuraram a responder a essa pergunta e vão expor seus projetos na mostra “Utopias cariocas”, durante o evento, que vai até domingo, 4 de setembro.

Semana Design Rio 2708

Conde Caldas, por exemplo, idealizou um um resort no meio da mata, próximo ao Parque da Cidade, com quase nenhuma interferência na paisagem. Já Luiz Eduardo Indio da Costa imaginou um Rio Panorâmico, com a criação de um circuito de teleféricos ligando os topos dos principais morros da Zona Sul.

A efervescência de ideias agradou tanto, que a diretora de Redação da “Casa Vogue”, Taissa Buescu, decidiu que, além da exposição das maquetes e dos desenhos apresentados, promoverá um debate com o público:

— Achamos fundamental levantar a discussão desses temas em uma mesa-redonda, com a participação dos arquitetos que fazem parte da exposição, sob a minha mediação. Também vamos promover um workshop sobre mobilidade e sustentabilidade no Rio. Ele será conduzido por Indio da Costa, que criou uma nova linha de bondinho, e Maurício Nóbrega, que pensou em reutilizar sobras de materiais de grandes construções para revitalizar comunidades carentes.

Tudo isso faz parte da programação da Semana Design Rio, que, em sua quarta edição, mudou de endereço e se instalará no Armazém Utopia (número 6), na Praça Mauá. Designers, arquitetos, artistas e público vão discutir o papel do design na sociedade e trocar experiências sobre ações transformadoras. Além do auditório principal, as palestras acontecerão em duas arenas.

LIVRARIA PREPARA CATÁLOGO ESPECIAL

A Semana Design Rio é uma realização do GLOBO, com patrocínio do Sistema Fecomércio, através de Sesc; Sebrae; Casa Shopping; apoio do Porto Novo, Granado Pharmácias e Tok&Stok; e parceria da Abedesign e revistas “Casa Vogue” e “Casa e Jardim”.

— Organizamos a exposição “Utopias cariocas”, para a qual convidamos dez dos mais renomados escritórios de arquitetura do Rio a apresentarem os projetos dos sonhos de cada um para a cidade, que não tenham sido ainda realizados. Os arquitetos tiveram carta branca para apresentar seus sonhos, e o resultado foi muito instigante. Profissionais vão apresentar plantas e maquetes de seus projetos que visam a melhorar a mobilidade do Rio (com transportes alternativos), explorar as belezas da cidade de forma inusitada ou, ainda, promover a cultura e a integração social — explica Taissa.

Para atender o público da Semana Design Rio, a livraria Blooks selecionou um catálogo de livros e guias com títulos voltados para o design, a arquitetura e o paisagismo. Segundo Elisa Ventura, proprietária da livraria, além das publicações expostas por lá, será possível fazer encomendas.

— Fizemos uma seleção com foco em design de produtos, mobiliário e arquitetura. Teremos livros importados e nacionais. Estamos trazendo dois livros importados que devem agradar: o catálogo da exposição sobre Burle Marx (“Roberto Burle Marx, Brazilian modernist”), que esteve em cartaz em Nova York, e o livro “Brazil modern: the rediscovery of twentieth-century Brazilian furniture”, sobre mobiliário brasileiro — adianta Elisa.

Quem visitar a área do Porto certamente vai se impressionar com uma versão gigante da poltrona Pantosh, criação dos designers Leonardo Lattavo e Pedro Moog, sócios da Lattoog, exposta pelo Senac. Com quase três metros de altura, ela foi construída por alunos de design de interiores, a partir de um projeto que levou a turma a participar de uma vivência profissional na Lattoog. Para fazer a peça, os estudantes foram orientados por designers de sua equipe.

Criação da Latoog, a poltrona Pantosh nasceu da fusão da cadeira Panton, do arquiteto dinamarquês Verner Panton, de 1968, com a poltrona Willow, do arquiteto escocês Charles Rennie Mackintosh, criada entre 1902 e 1904. A peça faz parte da série “Viralata“, iniciativa da Lattoog, que trouxe pela primeira vez o conceito de fusão ao design de mobiliário.

DESCONTOS PARA ASSINANTES

Assinantes do GLOBO ganham benefícios na Semana Design. Dois food trucks, que estarão na área de convivência, terão preços especiais: o Vivo Orgânico dará 10% de desconto e o Steak Me vai oferecer o Combo Steak Me, com três espetos (boi Angus, salsichão italiano e muçarela mineira) e refrigerante, por R$ 27 (o preço normal é R$ 32). No local, haverá a bike do clube, com carregador e guarda-volume, e será distribuído brindes aos assinantes. Cadastre-se e experimente: clubeoglobo.com.br.

No circuito off-armazém, a programação também será variada. A antiga Fábrica Bhering de chocolates volta a abrir as portas para o evento, e a expectativa é que o edifício do Santo Cristo atraia um público ainda maior do que no ano passado, quando cinco mil pessoas estiveram por lá. Os ateliês de mais de 60 escultores, pintores, fotógrafos, artesãos e pequenos empresários vão se integrar à Semana Design Rio a partir de quinta-feira, do meio-dia às 18h, e depois, até domingo, das 12h às 21h, com workshops, venda de produtos e shows. Também estão programadas atividades, como oficinas e palestras, no Centro e na Zona Sul. No site do evento (www.semanadesignrio.com.br), é possível consultar a programação completa e se inscrever para as palestras. Já quem quiser participar dos workshops deverá fazer a inscrição no próprio local.


Globo Online | 27-Ago-2016 07:30

'Rio novo rock' recebe as bandas Venus Café e Mobile Drink

RIO - Já virou praticamente uma tradição entre os roqueiros da cidade. Toda primeira quinta-feira do mês é dia de ir ao Imperator, no Méier, curtir o “Rio novo rock”, projeto criado para valorizar a cena autoral e formar plateia para o gênero. A edição deste mês será na semana que vem com os shows das bandas Venus Café e Mobile Drink.

Com letras bem-humoradas e uma sonoridade assumidamente inspirada nos clássicos do rock, a Venus Café fará no evento o lançamento oficial do EP “Rock n’ roll tupiniquim”, já disponível nas principais plataformas virtuais de música e na página oficial do grupo.

- Tocar no Imperator é como um rito de batismo para qualquer banda de rock independente da cidade. Estamos muito honrados com a oportunidade e preparamos um show que será inesquecível para todos - diz o guitarrista da Venus Café, Frank Goes.

Rock n' roll tupiniquim

Já a Mobile Drink, que também traz influências do rock dos anos 1970, apresentará canções do disco recém-lançado “Canções da noite e outros tragos”.

A noite contará também com pista comandada pelo DJ Maurício Gouveia (Baratos da Ribeiro) e telão com o VJ Miguel Bandeira.

SERVIÇO

Rio Novo Rock: Quinta, às 20h, no Imperator (Rua Dias da Cruz 170, Méier. Tel.: 2597-3897). R$ 20. Classificação: 16 anos.


Globo Online | 27-Ago-2016 07:30

Jacarepaguá faz aniversário em setembro com ampla programação cultural

RIO — No dia 9 de setembro, Jacarepaguá completa 457 anos e será homenageada pelo Sesc, que preparou uma extensa programação cultural, e pela Associação Comercial e Industrial de Jacarepaguá (Acija), com um café da manhã para celebrar a data. Como o período é de eleição municipal, a subprefeitura não promoverá atividades.

O Sesc realizará a 8ª edição do Aldeya Yacarepaguá, projeto nacional voltado para fomentar a diversidade cultural regional.

— Este projeto ocorre em outras regiões do Brasil, com nomes característicos de cada lugar, e visa a formar agentes culturais, promover palestras e intercâmbios e estimular a produção cultural local. No nosso caso, a ideia é ter o máximo possível de artistas de Jacarepaguá — explica o produtor do evento, Leonardo Minervini.

O evento começa quinta-feira e segue até o dia 22, com atividades no teatro da escola Sesc, em escolas municipais e nas ruas e praças de Jacarepaguá. A programação tem peças de teatro, espetáculos de dança, shows musicais, atrações audiovisuais e oficinas de discussões com temas culturais e históricos.

— Tudo é gratuito e aberto a todos os públicos — ressalta Minervini.

Uma das atrações do Aldeya Yacarepaguá é a Companhia de Arte Cadê, inteiramente formada por artistas moradores da região. No dia 15, eles vão mostrar o espetáculo “Pra que serve a escola?”, uma apresentação de dança contemporânea que convida o público a questionar o papel das instituições de ensino.

— É uma crítica reflexiva, do ponto de vista de um agente de uma escola do futuro — diz a diretora artística, Fernanda Rocha.

Outra atração é o show com a orquestra formada por alunos da Escola Sesc no dia 12, no teatro da instituição.

— Eles apresentam o resultado do que é estudado aqui — acrescenta Minervini.

A comemoração da Acija será no dia 14, com a realização de um café da manhã, às 9h, no Garden Park. Na data, será entregue o prêmio personalidade Acija a oito pessoas. O evento é gratuito, mas os interessados devem confirmar presença pelo telefone 2445-4474. Mais informações sobre o Aldeya Yacarepaguá podem ser obtidas pelo telefone 3214-7474.

PRINCIPAIS PROGRAMAS DA ALDEYA YACAREPAGUÁ

Festival de esquetes

O 2º Festival de Esquetes Nova Escola de Teatro será realizado no dia 8, das 17h às 21h, no Espaço Cultural Escola Sesc.

História de Jacarepaguá

No dia 10, das 10h30m às 12h30m, o historiador Michael Carneiro conversará sobre os processos histórico-sociais da região de Jacarepaguá. Na Escola Sesc.

Projeto bandas

Ainda no dia 10, às 17h, no Espaço Garagem, tem o lançamento do CD Projeto Bandas, composto por alunos e que tem como objetivo o aprimoramento musical.

Meu caro amigo

Dia 11, às 19h30m, o teatro da escola recebe a peça “Meu caro amigo”, que conta a história de Norma, uma fã ardorosa de Chico Buarque.

Orquestra

Os alunos da Escola Sesc se apresentam no dia 12 no teatro da instituição. O espetáculo começa às 17h10m.

Escola pra quê?

A Cia. de arte Cadê apresenta o espetáculo de dança “Pra que serve a escola?”, que, do ponto de vista de um educador do futuro, analisa a função da escola atual. Será exibido no dia 15, às 19h30m, no teatro da instituição.


Globo Online | 27-Ago-2016 07:30

Modelo ícone da marca Technos, Skydiver ganha releitura

Nos anos 80, para acertar no presente, um relógio era a escolha perfeita. Mas quando o relógio era um Skydiver, o presente se tornava ainda mais especial. Lançado pela Technos em 1986 com um design inovador e resistente à água até 150 metros, o modelo tornou-se um desejo de consumo. Até hoje já foram vendidas 2 milhões de unidades no Brasil. Para comemorar os 30 anos desse ícone, a Technos lança uma releitura, com uma coleção de sete modelos.

Os novos modelos do Skydiver trazem características do original, como o design vintage da pulseira, aro rotatório e o display digital em formato “sorriso” – exclusividade mundial da Technos e um dos traços mais marcantes do relógio. A releitura traz ainda uma caixa mais robusta, tendência atual entre relógios masculinos. A coleção tem opções de pulseira em aço, dourado e bicolor e diferentes cores no mostrador.

– A história do Skydiver foi construída por pessoas. O modelo está inserido nas mais diversas e emocionantes trajetórias de vida dos consumidores. Ele acompanhou conquistas e se tornou herança de família – conta Érica Pagano, diretora de marketing do Grupo Technos.

Veja no vídeo as histórias de consumidores apaixonados pelo Skydiver e a surpresa que a Technos preparou para eles:

Skidiver 30 Anos


Globo Online | 27-Ago-2016 01:17

Policia apreende droga com imagem de Bolt em Duque de Caxias

RIO - Na manhã desta sexta-feira, policiais civis da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), realizaram operação na comunidade Barro Vermelho, em Gramacho, Duque de Caxias. Durante a ação, foram presos em flagrante Luis Carlos Oliveira (29 anos), vulgo Tataozinho e um adolescente-infrator de 17 anos.

Com eles foi apreendida material de endolação com a imagem do atleta jamaicano Usain Bolt, tricampeão Olímpico nos Jogos Rio-2016 em três provas (100m, 200m e revezamento 4x100).

Os policias também encontraram grande quantidade de drogas, sendo 1.100 pinos plásticos contendo cocaína, 540 sacolés de maconha, 04 rádios transmissores, uma réplica de pistola e quatro cadernos com a contabilidade do tráfico. Ambos foram autuados por tráfico e associação para o tráfico de drogas.


Globo Online | 26-Ago-2016 22:21

Polícia Civil busca informações sobre suspeito de atirar em bombeiro militar

Câmeras de segurança flagram bombeiro militar sendo baleado no Centro do RioRIO - A Policia Civil divulgou nesta sexta-feira um vídeo em que mostra o momento de um bombeiro militar sendo baleado por um homem. De acordo com informações do Delegado de Polícia, Claudio Vieira de Campos, titular da 4ª DP, no final da tarde o crime ocorreu na tarde de quinta-feira na Av. Nilo Peçanha. Ainda segundo a polícia, o suspeito estava acompanhado e a perícia já foi realizada no local.

Segundo o delegado, o procedimento foi instaurado para apurar as circunstâncias e autoria do crime. O vídeo é do circuito interno de TV do local onde ocorreu o crime, Claudio Vieira pede ao cidadão que tiver qualquer informação e que possa contribuir com a investigação, entre em contato com a Polícia Civil através da Central de Atendimento ao Cidadão (CAC) pelos telefones (21) 2334-8823, (21) 2334-8835 ou pelo Disque Denúncia 2253-1177.


Globo Online | 26-Ago-2016 21:42

Jardim Botânico recebe exposição de orquídeas a partir de setembro

RIO - Entre os dias 2 e 4 de setembro, das 8h às 17h, o Orquidário do Jardim Botânico, Zona Sul do Rio, será palco da 30ª edição do OrquidaRio, exposição de espécies raras de orquídeas.

De acordo com o presidente da OrquidaRio, Ricardo Figueiredo Filho, mais de 500 mil pessoas passam pelo evento, e cerca de dois milhões de plantas já foram negociadas.

Além de apreciar espécies raras e comprar mudas e plantas floridas de cerca de 12 orquidários diferentes, o visitante terá ainda a oportunidade de participar de palestras e oficinas gratuitas sobre o cultivo das orquídeas, que acontecem em todos os dias de evento, oficina de ilustração botânica no sábado e curso “As Orquídeas e seu Cultivo” no domingo. Exposição de orquídeas

Confira a programação:

Dia 2/9 – 6ª feira

8h às 17h - Visita pública - Exposição e vendas

10h e 15h - Oficina de cultivo básico de orquídeas

14h - Palestra: Pragas e Doenças, com Andrew Fogtman

Dia 3/9 – sábado

8h às 17h - Visita pública - Exposição e vendas

9h30 às 12h30 - Oficina de Ilustração Botânica com Dulce Nascimento (vagas limitadas – os inscritos deverão chegar ao local entre 8h30 e 9h15 para escolherem a orquídea a ser ilustrada)

14h - Palestra: Cultivo de orquídeas em apartamentos, com Solange Artimos de Oliveira

15:30h - Oficina de cultivo básico de orquídeas

Dia 4/9 – Domingo

8h às 17h - Visita pública - Exposição e vendas

9h às 13h - Curso “As Orquídeas e seu Cultivo” (1ª parte) com Delfina de Araújo e Carlos Manuel de Carvalho

14h30 às 16h30 - Curso “As Orquídeas e seu Cultivo” (2ª parte) - “Prática de Reenvasamento” com Andrew Fogtman

17h - Encerramento da Exposição

Obs.: Curso de Cultivo (R$100,00) e Oficina de Ilustração Botânica (R$ 80,00)

inscrições no local, durante o evento, no estande da OrquidaRio.

Todas as outras atividades são gratuitas, sem necessidade de inscrição.


Globo Online | 26-Ago-2016 21:04

Voos durante a Olimpíada tiveram 95% em pontualidade

RIO - Nos 17 dias de Olimpíada, os aeroportos de cidades que sediaram jogos registraram pontualidade nos voos, em torno de 95%, segundo o Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA). “Essa integração dos órgãos envolvidos na Sala Master facilitou as tomadas de decisões, minimizando os impactos de possíveis atrasos”, afirmou o Brigadeiro Luiz Ricardo.

O dia seguinte à festa de encerramento foi o de maior movimento aéreo. O Galeão teve 524 pousos e decolagens, sendo 367 voos domésticos e 157 internacionais. O pico de tráfego aéreo foi entre 8 e 9 horas da manhã e 9 e 10 da noite, com 33 pousos ou decolagens por hora. Esse aumento é decorrente do regresso de chefes de Estado, delegações de atletas, família olímpica e turistas aos seus países de origem. O aeroporto teve, também, um recorde histórico de movimento, com 85 mil passageiros, mais que o dobro de um dia normal.


Globo Online | 26-Ago-2016 20:22

Olimpíada: principal delito cometido nas arenas e no entorno foi cambismo

RIO - Em apenas duas semanas de olimpíada, o o Tribunal de Justiça do realizou 244 audiências, efetuou 97 transações penais e decretou 76 prisões preventivas. O balanço foi divulgado nesta sexta-feira pelo coordenador da Comissão Judiciária de Articulação dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais em Eventos Esportivos, Culturais e Grandes Eventos (Cejesp), desembargador Mauro Martins. O principal delito ocorrido nos sete postos do Juizado instalados próximos às arenas foi o cambismo, com um total de 182 registros.

“Avalio como extremamente positiva a atuação do Juizado do Torcedor e dos Grandes Eventos. Tivemos um grupo que trabalhou de forma ininterrupta em sistema de plantão e rodízio, com uma atuação firme e dedicada”, destacou o desembargador.

links Lochte e cambismoPara o magistrado, a atuação do juizado durante o Rio-2016 trouxe prestígio internacional para o Judiciário fluminense. Ele citou o caso dos nadadores americanos, que teve forte repercussão na imprensa estrangeira, como exemplo.

“No caso dos nadadores americanos, o juizado teve atuação firme, corajosa e resolveu com equilíbrio a situação. Os turistas testemunharam a atuação da Justiça fluminense de forma ininterrupta durante os Jogos. Uma juíza contou que alguns turistas estrangeiros revelaram surpresa por estarem diante de uma magistrada, em uma audiência, em plena madrugada. Essa ideia que o torcedor estrangeiro levou para seu país é muito positiva”, avaliou.

A presença da Justiça do Rio nos grandes eventos, para o desembargador, dá um caráter preventivo.

“Já acostumadas com o fato de que em grandes eventos existe um juizado, com a presença de um juiz, de um promotor, com uma estrutura de um órgão judiciário em funcionamento, as pessoas sabem que se cometerem um ato contrário à lei, a resposta será imediata”, afirmou.

No total, cerca de 50 juízes e mais de 200 servidores e funcionários terceirizados atuaram em regime de plantão durante a Olimpíada.


Globo Online | 26-Ago-2016 20:06

EUA recomendam que sangue doado seja testado para zika

WASHINGTON - A FDA, agência do governo americano responsável pelo controle de alimentos e medicamentos, recomendou, nesta sexta-feira, que todo sangue doado nos Estados Unidos seja testado para o vírus zika, como medida para prevenir a transmissão da doença por meio de transfusão de sangue. Zika - 24/08

A medida da agência para expandir a orientação sobre as transfusões veio após autoridades da Flórida anunciarem o primeiro caso de zika transmitido por mosquito no condado de Pinellas, a 450 quilômetros de Miami, onde os primeiros casos de transmissão local foram registrados.

Em um comunicado, a FDA disse que os testes para o vírus zika no sangue doado já estão sendo feitos na Flórida e em Porto Rico, assim como em outras áreas, e têm sido benéficos para identificar doações infectadas pelo vírius.

A ampliação do teste estará em vigor até que a possibilidade de transmissão por meio de transfusões seja reduzido.

O zika foi detectado no Brasil em 2015 e já se espalhou pela América. O vírus representa risco para mulheres grávidas pois pode causar malformação no feto, como microcefalia.

"A transfusão de sangue infectado com o vírus zika em mulheres grávidas pode resultar em terríveis consequências", afirmou Peter Marks, diretor do Centro para Evolução e Pesquisa da FDA, em entrevista a jornalistas.

Na última semana, oficiais de saúde alertaram a mulheres grávidas para não viajarem a Miami, após o estado da Flórida confirmar transmissão do vírus zika na região.

Marks disse que duas empresas receberam aprovação especial para começar testes para rastrear o fornecimento de sangue nos Estados Unidos. Estas empresas são a Hologic Inc. e Roche Molecular Systems .

Marks disse que a FDA já analisou dados apresentados por essas empresas e está confiante que os testes experimentais terão desempenho adequado nesse cenário.

A agência havia recomendado em fevereiro que o sangue doado não deveria mais ser recolhido nas regiões onde o vírus zika estivesse circulando. A FDA também sugeriu que o sangue necessário para transfusões deveria ser obtido nas áreas do país sem transmissão ativa.


Globo Online | 26-Ago-2016 19:31

Clima intimista na UFF com Lenine e Leoni

NITERÓI - O Teatro da UFF, em Icaraí, vai abrir as portas para receber dois grandes nomes da música brasileira: Lenine e Leoni. O primeiro fará um show gratuito na próxima segunda-feira, às 19h. A apresentação faz parte do Festival Nacional de Cultura Popular — Interculturalidades. Leoni se apresentará nas próximas terça e quarta-feira, às 20h.

O clima intimista dará o tom do show “Voz & violão”, de Lenine. Ele conta que é uma oportunidade de o público conhecer a forma como as canções foram criadas, sem os recursos tecnológicos de estúdio. O músico promete apresentar os melhores momentos de seus 33 anos de carreira, incluindo um pouquinho de cada um dos discos.

— É um show aberto, feito pelo público e por mim. Vou tentar levar uma mistura de tudo o que eu já fiz, mas principalmente atender aos pedidos de todos. A plateia pode esperar muita entrega e felicidade por continuar fazendo música dessa maneira — adianta Lenine.

No setlist estarão sucessos como “Paciência”, “Hoje eu quero sair só” e “Todas elas juntas num só ser”.

Leoni, por sua vez, apresentará, dentro do projeto “MPB em cena”, o espetáculo “Multiversos”, que mistura música, poesia e projeções, também no formato intimista de voz e violão. Numa tela, amigos do músico, como Ana Beatriz Nogueira, Frejat, Paulinho Moska e Zélia Duncan, além do próprio Leoni, leem poemas de autores contemporâneos brasileiros. No repertório estão canções autoriais e de outros artistas, que dialogam com os poemas e suas temáticas de amor, sofrimento, fracasso e felicidade.

— O show é baseado na palavra. A intenção é mostrar a possibilidade que a arte tem de criar novos universos, como consolo em momentos de crise e ser uma porta do prazer em momentos de celebração — explica Leoni.

O compositor levará ainda para o show três canções inéditas: “A primeira do show”, composta para o espetáculo; “Tocha acesa”, um poema de Cazuza musicalizado; e uma versão de “Cadáver exquisito”, do argentino Fito Páez. Haverá ainda músicas de Raul Seixas, Caetano Veloso, Skank, Roberto Carlos e Paralamas do Sucesso.


Globo Online | 26-Ago-2016 17:15

Bar Italia promove o primeiro campeonato de karaokê

NITERÓI - Se você adora soltar a voz, seja no chuveiro ou em qualquer outro lugar, chegou a hora de mostrar o seu talento. Na próxima quarta-feira, a partir das 20h30m, será realizado o primeiro campeonato de karaokê no Bar Italia, em Charitas. Caso talento não seja o seu forte, não se preocupe, o importante é se divertir, garante Carmine Marasco, sócio do espaço e idealizador do evento:

— Adoro cantar, e muita gente vinha ao restaurante não só para me ouvir, mas também para cantar comigo; por isso surgiu a ideia de fazer um grande dia de karaokê para que os cantores amadores possam extravasar, soltar as suas vozes e brincar. A música tem esse poder de unir, de apagar as coisas ruins.

Cada música custará R$ 3, e o set list inclui sucessos nacionais e internacionais de diferentes gêneros. Uma máquina comprada especialmente para o evento dará as notas, e os três participantes que tiverem a maior pontuação serão premiados. O primeiro lugar receberá uma cesta dupla de café da manhã do Empório Del Gusto; o segundo lugar ganhará a pizza Bar Italia; e o terceiro, uma cesta de produtos artesanais produzidos pela casa, como pães, pastas e biscoitos. Haverá ainda sorteios de pratos de restaurantes da rede.

— Vou estar lá cantando bastante, só não vou competir pelos prêmios — diz, brincando, Carmine.

A ideia é que o campeonato aconteça toda quarta-feira.


Globo Online | 26-Ago-2016 17:01

Cobrança do pedágio na Transolímpica é adiada

RIO - Marcada para começar nesta sexta-feira, a cobrança do pedágio da via expressa Transolímpica foi adiada em razão de algumas pendências entre a concessionária Via Rio e a prefeitura. Há a previsão de que a cobrança tenha início no primeiro fim de semana de setembro.

O valor estabelecido pelo Tribunal de Contas do Município e pela prefeitura é de R$ 5,90. Mas, desde o anúncio do resultado do pregão, um impasse vinha causando polêmica. A prefeitura igualou o valor da tarifa ao do pedágio da Linha Amarela. O problema é que o valor de R$ 5,90 vigora desde janeiro de 2015 e não foi reajustado este ano porque o contrato com a concessionária Lamsa foi revisto. E a Via Rio não queria cobrar o pedágio atual, e sim o que estaria valendo se tivesse havido o aumento. Baseada nisso, apresentou planilhas para análise da Secretaria municipal de Transportes, propondo algo entre R$ 6,50 e R$ 6,60.

A praça do pedágio da Transolímpica, que fica em Sulacap, conta com 20 cabines. Mas os veículos passam livremente, sem pagar a tarifa, na manhã desta sexta-feira.

A Transolímpica foi construída para a Olimpíada e também conta com um corredor de BRT. Ela tem 26 quilômetros, sendo que 13 deles são de responsabilidade da concessionária. Assim que a cobrança começar, os motoristas terão que pagar a tarifa nos dois sentidos – em direção a Deodoro e ao Recreio dos Bandeirantes. A Via Rio previa outro ponto de cobrança, na saída para a Estrada do Rio Grande, em Jacarepaguá, mas a prefeitura negou, e ela só poderá ser feita na praça de pedágio principal.

Em seu site, a Via Rio está convocando moradores que residam dentro de um raio de dois quilômetros da praça do pedágio da Estrada do Rio Grande para cadastramento. Eles ficarão isentos da cobrança da tarifa.


Globo Online | 26-Ago-2016 11:02

Sargento do Exército morre em tentativa de assalto na Praça Seca

RIO - Um sargento do Exército morreu após uma tentativa de assalto na Praça Seca, na Zona Oeste do Rio, na tarde desta quinta-feira. Bruno Peçanha Veras passava de moto pela Rua Cândido Benício, quando foi abordado por criminosos. Ele reagiu e houve tiroteio. Ferido no abdômen, o militar chegou a ser socorrido e levado para o Hospital estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, mas não resistiu aos ferimentos. A morte do sargento foi confirmada pela Polícia Militar.

Durante o tiroteio na Praça Seca, o assaltante, cuja identificação não foi revelada, também foi baleado. Ele procurou socorro na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Cidade de Deus, também na Zona Oeste. Para isso, no mesmo bairro onde ocorreu o crime, o bandido rendeu um policial militar que estava de folga e o obrigou a levá-lo até a unidade de saúde.

Quando chegaram à UPA, o policial militar conseguiu desarmar o bandido e o rendeu, antes de dar voz de prisão ao criminoso. A arma utilizada pelo assaltante foi apreendida.


Globo Online | 26-Ago-2016 09:43

Tentativa de assalto deixa um morto e dois feridos na Tijuca

RIO - Um suspeito morreu e outro ficou ferido após uma tentativa de assalto na Tijuca, Zona Norte do Rio, no início da madrugada desta sexta-feira. A ação aconteceu por volta da meia-noite, quando quatro bandidos abordaram um veículo onde estavam um soldado do batalhão da região. O PM estava à paisana e acompanhado de uma mulher, na Rua José Higino, na altura da Rua Clóvis Bevilaqua. Ele reagiu ao assalto, e houve tiroteio no local. A mulher, de 36 anos, que estava com o policial, foi atingida na perna esquerda. Ele não se feriu.

Baleado, um dos assaltantes tentou fugir pela Rua José Higino, mas não resistiu aos ferimentos. De acordo com testemunhas, integrantes do bando ainda tentaram carregá-lo, mas desistiram depois de perceberem que o criminoso não sobreviveria, deixando-o no local.

— Ele (o suspeito que morreu) veio correndo e cambaleando até aqui. Os comparsas dele tentaram carregá-lo, mas, devido ao estado dele, desistiram e fugiram — disse uma testemunha.

Segundo os policiais, o soldado estava acompanhando da mulher até a casa dela, no momento em que foram surpreendidos pelos assaltantes. O carro do PM ficou com várias marcas de tiros. A vítima foi socorrida e encaminhada para o Hospital municipal Souza Aguiar, no Centro, e, apesar de ter quebrado a perna, não corre risco de morrer.

Durante esta madrugada, um homem deu entrada baleado nas costas na mesma unidade de saúde. Ele chegou ao local de táxi. O soldado que havia sido assaltado na Tijuca, então, foi levado até o hospital e reconheceu o reconheceu como um dos participantes do crime. Ainda não há informações sobre o estado de saúde do suspeito.

Moradores da região ficaram assustados com o tiroteio no bairro. O caso está sob a investigação da Delegacia de Homicídios da Capital (DH). Os agentes estiveram no local da tentativa de assalto e fizeram a perícia. Os policiais encontraram um revólver calibre 38.

Para o trabalho da Polícia Civil, um trecho da Rua José Higino chegou a ser interditado, mas, conforme informou o Centro de Operações Rio (COR), da prefeitura, a via foi totalmente liberada, ainda durante a madrugada. Após a passagem pelo hospital, o PM foi levado para a DH.


Globo Online | 26-Ago-2016 08:35

Bombeiros são dispensados mais cedo para economia de almoço

RIO - Quando a crise aperta, é normal cortar primeiro os supérfluos. Mas, no caso do estado, a penúria já chegou ao ponto de até itens de primeira necessidade, como remédios e alimentos, serem afetados. Nesta quinta-feira, bombeiros que trabalham em setores administrativos e funcionários terceirizados dos quartéis foram dispensados mais cedo, para que o governo não precisasse fornecer o almoço. Em vez de trabalhar das 8h às 17h, o grupo, de quase seis mil pessoas, vai passar a sair ao meio-dia, antes que a fome aperte. Em Copacabana, quem procurou a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) — que foi criada como referência na área de saúde — saiu, em muitos casos, sem ser medicado. No local, estão em falta 27 produtos, como dipirona, antibióticos, soro e até uma enzima trombolítica, essencial para pessoas que estão infartando. crise estadual 25/08

Na Cidade Nova, a mazela mudou apenas de endereço: pacientes ou parentes de doentes que faziam fila diante da Farmácia Estadual de Medicamentos Especiais (RioFarmes) também se deparavam com a falta de alguns remédios. Nada que, diante do desabastecimento, pudesse ser resolvido numa drogaria perto de casa. O projetista Osny Medeiros, por exemplo, saiu desolado do lugar, depois de ter viajado desde Macaé em busca de tratamento para a hepatite C. As drogas que buscava, Sofosbuvir e o Daclatasvir, não foram entregues.

— Eles me disseram que ligariam quando os remédios chegassem. Foi muito frustrante, não tenho nem como começar o tratamento por conta própria, pois eles custariam, juntos, mais de R$ 80 mil — lamentava.

TRATAMENTO COMPROMETIDO

O aposentado Joaquim Balbino, que não via a hora de pegar três remédios para o tratamento da mulher, paciente renal crônica, contava na fila que, se precisasse comprá-los, gastaria cerca de R$ 2 mil. Saiu de mãos abanando, mas com esperança de conseguir na próxima terça-feira, data para a qual foi reagendado:

— É uma pena. Minha mulher precisava tanto. Ela vai ficar triste. Vou ver se consigo alguma amostra grátis com o médico dela.

A dona de casa Josefa Evaristo de Oliveira, de 65 anos, ligou na véspera para confirmar se o seu medicamento, Atorvastatina de 20mg, estaria disponível. Disseram que sim, mas não era verdade:

— Informaram que tinha, mas era o de 10mg. Preciso de duas caixas por mês. Comecei o tratamento há seis meses, mas estou há dois sem tomar o remédio para o coração, e isso compromete todo o tratamento.

Melhor sorte teve o aposentado Antônio Augusto Brasil, de 65 anos, que foi buscar duas caixas de Olanzapina, medicamento neurológico, para a sobrinha de 40. Nas farmácias em geral, ele custa cerca de R$ 600 a caixa:

— No mês passado, não consegui. Quando não tem, ela não toma, mas fica agitada, não dorme. É bem difícil.

Na UPA de Copacabana, funcionários dizem que tem reinado o improviso. Na falta de um medicamento, médicos prescrevem outros, nem sempre os mais adequados. Na quarta-feira, um paciente que precisava de dipirona injetável, para combater a forte dor abdominal que sentia, teve de usar um comprimido de paracetamol, que, segundo uma enfermeira, não resolveu o problema. No mesmo dia, o atendimento entre 14h e 17h foi restringido: faltava água. Em meio à crise, os pacientes reclamavam das más condições.

— Fui muito bem atendida e nem fui obrigada a esperar muito, mas a médica disse que não tinha xarope. Disseram que faltam outros medicamentos — disse a dona de casa Sônia Corrêa, que estava com muita tosse.

Uma outra dona de casa, que levou o filho de 2 anos para ser atendido na UPA, contou que o lugar não tinha antibiótico. Ela, que se identificou apenas como Márcia, disse que, por sorte, tinha o remédio em casa:

— Ainda bem que guardei o remédio e que ele está dentro da validade. Os médicos disseram que a UPA está sem medicamentos.

A Secretaria estadual de Saúde informou que “não há desassistência aos pacientes por falta de medicamentos, uma vez que o estoque de insumos para uso interno já está abastecido”. Disse ainda que a falta de água, para manutenção da caixa d’água, durou 30 minutos, “sem impactos no atendimento”. Quanto à RioFarmes, a secretaria afirmou que o Daclatasvir e Sofosbuvir são comprados e enviados pelo Ministério da Saúde e que aguarda a “chegada de uma nova remessa para efetuar a dispensação”. Em relação ao medicamento Atorvastatina 20mg, a secretaria informou que espera sua entrega pelo fornecedor.

QUATRO HORAS DE EXPEDIENTE

A crise do estado também se reflete no Corpo de Bombeiros. Como está faltando dinheiro para a alimentação, o expediente administrativo foi diminuído de oito para quatro horas diárias para 34% dos 15.374 bombeiros militares. Os 5.227 bombeiros administrativos que começam a trabalhar às 8h passaram, a partir de ontem, a ir para casa as 12h, sem almoçar. A medida foi publicada no boletim interno da corporação e não abrange as equipes que realizam socorro ou atendem emergências. O corte afeta também o Hospital Central Aristarcho Pessoa (HCAP), as policlínicas e as odontoclínicas, que deverão estabelecer dois turnos de trabalho: das 8h às 12h e das 13h às 17h.

Alguns setores, como a chefia de gabinete, o Centro de Suprimento e Manutenção de Material Operacional, o Departamento Geral de Administração e Finanças e a Diretoria de Diversões Públicas, entre outros, não foram afetados pela medida, segundo o boletim interno. Mas, de acordo com o presidente da Associação dos Bombeiros Militares do Estado do Rio, subtenente Mesac Eflain, a situação dos servidores é dramática.

— Recebi alguns pedidos de socorro, como de bombeiros do quartel de Campinho. Disseram que faltou comida lá ontem (anteontem) — contou, acrescentando que, em Casimiro de Abreu, bombeiros do quartel da cidade estão sem saladas, legumes, lanches à tarde e ceia, ficando mais de 12 horas sem comer nada.

Em nota, o Corpo de Bombeiros informou que a medida tem por objetivo a diminuição dos gastos de custeio do expediente administrativo e que “a redução da carga horária (...) perderá o efeito tão logo a situação financeira se normalize”.


Globo Online | 26-Ago-2016 07:30

Estado nega reajuste de taxa ambiental

RIO - O governo estadual garantiu nesta quinta-feira que não houve aumento do imposto ambiental pago por empresas que trabalham com atividades potencialmente poluidoras. De acordo com o estado, a lei sancionada pelo governador em exercício Francisco Dornelles, na última quarta-feira, só fez a “atualização monetária” da parte do tributo que fica com o governo estadual, sem interferir no valor final. Os valores arrecadados com esse imposto são divididos entre União e estado.

Em nota, o Palácio Guanabara informa que “as empresas permanecem pagando os mesmos valores definidos pelo Ibama, em 30 de novembro de 2015".

A lei, afirmou o estado, “apenas regulariza e atualiza o valor monetário do repasse federal de 60% do valor arrecadado pela taxa de controle e fiscalização ambiental (TCFA), criada pelo Ibama em 2000, para o Estado do Rio, conforme prevê a legislação federal.”

Ainda de acordo com o estado, “a taxa estadual nunca significou aumento da carga tributária dos contribuintes, uma vez que estes já pagavam ao governo federal pelo registro no cadastro técnico ambiental". Informou ainda que “cabe destacar que a legislação federal prevê a compensação aos órgãos ambientais estaduais por intermédio de taxas próprias”.

Autor do texto, o deputado estadual Carlos Minc explicou que a lei se aplica a empresas que lidam com produtos potencialmente perigosos, que têm emissões significativas de poluentes como siderúrgicas, refinarias, usinas térmicas, entre outras.

— Trata-se apenas da correção de valores desatualizados há quatro anos. Num momento de crise, é uma forma de evitar o sucateamento do Inea (Instituto do Estadual do Ambiente) — diz Minc.


Globo Online | 26-Ago-2016 07:30

Justiça exige perícia para liberar ciclovia Tim Maia

RIO - A juíza Cristiana Aparecida de Souza Santos, da 9ª Vara de Fazenda Pública, determinou que a prefeitura só reabra a Ciclovia Tim Maia depois de perícia do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-RJ) ou do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe/UFRJ) atestando que há total segurança para a população. A decisão foi tomada ontem atendendo a um pedido do promotor Bruno Bezerra, do Ministério Público estadual. O trecho da ciclovia que desabou no dia 21 de abril, matando duas pessoas, foi reconstruído, mas ainda não foi reaberto. O vale tudo na Ciclovia Tim Maia

No início deste mês, o promotor ingressou com uma ação civil pública pedindo um laudo para liberar a ciclovia. Ele também acionou o consórcio Contemat-Concrejato (responsável pela construção), o município e a GEO-Rio (encarregada da fiscalização) para a reparação dos danos sofridos “pela coletividade em razão do desmoronamento ocorrido na ciclovia”. Ciclovia - 04/08

Em nota, o consórcio Contemat-Concrejato disse que não iria se pronunciar. O Crea afirmou que aguardará a notificação da Justiça. A Coppe também preferiu não se manifestar. A prefeitura do Rio, por da procuradoria-geral, informou que ainda não foi intimada da decisão. Em nota, garantiu, no entanto, “que, em decisão anterior, a Justiça estabeleceu como condição para a reabertura da ciclovia, por parte do município, a apresentação de laudo de vistoria que ateste a segurança total do local".

O promotor aponta dúvidas importantes na ação. Segundo ele, é preciso garantir a segurança da população e buscar reparação dos danos morais. O pedido teve caráter de urgência.

— Não é possível permitir que a obra seja reinaugurada sem um laudo atestando total segurança para a população. E isso só pode ser assegurado com uma perícia do Crea ou da Coppe. Uma das coisas que questiono é o fato de a empresa Contemat-Concrejato, que construiu a ciclovia, ser a mesma responsável pela reconstrução — disse Bruno.

MINISTÉRIO PÚBLICO QUER INDENIZAÇÃO

A ação do MP também propõe uma indenização por danos morais, cujo valor seria definido ao fim do processo. O custo da construção da ciclovia e a quantidade de dias que o equipamento ficou interditado serão considerados para estipular o valor que deverá ser revertido para o Fundo Estadual de Conservação Ambiental (Fecam). O pedido foi motivado pelo impacto na imagem do Rio.

Em sua decisão, a juíza lembrou que a ciclovia foi construída em aparente contradição com as finalidades legais para as quais foi criada. Afirmou ainda que foram instaurados dois inquéritos civis distintos, um para investigar eventuais atos de improbidade administrativa relacionados à contratação da obra pública, e outro para apurar responsabilidades de danos morais coletivos decorrentes do colapso parcial da ciclovia e também exigir medidas de prevenção a novos riscos.

De acordo com a juíza, a liberação da ciclovia só poderá ocorrer depois de perícia a ser realizada por representante do Crea ou, em caso de impossibilidade, pela Coppe/UFRJ, sob pena de multa diária a ser aplicada oportunamente.

Em julho, um laudo de 96 páginas com estudo sobre as condições estruturais da ciclovia feito pela Coppe apontou que a prefeitura deveria mapear e avaliar toda a estrutura, do Leblon a São Conrado. A instituição, contratada pelo próprio município para uma perícia independente, indicou que “outros trechos da ciclovia são vulneráveis à ação das ondas”, sejam em partes adjacentes ao local do colapso, ou em pontos que ficam na direção de São Conrado, incluindo o calçadão, cujos pilares são atingidos pelo mar.

Foi baseado nesse laudo que, numa outra ação, o Ministério Público Federal pediu à Justiça a paralisação das obras no trecho que desabou, além da interdição do restante até que o estudo fosse feito em toda a ciclovia. No relatório técnico, assinado por seis engenheiros e dois diretores da Coppe, as fotos revelam que, ao lado da Gruta da Imprensa, onde ocorreu o desabamento, há seis locais onde as ondas, ao se chocarem contra as paredes e muretas, produzem jatos capazes de atingir alturas elevadas, em decorrência do impulso provocado pela arrebentação.

CICLISTAS IGNORAM INTERDIÇÃO

Ontem, ciclistas e pedestres continuavam a usar trecho da ciclovia interditado pela Defesa Civil. Questionada, a Secretaria municipal de Conservação voltou a dizer que o trecho encontra-se interditado por determinação da Justiça e que a população precisa obedecer à decisão. Em nota, afirmou que “há sinalização com fitas e blocos de concreto que pesam aproximadamente meia tonelada, instalados para impedir a passagem, mas que já foram removidos diversas vezes por pessoas que entraram na ciclovia”. Já a Guarda Municipal disse que vai reforçar a vigilância no local e nos trechos interditados.


Globo Online | 26-Ago-2016 07:30

Apesar de ameaça, reintegração de terras no Jardim Botânico não para

RIO - A despeito de uma ameaça recebida por e-mail, o presidente do Instituto Jardim Botânico, Sérgio Besserman, assegurou nesta quinta-feira que não será interrompido o processo de cumprimento de determinações do Tribunal de Contas da União (TCU) para desocupação da área delimitada do parque. Como adiantou o colunista Ancelmo Gois em sua coluna no GLOBO, Besserman recebeu um aviso: “Cuidado com a sua decisão. Se se eu perder minha casa, você vai pagar caro”. Ele comunicou o fato ao Ministério do Meio Ambiente, que mandou um ofício à Polícia Federal (PF). Jardim Botânico - 25/08

— A ameaça não muda absolutamente nada em relação a esse processo. Decisões judiciais têm de ser obedecidas — afirmou o presidente do Jardim Botânico, há um mês e meio no cargo, acrescentando que não pretende mudar sua rotina. — Não estou com seguranças nem preciso disso.

Besserman acredita que a ameaça seja uma atitude isolada de uma pessoa. Para ele, a mensagem não partiu de representantes das famílias do Horto que vivem em 520 casas dentro do perímetro do Jardim Botânico:

— A SPU (Secretaria do Patrimônio da União) e o Jardim Botânico estão trabalhando juntos para cumprir as determinações do TCU. E o que os moradores fizeram, até agora, foi manifestar o direito de querer dialogar. Quando eu tiver informações e ferramentas para participar desse diálogo, eu o farei.

As terras do Jardim Botânico cedidas no passado a antigos funcionários, para que pudessem morar perto do trabalho, viraram objeto de uma batalha judicial de mais de três décadas. No último acórdão, de 10 de agosto, o TCU deu 90 dias para que a SPU — que tem o registro da área — fizesse a doação definitiva da propriedade para o Jardim Botânico. Segundo o TCU, esse prazo ainda não começou a correr, porque depende da notificação de todos os envolvidos.

Com o cumprimento do acórdão, começarão a ser contados os prazos para a desocupação do terreno. Após o registro definitivo, são 60 dias para a reintegração de posse das mais de 200 casas com ações transitadas em julgado. Em paralelo, o Jardim Botânico terá 90 dias para ir à Justiça e retomar os imóveis sobre os quais não existem ações.

CLIMA DE INTIMIDAÇÃO

Antecessora de Besserman na presidência, Samyra Crespo contou que constantemente recebia ameaças. Ela chegou a protocolar um relatório na PF:

— O clima era de intimidação. Cercaram a sede do instituto e saímos com o apoio da PF. No estacionamento dos fundos, um motociclista me mandou um recado, através de um funcionário, de que ia esculhambar comigo. Uma pessoa encapuzada disse a um funcionário que estava numa retroescavadeira e que, se esse empregado fosse derrubar alguma casa, tinha o endereço dele. Recebi denúncias de invasões, mas não pude mandar averiguar porque meus seguranças eram ameaçados.

Por sua vez, o assistente jurídico da Associação de Moradores e Amigos do Horto, Rafael da Mota Mendonça, garantiu que a comunidade é pacífica e que busca seus direitos por meio de instrumentos judiciais:

— Trata-se de uma questão fundiária complexa. Há mais de 200 anos, a comunidade ocupa as terras, que só recentemente foram registradas em nome da União. Existe um procedimento administrativo na SPU requerendo a concessão de uso especial da área. Há ainda uma ação no Supremo visando a anular todas as decisões do TCU.


Globo Online | 26-Ago-2016 07:30

Beltrame quer que militares fiquem no Rio após eleições

RIO - Em mais um reconhecimento de que a crise do estado afeta a segurança pública, o secretário José Mariano Beltrame disse nesta quinta-feira que quer pedir a permanência das Forças Armadas nas ruas do Rio mesmo após as eleições. A declaração foi feita numa entrevista ao “RJ-TV”, da Rede Globo. O titular da pasta de Segurança afirmou ainda que tem planos para reformular as Unidades de Polícia Pacificadora, mas admitiu não ter recursos para executá-los. Beltrame 25/08

— Eu, por mim, quero que (os militares) fiquem. Se puder pedir, eu peço. Agora, não vou fazer um pedido que não vai ser aceito. Eu já pedi as forças em outras ocasiões, e o pedido não me foi concedido por questões financeiras. Eu vou tentar. Como sempre tentei outras vezes — disse, sem demonstrar otimismo.

HOMICÍDIOS DIMINUÍRAM

As tropas federais chegaram ao Rio no início de julho, para reforçar a segurança durante a Olimpíada. Na segunda-feira, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, confirmou que as Forças Armadas vão permanecer na cidade até as eleições.

Segundo dados da Secretaria de Segurança, o número de homicídios dolosos no Rio caiu 17,6% entre 24 julho e 24 agosto, em relação ao mesmo período de 2015. Se avaliado o período dos Jogos Olímpicos (entre 5 e 18 de agosto), em comparação também com os mesmos dias no ano passado, houve uma redução de 4,2% nos crimes de letalidade violenta (que englobam homicídio doloso, latrocínio e lesão corporal co morte).

— Não vou dizer que o índice de 4% seja uma vitória, mas é uma diminuição. A segurança planejada para a Olimpíada, para o Engenhão, o Maracanã, a Marina da Glória, aconteceu e deu certo — afirmou o secretário de Segurança durante a entrevista à Rede Globo. — A diminuição passa a ser importante porque se reflete fora dessas áreas, pela simples presença maciça de policiais.

MUDANÇAS NAS UPPS

Beltrame garantiu ainda que permanecerá no cargo pelo menos até o fim do ano. Informou também que pretende implementar mudanças nas Unidades de Polícia Pacificadora a partir do mês que vem. O secretário prometeu melhores condições de trabalho e de segurança dos próprios policiais, com o fornecimento de equipamentos e bases definitivas.

— Há muita reclamação de que eles estão um pouco desprotegidos. Nós temos que fazer bases melhores lá para eles, passados oito anos do projeto. Nós temos que acabar definitivamente com essa história de contêiner. Temos que arrumar um armamento em condições melhores — disse, ressaltando, no entanto, que a pasta não tem recursos para fazer essa reformulação. — Isso (o dinheiro) deve ser prioridade do governador, porque, sem segurança, nada acontece. Eu não tenho a chave do cofre, não tenho a caneta para assinar o cheque.


Globo Online | 26-Ago-2016 07:30

Niterói e São Gonçalo têm 17 áreas contaminadas, mostra cadastro do Inea

RIO - Tradicionalmente evidenciada pela fumaça no ar ou pelo cheiro de esgoto, a poluição pode estar mais oculta do que parece em Niterói e São Gonçalo. O Cadastro de Áreas Contaminadas do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), concluído no fim do ano passado, aponta que há pelo menos 17 áreas em que empresas contaminaram de alguma forma o solo ou o lençol freático das duas cidades. Em Niterói, a concentração desses poluentes está numa única rua: a Alameda São Boaventura, no Fonseca, porta de entrada e saída da cidade pela Ponte Rio-Niterói, onde há quatro das cinco áreas listadas no cadastro do órgão ambiental — todos são postos de gasolina. O vice-presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária Ambiental do Rio de Janeiro (Abes Rio), Gandhi Giordanno, explica que esses vazamentos de contaminantes contribuem para poluir a Baía de Guanabara:

— O que acontece é que eles descem do ponto mais alto para o ponto mais baixo. No caso de Niterói e São Gonçalo, o ponto mais baixo será sempre a Baía.

O problema é medido pelo Inea desde 2013, quando o órgão passou a divulgar anualmente relatório indicando quais áreas estão comprovadamente contaminadas e com que produtos. No caso dos postos, o contaminante mais comum são derivados de petróleo, que vazam devido a tanques enterrados corroídos pela ação do tempo. Uma vez constatada a contaminação de um posto, o estabelecimento tem, por lei, até seis anos para solucionar o problema.

— O principal risco para a saúde humana é a ingestão da água subterrânea, mas isso é improvável no caso de Niterói porque quase ninguém usa poço — afirma Giordanno.

Ele ressalta ainda que, no passado, quando era comum postos de gasolina serem instalados perto de prédios residenciais, havia o risco de vazamento de combustível se infiltrar em garagens subterrâneas. Já houve, segundo Giordanno, casos de explosão.

Ricardo Lisbôa Vianna, presidente do Sindestado, sindicato que representa os postos de gasolina no Estado do Rio, afirma que este problema é resultado da falta de legislação ambiental específica sobre o tema no século passado:

— Embora não tenhamos como quantificar os casos, a contaminação de áreas em postos de combustíveis é um problema real em nosso estado, situação herdada quase que integralmente do século XX, quando não havia as exigências de proteção ambiental hoje existentes. Até então, os postos não precisavam, por exemplo, ter impermeabilização de pisos e tratamento de efluentes nem dispor de tanques ecológicos.

Baía polui estaleiro, diz engenheiro

De acordo com ele, desde a resolução do Conama, de 2000, os postos começaram a substituir tanques antigos. Vianna afirma também que o sindicato presta consultoria aos donos de postos a respeito das novas exigências ambientais.

— Os terrenos que eventualmente foram contaminados no passado vêm sendo remediados em processos cuja duração depende da extensão do dano, sendo essa correção exigida para que o empresário obtenha a necessária licença ambiental, caso queira prosseguir como revendedor de combustíveis — diz.

Nem todos os problemas, porém, são em postos de gasolina. Das 17 áreas identificadas pelo Inea, cinco delas são indústrias. Em Niterói, a única é o Estaleiro Brasa, na Ilha da Conceição, que opera na região desde 2012. O engenheiro ambiental da empresa, Leonardo Desidério, explica que encontraram a área já contaminada quando se instalaram ali. Mais do que isso, ele aponta que a própria Baía contribui para a poluição do local. Foram encontrados no solo cádmio, chumbo, cobre, zinco e derivados de petróleo.

— Nós alugamos a área já com esse passivo. Quando nos instalamos, um relatório de consultoria independente identificou que os materiais contaminantes não tinham relação direta com a nossa atividade — afirma ele. — Só começamos a operar a pleno vapor aqui em 2013, um ano depois de identificados os contaminantes.

Em junho de 2013, a pedido do Inea, o estaleiro elaborou um relatório de avaliação de risco à saúde humana. O documento, feito também por uma consultoria independente, afirma que é muito baixo o risco para os trabalhadores, uma vez que “são obrigados por força de legislação trabalhista e de segurança do trabalho a utilizar EPIs (Equipamento de Proteção Individual)”. O mesmo documento, porém, indica que “observa-se uma forte contaminação do solo que no futuro poderia constituir risco a outras atividades que venham a ser instaladas. Além disto, existem indicações de que estes contaminantes podem estar sendo lixiviados para a Baía de Guanabara, principalmente considerando-se a salinidade das águas subterrâneas.”

O vice-presidente da Abes Rio aponta que a contaminação de seres humanos por estes produtos pode ocorrer tanto pelo contato físico com os produtos quanto por inalação de vapores oriundos deles.

— De forma geral, os trabalhadores estão protegidos do contato físico. O problema são os vapores. Eles sempre causam danos ao sangue da pessoa, se inalados. Uma das doenças é leucopenia (redução no número de glóbulos brancos no sangue). O problema é que o entorno do estaleiro tende a estar contaminado — explica.

Para Desidério, porém, é o estaleiro que se contamina pelas águas da Baía de Guanabara; não o contrário. Ele utiliza como evidência o fato de o número de contaminantes no solo ter caído consideravelmente de 2012 para 2013, sem qualquer ação por parte do Estaleiro Brasa. Neste último ano, somente o chumbo foi encontrado.

— Ou foi a atividade anterior (desenvolvida) no espaço, que foi a construção de uma plataforma, ou é influência da própria Baía. São contaminantes que estão presentes nas águas e que seriam trazidos pela ação da maré — afirma ele. — O lençol freático não tem um nível só. Há ocasiões em que encontramos água a um metro do solo. Então a maré pode contaminá-lo.

Especialista, Giordanno avalia que dados os níveis de sódio nos poços de monitoramento do Estaleiro Brasa, há sim esta possibilidade, pois o alto nível de sal identificado aponta que há troca entre o lençol freático e a água do mar. Ele diz que os químicos encontrados na água são oriundos de atividade industrial, ou seja, não são nativos da Baía.

Diante do cenário, o Estaleiro Brasa enfatiza que tem cumprido todas as determinações do Inea e que tem Licença de Operação e Recuperação válida até 2019. Como parte dessa licença, deve entregar até o fim de outubro um relatório detalhado dos contaminantes no seu terreno. Após isso, deverá ser feito um segundo estudo para avaliar riscos à saúde humana. Desidério porém, acredita que quantidade de poluentes no estaleiro continuará dependendo da maré.

Indústria de plástico ignora Inea

Em São Gonçalo, além dos postos de gasolina e da indústria, há contaminação em garagens de empresas de ônibus. São os casos das viações Estrela e Galo Branco, operadas pelo mesmo grupo. Em ambas, houve contaminação da água subterrânea por derivados do petróleo. Christiane Chafim, coordenadora da área de Meio Ambiente da Fetranspor, que presta consultoria técnica na área para as empresas, afirma que tudo foi feito para recuperar o terreno. Nos dois casos, houve tratamento da área, com remoção da terra contaminada.

— É muito comum termos contaminação com este tipo de produto. Principalmente em garagens de ônibus, já que algumas operam há mais de 50 anos, antes de haver legislação sobre o tema — afirma ela. — As áreas já estão remediadas. Agora é aguardar e fazer o monitoramento. O que podia ser feito já foi.

Nem sempre, porém, a determinação do Inea é cumprida. Também em São Gonçalo, a Indústria de Plástico Rangel, em Tribobó, às margens da Rodovia Amaral Peixoto, sequer enviou ao órgão relatório de quais seriam os contaminantes encontrados ali. Procurado, o Inea informou que já autuou a empresa duas vezes em 2015 pelo não atendimento às notificações de requerimento de estudos de investigação da qualidade do solo e da água subterrânea. “Não é possível afirmar quais substâncias químicas de interesse foram identificadas na área, tendo em vista que não foram apresentados os estudos requeridos”, disse o Inea em nota. O GLOBO-Niterói não conseguiu contato com representantes da Rangel. Questionado, o Inea não respondeu se já aplicou algum tipo de multa ou sanção à indústria.


Globo Online | 26-Ago-2016 07:30

Internos fogem após atearem fogo em unidade do Degase

RIO - Cerca de 20 adolescentes infratores fugiram de uma unidade do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, na tarde desta quinta-feira. A fuga aconteceu depois que os internos, que cumprem medida de semiliberdade no Centro de Recursos Integrados de atendimento ao Adolescente (Criaad) do bairro, incendiou um dos alojamentos da unidade. Não há informações de feridos.

De acordo com o sindicato de servidores do Degase, as chamas atingiram colchões, ventiladores, paredes e camas do alojamento. Além disso, os adolescentes teriam pichado as paredes do local, com ameaças de morte ao diretor da unidade. Os agentes tentaram apagar o incêndio, mas bombeiros e policiais militares precisaram ser acionados.

O grupo que fugiu, ainda segundo os agentes, pulou o muro da unidade após o início do incêndio. Quatro adolescentes envolvidos no tumulto chegaram a ser apreendidos antes de escaparem e foram encaminhados para a 36ª DP (Santa Cruz), onde foram autuados pelo ato infracional praticado, desta vez durante o cumprimento da medida socioeducativa.


Globo Online | 26-Ago-2016 03:57

Lochte é indiciado pela polícia por falsa comunicação de crime

RIO - A Polícia Civil do Rio de Janeiro indiciou o nadador americano Ryan Lochte falsa comunicação de crime, informa a agência de notícias AFP. Lochte, que conquistou ouro no revezamento na Olimpíada do Rio, disse ter sido vítima de assalto, história depois que foi desmentida pelas investigações. O delegado responsável pelo caso sugeriu ao Poder Judiciário a expedição de carta rogatória para que o atleta seja notificado da decisão nos Estados Unidos.

Lochte - 25/08

Na madrugada do dia 14 de agosto, Lochte e outros três nadadores da equipe olímpica dos EUA - Gunnar Bentz, Jack Conger e Jimmy Feigen voltavam de uma festa na Casa da França, na Lagoa, Zona Sul do Rio. Na Barra da Tijuca, a caminho da Vila dos Atletas, pediram ao taxista que os levava para parar num posto de gasolina. Lochte e os companheiros quebraram o banheiro e urinaram nas paredes. Contido por seguranças, eles contaram depois que tinham sido assaltados por policiais armados. A versão, no entanto, foi derrubada pela polícia, com ajuda de cãmeras do circuito interno de vídeo que gravaram tudo o que aconteceu no posto.

Lochte, que conquistou na carreira 12 medalha olímpicas, admitiu que sua versão inicial não era a correta e pediu desculpas. Ele reconheceu que estava "intoxicado", como se referiu ao fato de ter feito uso de bebida alcoólica. Na sequência do caso, Lochte, de 32 anos, perdeu quatro patrocinadores.

O inquérito foi conduzido pela Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat). Houve um pedido também para que os autos sejam enviados à Comissão de Ética do Comitê Olímpico Internacional (COI).

ENTENDA O CASO

Ryan Lochte e outros três nadadores americanos que prestaram queixa de um suposto assalto no Rio mentiram sobre o crime e, na verdade, brigaram com seguranças de um posto de gasolina que fica a caminho da Vila dos Atletas, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, segundo as investigações da Polícia Civil.

Agentes Deat recolheram imagens do circuito interno do estabelecimento que mostram a confusão entre Ryan Lochte, James Feigen, Gunnar Bentz e Jack Conger e os funcionários do posto. Segundo o vídeo, os medalhistas olímpicos chegaram por volta das 6h, já alterados, possivelmente por já estarem com nível etílico alto e começaram a fazer bagunça no estabelecimento, que fica ao lado de uma unidade hospitalar. Com isso, os funcionários reclamaram, e teve início a confusão. Vídeo revela farsa de nadadores americanos

Ryan Lochte deixou o país na noite do úçtimo dia 15, num voo para os Estados Unidos. Lá, ele concedeu uma entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, admitindo que mentira por culpa de sua imaturidade e por estar alcoolizado. Por causa disso, o nadador dono de 12 medalhas olímpicas perdeu seus quatro patrocinadores: Speedo, Ralph Lauren, Airweave e Syneron Candela. As decisões devem causar um grande baque nas finanças do atletas, já que a publicidade corresponde a cerca de 92% de sua receita. No entanto, Lochte não parece ter perdido o rebolado após sua polêmica incursão na noite carioca durante a Olimpíada do Rio. Ele será uma das personalidades que participará da próxima temporada do programa de TV "Dancing with the stars", a "Dança dos Famosos" dos EUA, segundo fontes ouvidas pelo jornal "USA Today".

LEIA TAMBÉM:

O pensamento vivo de Ryan Lochte em sete frases ao longo da carreira

Paes diz que sente pena e desprezo por nadadores americanos

Caso Lochte: em depoimento à polícia, funcionários de posto confirmam confusão com nadadores


Globo Online | 25-Ago-2016 23:18

Cobal do Leblon ficará ainda mais vazia sem Pizza Park

RIO - A Cobal do Leblon está vazia. E a saída do Pizza Park vai piorar o cenário. O restaurante recebeu ordem judicial para desocupar o local até o dia 8 de setembro, por anos de inadimplência de aluguel. A pizzaria usa um espaço de três lojas, numa área de 105m², com mensalidade em torno de R$ 12.583,20. Como outros comerciantes estão inadimplentes e também foram acionados judicialmente pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), responsável por funcionamento e ocupação das lojas, mais despejos são esperados, o que acaba influenciando no fluxo de clientes.

— Hoje, o movimento é 20% do registrado antigamente — afirma Rodolfo Gonçalves, que vende balas na Cobal há 38 anos. — Vendia um tabuleiro de bala por dia e ia embora às 13h. Agora, levo uma semana para vender, e saio às 17h.

De um total de 47 lojas, apenas 17 estão ocupadas. Já em relação aos 83 boxes, só 49 estão preenchidos. E, para comerciantes ocuparem os espaços vazios, ainda deve demorar: as licitações só poderão ser feitas quando todas as pendências judiciais forem resolvidas. Não é possível licitar lojas ou boxes individualmente, de acordo com a Conab, o que vai na contramão dos interesses de quem tem empreendimentos ali, como o empresário Gil Pirozzi, proprietário da delicatessen Delly Gil.

— É preciso que as áreas vazias sejam licitadas, atraindo novos comerciantes. Sofremos com a falta de administração e gestão — reclama.

Além disso, um impasse entre os governos federal e estadual dificulta a revitalização do local, pois deixa indefinida a titularidade da área: o primeiro construiu e administra a Cobal, na figura da Conab. Já o segundo é detentor do terreno.

— Efetivamente, não se pode fazer nada enquanto os dois (governo federal e estadual) não se sentarem para resolver a questão da propriedade — disse a presidente da Associação de Moradores e Amigos do Leblon (AMA Leblon), Evelyn Rosenzweig, acrescentando que o ideal seria repassar o terreno para a iniciativa privada investir e tomar conta.

Apesar do constante esvaziamento, a Conab garante que a Cobal não vai fechar. A empresa também quer repassar a área para a iniciativa privada. Mas ninguém sabe afirmar quando isso vai poder acontecer.


Globo Online | 25-Ago-2016 23:07

Menina de nove anos é morta a facadas pelo padrasto no Fallet

RIO — Um homem foi detido suspeito de esfaquear a enteada de 9 anos, na tarde de quinta-feira, no Morro do Fallet, região central do Rio. Policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Coroa, Fallet e Fogueteiro foram acionados por volta das 16h30 e socorreram a menina. Ela foi encaminhada ao Hospital Souza Aguiar, no Centro, mas não resistiu aos ferimentos.

O padrasto da vítima também foi encontrado ferido no local. De acordo com a polícia, testemunhas contaram que o suspeito teria caído de uma laje depois de esfaquear a enteada. Ele também foi encaminhado à mesma unidade hospitalar. O caso está sendo investigado pela Divisão de Homicídios (DH) da capital. Os agentes não informaram o que motivou o crime.


Globo Online | 25-Ago-2016 22:42

Procuradoria Regional Eleitoral pede apuração sobre legalidade do reajuste no município

RIO - O procurador regional eleitoral Sidney Madruga encaminhou ao núcleo especializado do Ministério Público do Rio de Janeiro pedido para apurar legalidade sobre o decreto reajustando os salários em 8,53% dos servidores do município a partir de setembro, como publicado no Diário Oficial (Decreto nº 42.158/2016), desta quinta-feira.

A concessão levou a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) do Rio de Janeiro a pedir uma investigação de possível ilícito eleitoral cometido pelo prefeito Eduardo Paes. A apuração sobre se foi cometido abuso de poder político e conduta vedada foi requerida à Promotoria Eleitoral na capital.

O procurador quer verificar se foi violada a Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997, art. 73, VIII), que veda a concessão de aumentos a servidores públicos que excedam a recomposição das perdas ocorridas durante o ano eleitoral.

Procurado, o prefeito Eduardo Paes não se mostrou preocupado com a ação.

- Todo ano os servidores municipais tem reajuste salarial. Não estou criando uma novidade. Então não vejo sentido nesse pedido. - afirmou o prefeito.


Globo Online | 25-Ago-2016 20:43

Artistas transformam casa em Niterói em polo cultural

NITERÓI - Três amigas e a vontade de promover arte foi o bastante para fazer surgir em Itaipu a CasadiArte, um espaço cujo objetivo é disseminar o trabalho de artistas independentes. As idealizadoras — as fotógrafas Desirée Brito e Marcelle Ferreira, que também é designer de moda; e a cantora Jessica Coelho — contam que sentiam a necessidade de um ambiente alternativo em Niterói. Para preencher essa lacuna, decidiram morar juntas e transformar a casa alugada na Rua Zilmar de Oliveira 80 num reduto artístico.

Em novembro do ano passado, as amigas embarcaram nesse sonho e, aos poucos, o projeto vem ganhando cara e notoriedade na cidade. Além de exporem seus próprios trabalhos, elas abrem as portas para outras manifestações artísticas. O local já recebeu eventos como oficina de cabelo e exposição de doces personalizados. Atualmente, a CasadiArte dá espaço a um bazar de roupas e bijuterias, cadernos com capinhas de pano preparados manualmente, bolsas e mudinhas de plantas. O lugar oferece também oficinas gratuitas de jardim vertical e de como transformar caixotes em móveis. O projeto conta ainda com o Domingo Criativo, evento sazonal com programação diversificada. No último, o espaço ofereceu atividades envolvendo horticultura.

Para participar do projeto não é cobrado nada, mas os expositores podem colaborar com qualquer quantia para ajudar no funcionamento do espaço, explica Marcelle:

— Eu sou artista e só conheço artistas. Sei bem as dificuldades por que passamos para mostrar nosso trabalho. Por isso, surgiu a ideia. Queremos nos ajudar a promover arte e provar que não é fácil, mas é possível, sim, viver dela.

FEIRA E JANTAR ITINETANTE

De acordo com Desirée, o objetivo é construir um ciclo de troca de experiências.

— Queremos repassar o que aprendemos e aprender com novos projetos — diz.

O projeto se prepara para realizar a Feira Afro Empreendedora e os Jantares Itinerantes, que contarão com apresentações musicais.

— E é só o começo — garante Jessica.

Para quem quiser visitar o espaço ou se tornar um expositor o telefone para contato é 98014-0399.


Globo Online | 25-Ago-2016 20:31

Intenso tiroteio na Mangueira fecha Visconde de Niterói

RIO — Policiais militares da UPP da Mangueira trocaram tiros com bandidos, na tarde desta quinta-feira, na localidade conhecida como Olaria, Zona Norte do Rio. A troca de tiros começou por volta das 15h30m. Por medida de segurança, a Avenida Visconde de Niterói ficou fechada por cerca de 15 minutos. Segundo a corporação, o policiamento foi reforçado por agentes de outras UPPs, que fazem buscas pelo suspeitos. Até as 17h, ninguém ainda havia sido preso.

Nas redes sociais, internautas relataram o clima tenso na região: "Gente... 4 da tarde e um forte tiroteio na Mangueira, pode isso? Atenção, pessoal", escreveu um deles. "Rua Visconde de Niterói com carros retornando em direção a São Cristóvão. Ouvindo tiros de fuzil", disse outro.

Não há informações sobre feridos. De acordo com o Centro de Operações da Prefeitura, o trânsito é intenso no local. Os motoristas devem optar pela Radial Oeste, que possui boa movimentação nos dois sentidos.


Globo Online | 25-Ago-2016 19:54

Prefeitura ainda não fez repasse para ajudar na realização da Paralimpíada

RIO - Apesar da Justiça Eleitoral do Rio ter autorizado o prefeito Eduardo Paes a repassar verbas públicas para os Jogos Paralímpicos, o município informou nesta quinta-feira que ainda não destinou recurso extra algum à realização do evento, sem que haja uma data nem um valor definido para a ajuda. Na semana passada, Paes tinha anunciado que, se necessário, liberaria entre R$ 100 milhões e R$ 150 milhões para garantir a realização dos Jogos, que começam no próximo dia 7 de setembro. Mas uma decisão da Fiscalização de Propaganda Eleitoral — derrubada agora pelo desembargador Herbert de Souza Cohn — tinha impedido o repasse, por ser ano eleitoral. Paralimpíada - 22.08

Enquanto isso, a venda de ingressos para a Paralimpíada, que era um dos grandes obstáculos na organização do evento, parece ter começado a deslanchar. Nesta quarta-feira, foram vendidos, em um único dia, 145 mil entradas para o evento. O número representou um novo recorde, depois de na terça-feira terem sido comercializados 133 mil bilhetes.

Com isso, informou Donovan Ferreti, diretor de ingressos do Comitê Organizador Rio 2016, ao todo se chegou a 800 mil ingressos vendidos, quase um terço dos 2,5 milhões disponíveis para a Paralimpíada. Finais de modalidades como natação e basquete em cadeira de rodas, disse ele, já estão esgotadas. Futebol de 5, judô e ciclismo de pista são outros esportes entre os mais procurados, enquanto goalball, bocha e tênis em cadeira de rodas estavam entre os que ainda tinham as maiores quantidades de tíquetes.

— Agora é a hora de comprar seus ingressos e fazer parte da história apoiando esses verdadeiros heróis do esporte — disse Donovan.

Para comprar os ingressos, os interessados devem acessar o site www.rio2016.com/ingressos, onde estão disponíveis ingressos a partir de R$ 10. Pessoas com deficiência e maiores de 60 anos têm direito à meia-entrada em todas as faixas de preço, assim como estudantes e professores da rede pública municipal, na categoria das entradas mais baratas.


Globo Online | 25-Ago-2016 19:24

Mais de 800 motoristas são multados por embriaguez durante Jogos

RIO - A Operação Lei Seca autuou 828 motoristas alcoolizados durante os Jogos Olímpicos. Eles tiveram as carteiras de habilitação recolhidas e terão o direito de dirigir suspenso. Outras 148 pessoas foram flagradas dirigindo com a carteira de habilitação suspensa. No total, 14.338 motoristas foram abordados e 2.468 multados durante os 17 dias de Olimpíada.

Segundo o governo, foram realizadas 67 operações em várias regiões do estado. Além das operações de conscientização e educação durante os Jogos, foram feitas 77 ações em bares, restaurantes e locais de grande concentração de público, como no Boulevard Olímpico e no Parque de Madureira. De acordo com o balanço, 9.553 pessoas foram abordadas.

Em 2014, durante a Copa do Mundo, 9.302 motoristas foram abordados e 2.550 foram multados. Deste total, 938 casos eram de pessoas alcoolizadas ao volante.


Globo Online | 25-Ago-2016 17:51

Lochte deverá ser intimado a prestar novo depoimento no Brasil

RIO - A Justiça do Rio vai intimar o nadador americano Ryan Lochte a prestar novo depoimento no Brasil sobre o caso do falso assalto. Segundo o titular da Delegacia de Atendimento Especial ao Turista (Deat), Clemente Braune, em entrevista ao site G1, o atleta terá que comparecer a uma audiência perante o juiz ou será julgado à revelia.

“Uma vez citado, comparecendo ou não à audiência, a pena é a mesma, prevista em lei para o delito de comunicação falsa de crime: 1 a 6 meses de detenção. Se ele for citado e não comparecer na audiência, o processo segue sem a presença do réu até a sentença final”, disse o delegado ao G1. Lochte - 25/08

O inquérito sobre o caso será concluído essa semana e enviado ao Ministério Público. Segundo o delegado, Lochte não poderá ser ouvido nos Estados Unidos e terá que comparecer pessoalmente à audiência. “Não há uma pena para o não comparecimento, mas sim um prejuízo processual, pois a ação seguirá sem a sua presença”.

ENTENDA O CASO

Ryan Lochte e outros três nadadores americanos que prestaram queixa de um suposto assalto no Rio mentiram sobre o crime e, na verdade, brigaram com seguranças de um posto de gasolina que fica a caminho da Vila dos Atletas, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, segundo as investigações da Polícia Civil.

Agentes Deat recolheram imagens do circuito interno do estabelecimento que mostram a confusão entre Ryan Lochte, James Feigen, Gunnar Bentz e Jack Conger e os funcionários do posto. Segundo o vídeo, os medalhistas olímpicos chegaram por volta das 6h, já alterados, possivelmente por já estarem com nível etílico alto e começaram a fazer bagunça no estabelecimento, que fica ao lado de uma unidade hospitalar. Com isso, os funcionários reclamaram, e teve início a confusão. Vídeo revela farsa de nadadores americanos

Ryan Lochte deixou o país na noite do úçtimo dia 15, num voo para os Estados Unidos. Lá, ele concedeu uma entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, admitindo que mentira por culpa de sua imaturidade e por estar alcoolizado. Por causa disso, o nadador dono de 12 medalhas olímpicas perdeu seus quatro patrocinadores: Speedo, Ralph Lauren, Airweave e Syneron Candela. As decisões devem causar um grande baque nas finanças do atletas, já que a publicidade corresponde a cerca de 92% de sua receita. No entanto, Lochte não parece ter perdido o rebolado após sua polêmica incursão na noite carioca durante a Olimpíada do Rio. Ele será uma das personalidades que participará da próxima temporada do programa de TV "Dancing with the stars", a "Dança dos Famosos" dos EUA, segundo fontes ouvidas pelo jornal "USA Today".

LEIA TAMBÉM:

O pensamento vivo de Ryan Lochte em sete frases ao longo da carreira

Paes diz que sente pena e desprezo por nadadores americanos

Caso Lochte: em depoimento à polícia, funcionários de posto confirmam confusão com nadadores


Globo Online | 25-Ago-2016 17:04

Pista inferior do Elevado do Joá será interditada nesta quinta-feira

RIO - A pista inferior do Elevado do Joá, que liga São Conrado à Barra da Tijuca, será interditada para manutenção a partir das 23h desta quinta-feira. A via ficará fechada até 4h30 desta sexta.

A prefeitura informou que, durante o fechamento da pista, os motoristas provenientes da Barra que seguem para a Zona Sul terão como alternativa a pista superior do Elevado do Joá, que passará a ter sentido único para São Conrado.

Agentes de tráfego da CET-Rio vão ficar nos bloqueios para orientação de trânsito. Além disso, viaturas, motocicletas e reboque ficarão posicionados em pontos específicos. Painéis de mensagens vão reforçar a sinalização na área.


Globo Online | 25-Ago-2016 15:01

Furtos de cabos causam suspensão na circulação de trens em 22 estações

RIO - Furto de cabos da SuperVia descobertos na madrugada desta quinta-feira causam a suspensão da circulação de trens em 22 estações na Baixada Fluminense. O problema afetou inicialmente a circulação entre Saracuruna e Gramacho desde às 3h30m. O problema, segundo a empresa, acabou se estendendo às estações Campos Elíseos e Jardim Primavera, Vila Inhomirin e Guapimirim, que estão fechadas para embarque e desembarque enquanto não terminar o trabalho de reparos na rede aérea feita por técnicos da concessionária.

No ramal Saracuruna, trens circulam somente entre as estações Central do Brasil e Gramacho. Os passageiros estão sendo informados sobre a operação através do sistema de áudio dos trens e estações. Por meio de nota, a SuperVia ressaltou que “repudia ações como essa, que danificam o patrimônio público e causam transtorno a milhares de pessoas”. A concessionária vai registrar em delegacia.


Globo Online | 25-Ago-2016 10:38

Uma tradição de 60 anos em risco

Manoela, de 11 anos, é uma menina especial que tem autismo leve. Quando chegou à Associação de Assistência às Causas Sociais (AACS), em Vila Isabel, há quatro anos, era muito irrequieta e tinha dificuldades de socialização e concentração. Passado esse tempo, e devido ao trabalho educacional realizado pela instituição, Manoela hoje é outra pessoa, mais antenada e feliz. Mas o bem-estar dela e das demais crianças ali matriculadas está ameaçado.

— Foi uma evolução maravilhosa desde que minha filha chegou. Estou muito satisfeita. Mas espero que esse trabalho possa continuar — diz a mãe, Suzana Tardin, feliz, mas receosa.

O receio dos pais surgiu em dezembro de 2015, quando a Fundação da Infância e Adolescência, órgão da Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, deixou de repassar a verba mensal para a instituição que, há 60 anos, atende crianças e jovens em risco social e com deficiências físicas e mentais, incluindo autismo, síndrome de down, cegueira e surdez. Atualmente, mais de 250 famílias são beneficiadas.

Devido à falta de dinheiro, desde então, seis funcionários foram demitidos.

— Precisamos honrar a folha de pagamento, a alimentação das crianças e as despesas como luz e água. Então, mais do que nunca precisamos da boa vontade do próximo. Estamos sobrevivendo graças a muitas ações sociais, e também devido à força de pais e responsáveis, que nos ajudam muito — conta a pedagoga Lúcia Gomes, funcionária mais antiga do órgão, há 26 anos.

Quem quiser ajudar deve entrar em contato com a AACS pelo telefone 2577-1241.

A secretaria informou que está, semanalmente, buscando a efetivação dos pagamentos junto à Fazenda. Entretanto, devido à crise, não há previsão de pagamento.


Globo Online | 25-Ago-2016 10:00

Uma luz aos futuros consumidores

Como a luz chega em sua casa? De que modo a água pode ser geradora de energia? Qual o nosso dever para evitar o desperdício? Essas e outras questões envolvendo curiosidades e consciência sobre o uso da energia elétrica serão apresentadas na peça infantojuvenil “Quanta energia!”, uma parceria entre a Light, a Secretaria Estadual de Cultura, e a empresa de entretenimento canadense Mad Science.

O projeto inclui 40 apresentações teatrais em escolas, museus, e centros culturais da cidade. Elas começaram este mês e seguem até novembro. Na Tijuca, o espetáculo será encenado hoje no Colégio Maria Raythe, em duas apresentações: às 9h e às 13h30m. A entrada é gratuita, e o espetáculo é indicado para crianças e jovens de 6 a 12 anos.

Durante 50 minutos, os atores desvendam certas curiosidades como: o funcionamento de uma hidrelétrica; a ação dos raios da eletricidade por meio de objetos condutores e isolantes; e a origem da eletricidade, capaz de acender uma lâmpada. E fazem experimentos interativos demonstrando os princípios básicos da conservação de energia.

— Nada melhor do que aprender brincando e interagindo. O “Quanta energia!” instiga o público a perguntar e a interagir. Isso facilita o aprendizado, e, assim, estamos ajudando a criar cidadãos mais conscientes a respeito da questão da energia elétrica. Temos como proposta principal estimular o raciocínio criativo do público infantojuvenil. Ele é o futuro — diz Estela Alves, especialista de marketing do Instituto Light.


Globo Online | 25-Ago-2016 10:00

Passado sempre em alta

Um ambiente nostálgico, cheio de referências antigas, mas ainda assim contemporâneo e aconchegante. Isso pode soar um pouco contraditório, mas não para os estilos vintage e retrô, sempre em alta quando o assunto é decoração de interiores. Para quem quer se aventurar nesse universo, O GLOBO-Tijuca listou algumas dicas de como decorar a casa e deixá-la como referência quando esTe é o assunto.

O arquiteto Thoni Listz recebeu em março a tarefa de decorar a casa de uma cliente que queria repaginar a sala de estar de seu apartamento. Sabendo que ela tinha muitas peças herdadas da família, e que estavam todas guardadas, ele lançou a proposta irrecusável: “Por que não colocá-las aqui na sala, criando um estilo vintage, para lá de charmoso?”

— Havia algumas peças com alto valor no mercado, mas ela não quis vender, e sim reutilizá-las. Mostrei que os itens antigos podem ter um grande valor arquitetônico e decorativo — conta ele.

Entre as peças reaproveitadas estão fotos e gravuras do século XIX, como imagens da Princesa Isabel e do Barão de Itaúna, e paisagens do Rio Antigo. Todas emolduradas e colocadas em um papel de parede que remete a um tecido do Palácio de Mônaco, de cor gelo, e um tapete turco, dando uma neutralidade a esse tipo de decoração. Thoni lembra da importância de cores neutras nesse tipo de ambiente.

— A decoração vintage por si só já é icônica. Então, o ideal é criar um ambiente e design neutros — frisa.

Outras peças que merecem destaque nessa sala de estar são duas estatuetas de dançarinas de flamenco de uma série limitada do ano de 1978 da empresa espanhola Lladró.

Já a arquiteta tijucana Daniele Zide colocou na sala do seu apartamento na Rua Alzira Brandão diversos objetos que herdou da avó como jarras, vasos, uma cristaleira, e até aparelhos antigos, com um telefone, uma televisão, e um ventilador, todos da década de 1960. Tudo inserido em meio a um ambiente contemporâneo.

— Na minha opinião, a decoração vintage fica excelente desde que haja peças modernas associadas. É importante que, nessa junção do velho e do novo, haja um limite. Caso contrário fica uma ambientação muito pesada, que cansa os olhos. A não ser que seja algo temático, o que não é o caso de decoração de apartamentos. O ideal é fazer um contraponto — opina Daniele.

A arquiteta Lívia Quintella caprichou nessa mistura ao decorar o apartamento de um médico solteiro e despojado.

— Na sala, por exemplo, o que se vê é a utilização de papel de parede em tonalidades neutras, destacando assim os objetos. Sem contar o mobiliário de madeira de demolição que faz uma menção ao estilo contemporâneo — conta.

Sobre os móveis, reproduções de uma vitrola e de uma máquina de escrever dos anos 1950 e o tabuleiro de xadrez herdado da família dão o tom retrô e vintage. Lívia explica que os dois termos (retrô e vintage) são parecidos, mas não são a mesma coisa:

— Na decoração vintage, você está trazendo algo clássico e antigo originais. Já o retrô é uma releitura — explica.

Relíquias e histórias de antiquários

Pinguins de geladeira, telefones antigos, vasos de cerâmica, quadros com asa de borboleta, estatuetas, fotos e imagens históricas. Todos esses são objetos ideais para quem pretende decorar a casa no estilo vintage. Essas relíquias são apenas algumas das milhares, sem exagero ou força de expressão, que podem ser encontradas na loja França Antiguidades, antiquário que fica em uma galeria na Rua Conde de Bonfim, na Tijuca.

Professor de biologia por formação, e colecionador por hobby, Fernando França, que abriu a loja em 1989, é um admirador deste tipo de decoração.

— Na minha opinião, itens que remetem aos tempos passados dão um toque de charme a qualquer parte da casa, aquele “tchan” que encanta. Os visitantes ficam até mais à vontade quando veem peças como essas. E o legal também é que gera muita curiosidade e um bate-papo gostoso. Cada uma dessas peças tem uma história de vida — defende França.

Ele recomenda a quem procura itens como esses para usar em um projeto de decoração que separe um bom tempo do seu dia e chegue em sua loja sem pressa de sair. França diz que, além de ser uma tarefa nada fácil optar por qualquer uma das antiguidades, a maioria dos clientes acaba se deixando levar pela história de cada uma delas, as quais ele sabe na ponta da língua. E haja história..

Ele lembra ainda que, como na maioria dos antiquários, os preços dos itens são negociáveis e que é possível até mesmo trocar um objeto que o cliente não queira mais por outro que o tenha encantado na loja.


Globo Online | 25-Ago-2016 10:00

Com retroescavadeira, 20 bandidos tentam assaltar loja na Pavuna

RIO — Cerca de 20 bandidos tentaram roubar um caixa eletrônico em uma loja, ao lado de um posto de gasolina, na Pavuna, na Zona Norte do Rio, no fim da madrugada desta quinta-feira. Os integrantes do bando utilizaram uma retroescavadeira para invadir o estabelecimento. A Polícia Militar foi acionada para o local e os integrantes do bando fugiram sem conseguir concretizar o roubo.

Os assaltantes fugiram da loja, localizada na Rua Nina Ribeiro, mas deixaram a retroescavadeira no local. A loja ficou parcialmente destruída, depois da ação do bandidos. O caixa eletrônico, alvo dos bandidos, também ficou destruído. O policiamento na região foi reforçado. Ninguém ficou ferido.


Globo Online | 25-Ago-2016 09:44

Zona Sul tem opções com arte e gastronomia no fim de semana

RIO - Quem gosta de moda, artesanato, decoração e boa gastronomia terá mais de uma boa opção a partir deste fim de semana na Zona Sul. No sábado e domingo, a 20ª edição do Circuito das Artes do Jardim Botânico toma conta do bairro. Além dos ateliês, que abrirão as suas portas para visitação, também estão programadas palestras, workshops, oficinas, apresentações musicais e roteiro gastronômico — incluindo bicicletas gourmet espalhadas pelas redondezas.

— A edição deste ano reúne 80 artistas em 40 ateliês, além de designers, talentos da moda, fotógrafos, artesanato, exposições e atividades para crianças — afirma a produtora e artista plástica Cattia Capistrano, que coordena o evento ao lado de Gabriella Civitate.

Uma das atrações desta edição é a Casa XXVINTE, na Rua Visconde de Carandaí, que reunirá mais de 20 expositores. O espaço é um coworking voltado para profissionais ligados à economia criativa e empreendedores em geral, e acolhe aproximadamente cem residentes, divididos em 25 empresas e marcas de todos os tamanhos, desde jovens empreendedores a empresas de grande porte, como Spotify Brasil e TV Globo.

— Um dos pontos centrais do nosso projeto é reforçar a cultura de bairro e a comunidade criativa local do Jardim Botânico. Recebemos o Circuito das Artes de portas abertas, sabendo da importância de estreitar os laços com os nossos vizinhos e com projetos bacanas, com os quais nos identificamos. A ideia aqui é estimular a vocação criativa da nossa região — diz Daniel Frazão, cofundador da XXVINTE.

Para aqueles que quiserem visitar todas as atrações pelo bairro, o evento terá uma van (a passagem custa R$ 8) circulando pelas ruas do circuito, que funcionará nos dois dias do meio-dia às 19h. A programação completa pode ser conferida em .

Já em Santa Teresa, o Rio Forest Hostel recebe neste domingo, das 16h às 23h, a segunda edição da “Santa feira criativa”, atração que reúne cerca de 15 empreendedores independentes do bairro em segmentos como moda, decoração e tabacaria. Decorado com grafites e com uma vista privilegiada da cidade, o hostel, por si só, é uma atração à parte.

— A nossa ideia é fazer o evento todos os meses. Reunimos expositores não só do bairros, mas de diversas partes da cidade — diz Gabriela da Silva Carvalho que organiza o evento com Marcus Vinicius Novelino.

O hostel fica na Rua Joaquim Murtinho 517. Mais informações pelo telefone 3563-1020.


Globo Online | 25-Ago-2016 07:30