rio-de-janeiro

Noticias

Tiroteio na Maré deixa alunos e funcionários encurralados em escola

RIO — O Comando de Operações Especiais (COE), com o apoio de policiais do Bope, realizam uma operação, desde a tarde desta quarta-feira, no Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio. O clima é tenso no local. Moradores reclamam que a troca de tiros já dura aproximadamente duas horas. Nas redes sociais, internautas afirmam que uma jovem, que trabalha num posto de saúde da região, teria sido baleada. A polícia, no entanto, ainda não confirmou a informação. O objetivo da ação é encontrar o traficante Nicolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family. Violência - 17/06

Para se protegerem dos tiros, cerca de 150 pessoas, entre alunos e funcionários da Associação Redes de Desenvolvimento da Maré, na favela Nova Holanda, deitaram no chão:

— Vários carros blindados entraram na comunidade quando estávamos em aula e ficaram estacionados na frente da instituição. Estamos sitiados, porque começou uma confusão que já dura há duas horas. Ninguém entra, nem sai — contou a diretora da Redes da Maré, Eliana Sousa Silva, que pretende entrar na Justiça contra a ação policial — Precisamos barrar esse tipo de abordagem sem nenhum respeito ao cotidiano.

LEIA MAIS:

Acervo O GLOBO: Em 2006, Lei Maria da Penha aumentou a punição para a violência doméstica

Relatório mostra que 360 mulheres foram vítimas de feminicídio em 2015

Assassino confesso de dançarina de funk na Baixada vai a júri popular

'E se minha filha tivesse cedido? Provavelmente, ela estaria viva'

Entenda a cronologia do caso de estupro coletivo de adolescente de 16 anos

Temer anuncia criação de departamento na PF para combater violência contra a mulher

Estupro coletivo no Rio repercute na imprensa internacional

Vítima de estupro publicou desabafo contra opressão a mulheres em 2015

Adolescente luta para superar trauma de estupro coletivo na Praça Seca

Artigo: Dificilmente vítima consegue escapar de estupros coletivos

Dez crimes que chocaram o Rio de Janeiro

Consentimento não interfere em caso de estupro de vulnerável, decreta STJ

Justiça do Piauí condena menores a cumprir internação por estupro coletivo

Exigências fora da lei dificultam acesso a aborto após estupro, diz pesquisa


Globo Online | 29-Jun-2016 23:55

TCU dá aval para governo do Rio pagar policias com recursos da União

BRASÍLIA - Uma decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) abriu caminho para o governo federal repassar os R$ 2,9 bilhões ao Estado do Rio, valor que já foi acordado e anunciado, mas está emperrado em discussões jurídicas. O tribunal respondeu favoravelmente, nesta quarta-feira, a uma consulta formulada pelo Ministério da Fazenda sobre abertura de crédito extraordinário. Os ministros deram, ainda, aval para o Rio usar esse dinheiro para quitar a folha de pagamento dos profissionais de segurança pública.

O governo federal publicou na semana passada uma medida provisória que autoriza o repasse de R$ 2,9 bilhões ao Rio. O valor, no entanto, só será transferido após a edição de uma nova medida provisória para a abertura de um crédito orçamentário para essa finalidade. O problema era amarrar um texto especificando que o dinheiro só poderá ser usado para despesas correntes, investimentos e custeio do setor de segurança para a Olimpíada e a Paralimpíada do Rio.

Por isso, o assunto foi repassado ao TCU, já que o uso de MP para liberar crédito é um dos pontos que estão sendo questionados pelo TCU na análise das contas de 2015 da presidente afastada Dilma Rousseff. Crise - 27/06

O Ministério da Fazenda perguntou se é cabível a abertura de crédito extraordinário para a transferência de recursos a outros entes federativos com a finalidade de viabilizar a realização de grandes eventos internacionais, em especial para ações relacionadas à segurança pública. Os ministros entenderam que é viável esse tipo de abertura de crédito.

Os ministros do TCU foram além e também entenderam que é possível que o governo do Rio pague os salários dos profissionais de segurança pública com os recursos da União. Segundo técnicos do TCU, a MP publicada na semana, na prática, transforma uma despesa voluntária em despesa obrigatória. Por isso, no caso da segurança pública, os recursos poderão ser usados para pagar funcionários.

O tribunal entendeu ainda que a medida é viável porque as despesas não eram previstas por parte da União, que a urgência necessária não comporta tempo para apreciar no Congresso um projeto de lei para liberar recursos, e quem a omissão da União colocaria em risco a imagem do Brasil.

— A situação é dramática. Esse apoio financeiro tem que ser dado. No mundo real o governador do Rio imagina ter esses recursos para pagar os policiais — disse o ministro do TCU Benjamin Zymler.

— Imagina o clima que está no Rio, onde não há segurança e já um colapso econômico e social. Os Jogos Olímpicos se aproximam e a imagem que rodou o mundo foram policiais e bombeiros com a faixa “bem vindos ao inferno”. Há urgência, relevância e imprevisibilidade para aportar esses recursos — completou o ministro Vital do Rêgo.

O governo aguardava a manifestação do tribunal para retomar a costura do repasse ao Rio. Na MP que autorizou ajuda federal, o governo deixou claro no texto que o apoio financeiro da União é destinado a despesas com segurança pública, para a realização da Olimpíada e da Paralimpíada do Rio.

A necessidade de editar uma medida provisória foi reforçado pela decisão do governador em exercício do Rio, Francisco Dornelles de decretar estado de calamidade pública, situação que poderia comprometer a realização dos Jogos Olímpicos.

DORNELLES COMEMORA

O governador em exercício Francisco Dornelles disse que o Tribunal de Contas da União aprovou a liberação dos R$ 2,9 bilhões com base no decreto de calamidade financeira das contas do estado. Segundo ele, o tribunal aprova a publicação de uma medida provisória para repassar os recursos da União para o Rio. Dornelles disse que só poderá dizer o que fará com os recursos após conhecer os termos da medida.

- Dá um alívio para o estado, mas cada dia é um dia. Vamos esperar a publicação e os termos que estarão no texto - disse o governador.

LEIA MAIS:

Paes diz que estado de calamidade não tem relação com Olimpíada

Estado de calamidade exclui ameaça às instalações esportivas

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 29-Jun-2016 23:20

Após denúncia em rede social, MP pede a prisão de marido acusado de agredir mulher na Zona Norte

RIO - O Ministério Público do Rio pediu nesta quarta-feira a prisão de Joel Jorge Ribeiro, acusado de agredir a mulher, Fabiane Boldrine, de 34 anos, em Ricardo de Albuquerque. O filho mais novo do casal, de 11 anos, fez a denúncia do crime em uma rede social. Ele publicou uma foto da boleira com o rosto ensanguentado. Segundo ele, seu pai, o sargento do Exército, quebrou o nariz da mulher porque ela pediu a separação. A postagem foi feita no domingo e causou comoção entre internautas.

A 25ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal da 1ª Central de Inquéritos requereu a prisão preventiva de Joel. A promotora de Justiça Ana Lúcia Melo, responsável pela denúncia, ressalta que o comportamento do acusado não é compatível com o convívio social, e que esta não foi a primeira vez que ele agrediu a mulher.

O crime aconteceu no dia 29 de maio. Segundo a vítima, no mesmo dia da agressão, ela registrou o caso na 31ª DP (Ricardo de Albuquerque). Desde então, está separada do marido. No entanto, a boleira afirma que o sargento continua fazendo ameaças e tentando controlar seus passos.

Fabiane diz que já havia feito dois registros denunciando o marido: um em 2007 e outro em setembro do ano passado, quando ele teria tentado estrangulá-la. Segundo a vítima, as agressões começaram logo no início do casamento, mas lhe faltava coragem para contar aos amigos a situação e para se separar

DENÚNCIA NAS REDES

A denúncia feita pela criança no Facebook foi feita no último domingo:

“Por mais que ele tente se explicar, isso (...) não tem justificativa”, escreveu o menino: “Ela é vítima dele por muitos anos. Ele fraturou o nariz dela com um soco porque ela disse que não queria mais viver com ele, aguentando tudo. E antes que pensem que ela fez alguma coisa de errado, ela não fez nada para merecer isso. Eu sou testemunha, então peço que compartilhem para que a justiça seja feita. Agressão contra mulher é covardia! Isso aconteceu há três semanas”, publicou o garoto.

Em resposta, o acusado argumentou em sua página no Facebook que bateu para se defender de uma mordida. E disse que Fabiane usou a conta do filho, publicando as fotografias. “Peço desculpas a Fabiane Boldrini”, escreveu Joel. “Realmente o fato que aconteceu só me faz lembrar o quanto me dediquei à minha família. Errei quando bati, após ser mordido pela mesma, que publicou no Face de seu filho as fotos que aí estão. Usando o Face de uma criança, devia postar no dela (...) Sempre serei um pai, não adianta querer me fazer parecer esse monstro. Já me atingiu Fabiane Boldrini. Agora faça o que falei. Pensão, e precisando ainda tenho a honra de ajudá-la”, acrescentou.

LEIA MAIS:

Acervo O GLOBO: Em 2006, Lei Maria da Penha aumentou a punição para a violência doméstica

Relatório mostra que 360 mulheres foram vítimas de feminicídio em 2015

Assassino confesso de dançarina de funk na Baixada vai a júri popular

'E se minha filha tivesse cedido? Provavelmente, ela estaria viva'

Entenda a cronologia do caso de estupro coletivo de adolescente de 16 anos

Temer anuncia criação de departamento na PF para combater violência contra a mulher

Estupro coletivo no Rio repercute na imprensa internacional

Vítima de estupro publicou desabafo contra opressão a mulheres em 2015

Adolescente luta para superar trauma de estupro coletivo na Praça Seca

Artigo: Dificilmente vítima consegue escapar de estupros coletivos

Dez crimes que chocaram o Rio de Janeiro

Consentimento não interfere em caso de estupro de vulnerável, decreta STJ

Justiça do Piauí condena menores a cumprir internação por estupro coletivo

Exigências fora da lei dificultam acesso a aborto após estupro, diz pesquisa


Globo Online | 29-Jun-2016 22:17

DH prende homens armados em Jacarepaguá

Rio - Equipes da Delegacia de Homicídios da Capital (DH) prenderam, na tarde desta quarta-feira, na Boiúna, em Jacarepaguá, sete homens portando seis armas, ilegalmente. Os policiais civis estavam justamente investigando assassinatos ocorridos no bairro, quando desconfiaram de dois veículos que passavam por eles. Depois da abordagem, a polícia encontrou com os suspeitos o armamento: três revólveres e três pistolas.

Os homens foram levados para a DH, na Barra da Tijuca, onde estão sendo autuados por porte ilegal de armas. Os investigadores estão fazendo o levantamento da ficha criminal dos acusados, a fim de saber se há algum mandado de prisão contra eles.


Globo Online | 29-Jun-2016 21:38

Polícia faz reconstituição da morte de médica na Linha Vermelha

RIO - A perícia completar do crime que matou a médica Gisele Pallhare, de 34 anos, durou uma hora e meia. Os agentes concluíram que três tiros foram certeiros e atingiram o carro da vítima. O delegado Giniton Lages, que investiga o caso, afirmou que os disparos foram de pistola. Ele fez ainda medições de distância dos atiradores e tentou compreender a dinâmica do crime. Durante a simulação, o primeiro disparo foi feito 20 metros antes do carro perder a direção e bater em um barranco. Os tiros atingiram a traseira, a porta e a janela do motorista. Lages evitou passar informações para a imprensa e espera o laudo de necropsia do corpo da vítima ainda nesta quarta-feira.

- Sempre é importante voltar à cena do crime e coletar o maior número de provas técnicas. Recolocar o veículo da vítima no local. Tentar buscar a altura do atirador - disse. Links_médica_morta

Gisele Palhares Gouvêa, de 34 anos, foi assassinada no último sábado, na Linha Vermelha. A ação de acesso à via para quem vem pela Via Dutra foi fechada por volta das 14h55m pela equipe, que usou o carro da médica.

A área foi isolada. Com isso, os motoristas que seguem da Dutra para o Centro do Rio precisam seguir pela Avenida Brasil, uma vez que o acesso à Linha Vermelha foi interditada.

Investigadores não sabem ainda quantos criminosos participaram da ação. Pelo menos um tiro atingiu a médica na cabeça. Gisele chegou a ser socorrida, mas não resistiu ao ferimento. Policiais civis da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) já trabalham com a possibilidade de a médica ter sido vitima de uma execução. Segundo os investigadores, que na terça-feira tiveram acesso às imagens mostrando o momento em que a vítima foi abordada e morta no acesso da Rodovia Presidente Dutra para a Linha Vermelha, os criminosos não pareciam ter a intenção de praticar um assalto.

EXECUÇÃO É SEMPRE CHOCANTE

Nesta quarta-feira, o cirurgião plástico Renato Palhares, viúvo da médica, falou sobre a morte da mulher durante o programa de Fátima Bernardes, na TV Globo. Ele afirmou que pretende continuar o trabalho da mulher, e comentou a investigação da polícia sobre uma possível execução.

- Uma execução sempre é chocante - disse o médico, que afirmou ainda que chegou a tentar convercer a mulher a comprar um carro blindado:

- Ela nasceu lá em Nova Iguaçu, ela gostava da região. Ela achava que aquilo ia libertar ela de todas as maldades humanas. Eu tentei convencê-la a comprar um carro blindado, mas foi em vão. Ela gostava muito do carrinho dela.

LEIA MAIS:

Atleta de tiro é baleada na cabeça após fugir de falsa blitz na Zona Norte

Beltrame: Rio vai receber menos policiais para os Jogos Olímpicos

Justiça determina internação de acusado de participar da morte de jovem em Del Castilho

Sétimo acusado de envolvimento na morte de jovem na Linha Amarela é detido


Globo Online | 29-Jun-2016 20:35

Protesto de professores termina em confusão no Centro do Rio

RIO - Um protesto de professores e estudantes terminou em confusão no Centro do Rio. De acordo com testemunhas, um grupo de manifestantes que estaria usando máscaras teria entrado em confronto com os policiais militares que acompanhavam a passeata. De acordo com as primeiras informações, pelo menos quatro pessoas, entre elas dois PMs, teriam ficado feridas. links_manifestação

A confusão começou depois que um grupo de manifestantes subiu nas escadarias do prédio do Tribunal de Justiça, na Avenida Presidente Antônio Carlos. Os policiais que acompanhavam a manifestação pediram que eles saíssem da rampa, mas como não foram atendidos, eles teriam jogado uma bomba de efeito moral contra o grupo. Em resposta, os manifestantes teriam jogado pedras, lixeiras e cones contra os policiais.

Um vendedor de churros e um pipoqueiro que estavam próximos ao local chegaram a abandonar suas barraquinhas e se esconderam atrás de uma banca de jornal que fica na altura do prédio do tribunal.

- Já tenho experiência com estas manifestações. Eu estava aqui em 2013, quando aconteceram aquelas manifestações contra os aumentos das passagens, que foram muito piores - conta o vendedor de churros Jorge Felipe Souza Pinto, 56 anos.

Segundo o Centro de Operações da prefeitura (COR), a Avenida Presidente Antônio Carlos chegou a ter a pista lateral fechada, mas já foi liberada. Há reflexos na Avenida Marechal Câmara. Ainda de acordo com o COR, a Rua Primeiro de Março também precisou ser interditada. O trânsito foi desviado pela Avenida Almirante Barroso.

MANIFESTAÇÃO SUSPENDE CIRCULAÇÃO DO VLT

Mais cedo, uma manifestação do Movimento dos Trabalhadores Sem Emprego prejudiciou a circulação do VLT. Em nota, a Secretaria Municipal de Transportes confirmou que a circulação em um trecho do VLT foi interrompida, na tarde desta quarta-feira, por volta das 14h.

Nesse período não foi feito o serviço de passageiros na parada Candelária e a circulação do VLT seguiu normal entre as paradas São Bento e Navios (sentido Praia Formosa) e Sete de Setembro e Santos Dumont (sentido aeroporto). A circulação foi normalizada em todo o trecho por volta das 15h30m.

Na semana passada, um protesto de professores estaduais, em greve há quase quatro meses, interrompeu a última viagem do VLT, entre o Aeroporto Santos Dumont e a Parada dos Navios, na Zona Portuária. Por segurança, passageiros foram obrigados a desembarcar. Durante a manifestação, um bonde que ficou retido na Avenida Rio Branco foi pichado com palavras de ordem e teve vários adesivos colados nas laterais. O serviço foi inaugurado no dia 22 de maio.


Globo Online | 29-Jun-2016 20:23

Pedaço de corpo é achado próximo à arena olímpica em Copacabana

RIO - Um pé humano em decomposição foi encontrado, no início da tarde desta quarta-feira, nas areias da Praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio. Segundo policiais do 19º BPM (Copacabana), os restos mortais estavam próximo à arena de vôlei, construída para os Jogos Olímpicos. Não foi possível identificar se era de era homem ou mulher. Equipes de perícia foram acionadas para o local e foi pedida a remoção do material.


Globo Online | 29-Jun-2016 19:33

'Uma execução é sempre chocante', diz marido de médica morta na Linha Vermelha

RIO - O cirurgião plástico Renato Palhares, viúvo da médica Gisele Palhares Gouvêa, de 34 anos, assassinada no último sábado, na Linha Vermelha, falou sobre a morte da mulher durante o programa de Fátima Bernardes, na TV Globo. Ele afirmou que pretende continuar o trabalho da mulher, e comentou a investigação da polícia sobre uma possível execução. Links_médica_morta

- Uma execução sempre é chocante - disse o médico, que afirmou ainda que chegou a tentar convercer a mulher a comprar um carro blindado:

- Ela nasceu lá em Nova Iguaçu, ela gostava da região. Ela achava que aquilo ia libertar ela de todas as maldades humanas. Eu tentei convencê-la a comprar um carro blindado, mas foi em vão. Ela gostava muito do carrinho dela.

Palhares, no entanto, admitiu que no fundo ela tinha medo de circular pela região, e o contou que no dia que foi morta, a médica estava preocupada com a segurança dele.

- Tinha compromisso, uma festa junina na casa de um amigo, em Seropédica, e ela tinha um compromisso político. Ela disse: 'cuidado lá em Seropédica'. Nos falamos por telefone o dia inteiro.Ela me avisou quando estava entrando na Dutra. Eu estava vendo o jogo do Cruzeiro, e quando foi por volta das 19h10, 19h13, liguei para ela e quem atendeu foi a irmã. Tomei um susto - contou.

Renato Palhares esteve na Delegacia de Homicídios da Baixada na terça-feira e prestou depoimento. A mãe e a irmã de Gisele também conversaram com os policiais. O delegado titular da especializada, Giniton Lages, quis saber dos parentes como era a rotina da médica e, principalmente, por onde ela passou no dia do crime.

Policiais civis da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) já trabalham com a possibilidade de a médica ter sido vitima de uma execução. Segundo os investigadores, que na terça-feira tiveram acesso às imagens mostrando o momento em que a vítima foi abordada e morta no acesso da Rodovia Presidente Dutra para a Linha Vermelha, os criminosos não pareciam ter a intenção de praticar um assalto.

Segundo a polícia, eles deixaram no carro os pertences da vítima e cerca de R$ 3 mil, que ela havia sacado para comprar um celular novo. Os agentes lembraram, no entanto, que outras hipóteses, como latrocínio (roubo seguido de morte), não foram descartadas.

O crime aconteceu por volta das 19h. A médica tinha saído da Clínica da Família de Vila de Cava, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, onde trabalhava, e seguia para a Barra da Tijuca, onde morava, quando foi abordada. As imagens obtidas pela polícia revelam que a vítima foi seguida desde a Rodovia Presidente Dutra. Investigadores não sabem ainda quantos criminosos participaram da ação. Quatro disparos acertaram o carro, e pelo menos um tiro atingiu a médica na cabeça. Gisele chegou a ser socorrida, mas não resistiu ao ferimento.

LEIA MAIS:

Atleta de tiro é baleada na cabeça após fugir de falsa blitz na Zona Norte

Beltrame: Rio vai receber menos policiais para os Jogos Olímpicos

Justiça determina internação de acusado de participar da morte de jovem em Del Castilho

Sétimo acusado de envolvimento na morte de jovem na Linha Amarela é detido


Globo Online | 29-Jun-2016 17:04

Funcionários do RioPrevidência entram em greve a partir desta quarta

RIO - O atraso no pagamento de salários levou os servidores do RioPrevidência — autarquia responsável pelo regime próprio de aposentadoria e pensões dos servidores do estado do Rio — a entrarem em greve por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira. Segundo o sindicato do RioPrevidência, é a primeira vez que funcionários da autarquia, criada em 1999, decidem fazer paralisação. Crise - 27/06

De acordo com o sindicato, a decisão aderir à greve de vários outros setores do funcionalismo estadual foi tomada por ampla maioria em assembleia realizada na quinta-feira, na sede da autarquia, na Rua da Quitanda, no Centro do Rio. Na manhã desta quarta-feira, um grupo de servidores está concentrado na porta do RioPrevidência.

Os trabalhadores querem a regularização do pagamento dos salários. Como a maioria dos servidores estaduais, os funcionários do RioPrevidência receberam apenas a primeira parcela, já atrasada, da remuneração de maio. Cerca de 150 servidores – mais de um terço da categoria – participaram da assembleia.

LEIA MAIS:

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 29-Jun-2016 16:24

Ministro diz que vai reforçar atenção para áreas públicas dos aeroportos

RIO - Um dia depois do atentado no maior aeroporto de Instambul, na Turquia, matando ao menos 41 pessoas, o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, disse nesta quarta-feira que pedirá um reforço na segurança das área públicas dos aeroportos brasileiros durante os Jogos Olímpicos. De acordo com Quintella, as áreas restritas já estão preparadas para receber os turistas que virão ao Rio, em agosto.

— Apesar da preparação que tem sido feita, o que aconteceu ontem gera um alerta. E o ministério está se reunindo para reforçar a necessidade de um olhar especial. Em relação às áreas públicas, a gente tem, sim, preocupação. Teremos medidas que serão adotadas a partir de agora, mas são confidenciais e não podemos divulgar. Mas estamos sintonizados, acompanhando o que está acontecendo — disse o ministro, durante o lançamento do "Manual de Planejamento do Setor de Aviação Civil para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016" e do guia online "Aeroportos nos Jogos Rio 2016".

Diretor do Departamento de Gestão Aeroportuária da Secretaria de Aviação Civil, Paulo Henrique Possas descartou, no entanto, a possibilidade de colocar equipamentos de raio-x nas áreas públicas dos aeroportos:

— Nem nos Estados Unidos, onde há um risco muito maior, há equipamentos de inspeção de segurança nas áreas púbicas. Só nas áreas restritas. Agora, com certeza, há essa preocupação de um reforço no policiamento e vamos solicitar aos órgãos competentes com bases nos atentados anteriores.

Maurício Quintella disse também que vai pedir para que as vias de acesso ao Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, fiquem sempre liberadas durante os Jogos. Segundo ele, a segurança que será usada para melhorar o fluxo de veículos também poderá atuar no combate à violência.

— O Galeão é o principal aeroporto impactado pela Olimpíada. Vai receber a maioria das delegações, dos turistas, dos chefes de Estado. E é uma ilha, só tem uma via de acesso. Qualquer eventual bloqueio, como em manifestações, pode impactar de forma violenta as operações aeroportuárias. É algo que nos preocupa. Já deve estar no radar do Ministério da Justiça. Nós apenas vamos reforçar essa orientação.

MANUAL E GUIA ONLINE PARA OS PASSAGEIROS

Disponível em três idiomas (português, inglês e espanhol), o guia online traz informações aos passageiros referentes a todas as etapas da viagem aérea, como aquisição de seguro, vacinas necessárias, check-in, restrições de bagagem, documentos obrigatórios, integração com transporte terrestre, entre outros.

Há ainda uma seção específica para visitantes de outras nacionalidades, com recomendações sobre passaporte, vistos e prazos de permanência, além de uma área de orientações sobre todos os direitos dos passageiros e como eles devem proceder diante de algum contratempo.

Já o manual de planejamento padroniza a operação dos 40 aeroportos voltados para os Jogos com o objetivo de estabelecer uma ação coordenada e integrada entre operadores aeroportuários e órgãos públicos do setor de aviação civil. O material define normas e procedimentos dos terminais de passageiros, trata das regras para ocupação de pátios e pistas, aborda questões de segurança e de defesa aérea, capacidade de operação dos aeroportos, bem como infraestrutura e receptivo de acessibilidade.

O manual prevê ainda fluxos aeroportuários para a chegada de chefes de estado, desembarque de cavalos que irão participar das competições e cães-guia.

Entre as medidas de defesa do espaço aéreo está a proibição de que aeronaves da aviação executiva pousem ou decolem nos aeroportos do Rio entre às 8h e 22h durante os Jogos. Nesse período, a aeronave é obrigada a descer em algum aeroporto fora do Rio de Janeiro, fazer a inspeção de segurança em toda a bagagem e passageiros para só depois se dirigir para o Rio.

De acordo com a Secretaria de Aviação Civil, as empresas estão todas alertadas quanto à restrição, considerada importante para minimizar os riscos de possíveis ataques. As aeronaves só poderão pousar no Rio entre 2h e 8h da manhã, quando não haverá nenhum evento acontecendo.

VEJA TAMBÉM:

Vizinhos de competições criam estratégias para não ficarem ilhados na Olimpíada

Chave da Vila dos Atletas é entregue ao Comitê Olímpico Internacional

Sem verbas, programação cultural da Lapa está em risco durante os Jogos

Jogos Olímpicos mudam o cenário de cartões-postais no Rio

Terroristas criam canal em português e preocupam Abin

Impulsionado pelos Jogos, Rio tem um boom de hotéis cinco estrelas

Balão panorâmico será uma das atrações do boulevard olímpico

Trilhos modernos: a nova viagem dos bondes pelo cenário carioca

Acervo O GLOBO: Em 1970, Elevado do Joá desabou duas vezes durante as obras


Globo Online | 29-Jun-2016 16:10

Vereador Carlos Bolsonaro relata assalto na Zona Norte do Rio

RIO — O vereador Carlos Bolsonaro (PSC), filho do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), relatou, através de sua página em uma rede social, um assalto que sofreu na Zona Norte do Rio. De acordo com o texto, publicado na noite desta terça-feira, a abordagem ocorreu quando ele voltava para casa de moto, no Maracanã. Na ação, o assaltante perguntou se o vereador "tinha um cordão ou uma aliança".

Com a negativa, o criminoso, conforme o relato, respondeu que faria "faria um buraco na cara" do vereador. Segundo Bolsonaro, durante o momento de tensão, ele deu dinheiro ao assaltante, que fugiu em seguida.

" Raciocinei e por acaso tinha dinheiro no bolso traseiro da calça. Foi o tempo entre o apertar do gatilho e sua fuga com o referido! Deus mais uma vez, mas até quando?", diz um trecho do texto.

Em janeiro deste ano, o vereador já havia passado por um episódio de violência no Rio. Na ocasião, ele estava em um táxi no Túnel Rebouças, durante um tiroteio que ocorreu no local. À época, criminosos assaltaram um motociclista, que ficou ferido.

— Meu táxi estava bem em frente às motos quando os assaltantes atiraram. Foram uns três disparos. Não sei como nenhum atingiu o carro — contou o vereador, à época.

Em abril, o irmão de Carlos, o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSC), denunciou à polícia que impediu um assalto e trocou tiros com bandidos, na Avenida das Américas, na Barra, Zona Oeste do Rio. O parlamentar, na ocasião, disse que estava em um Honda Civic com seu segurança quando ladrões abordaram um carro à frente, parado em um sinal. Após o confronto, os criminosos, que pilotavam motocicletas, fugiram.

O para-brisa do Honda Civic foi perfurado por disparos efetuados pelo próprio deputado, que sacou uma pistola calibre 380. Ele afirmou ter porte de arma. Flávio Bolsonaro e seu segurança não foram baleados, mas o parlamentar disse que feriu um dos criminosos.

— Meu segurança desceu para impedir o assalto e um dos bandidos sacou uma arma para atirar nele. Na mesma hora, peguei minha pistola e disparei de dentro do carro mesmo. Sei que pelo menos um tiro pegou em um dos assaltantes. Ainda tentamos ir atrás dos bandidos, mas eles conseguiram escapar — afirmou Flavio, na ocasião.


Globo Online | 29-Jun-2016 10:31

Decoração começa a ser instalada no Rio para os Jogos

RIO - A 37 dias do início da Olimpíada do Rio, a cidade começa a se vestir para os jogos. Esta semana, a prefeitura começou a instalar banners que fazem parte da decoração olímpica. O material já pode ser observado em vias como a Avenida Rio de Janeiro, que liga o Aeroporto Tom Jobim à Estrada do Galeão, e a Autoestrada Lagoa-Barra. Em Botafogo, a fachada do Túnel Novo, que dá acesso a Copacabana, foi convertida num painel colorido alusivo ao evento.

A decoração que está sendo colocada no Rio é conhecida entre os organizadores como “look of the city”. Geralmente, nesses materiais também são exibidos os anéis olímpicos e a logomarca. O modo de uso, no entanto, muda a cada cidade. Em 2012, toda a decoração dos Jogos de Londres tinha um tom arroxeado e, ao fundo, apareciam os anéis com a logomarca. Na versão carioca, as mascotes Tom (Olimpíada) e Vinícius (Paralimpíada) integram a apresentação visual.

Em muitas situações, o material vai além da função de decorar a cidade. Nas próximas semanas, serão instaladas placas de sinalização de trânsito e de orientação para pedestres. Elas vão indicar o caminho até as instalações olímpicas em vias públicas localizadas a uma distância de 1.600 metros ou para cobrir o chamado “last mile”, no jargão olímpico. Essa sinalização é que vai indicar, por exemplo, como chegar a uma arena olímpica, uma estação de trem, metrô ou de BRT, por exemplo. jogos

O mesmo padrão visual será usado na decoração de 24 postos de informações turísticas da Riotur instalados pela cidade — seis dos quais vão funcionar apenas durante o evento. Dos 18 postos fixos de informações, dois novos serão inaugurados para o evento em Santa Teresa e na Barra da Tijuca. Haverá postos temporários em Ipanema, na Rodoviária Novo Rio, na Central do Brasil, na Barra, em Deodoro e no Maracanã.

O secretário municipal de Turismo, Antonio Pedro Figueira de Mello, justificou a decoração afirmando que o Rio busca se diferenciar no visual não apenas nos Jogos Olímpicos — como ocorre em outras cidades que recebem a competição — mas também em outros megaeventos que promove. Todo ano, observou, a cidade se decora para o réveillon e o carnaval. E também adotou decoração especial na Jornada Mundial da Juventude (2013) e na Copa do Mundo (2014).

— A Olimpíada é uma oportunidade única de mostrar nossa cidade para o mundo inteiro. O retorno de imagem que teremos não tem preço. É até difícil medir tamanha exposição. E a cidade está se vestindo para os visitantes olímpicos. A gente estima que a cidade vai receber cerca de 1 milhão de turistas nacionais e estrangeiros, que deverão injetar R$ 1 bilhão na economia da cidade — disse o secretário de Turismo.

Todo o material em exposição na cidade exibe também o slogan escolhido pelo Comitê Rio 2016 para o evento: “Um mundo novo” ou “A new world”, na versão em inglês. A ideia que os organizadores tentam transmitir é que seria possível imaginar um mundo melhor através do esporte. Na última edição do evento, em Londres, o slogan era “Inspire uma geração” (“Inspire a generation”).

Cidade começa a ganhar cores da OlimpíadaO custo da prefeitura para a implantação do “look of the city” é de R$ 700 mil. Como nas edições anteriores do evento, a decoração da cidade obedece ao padrão visual a ser empregado também nas instalações esportivas e na Vila dos Atletas, cujas instalações, neste caso, são de responsabilidade do Comitê Organizador. Ela foi inspirada nas cores das logomarcas tridimensionais que identificam o evento do Rio, selecionadas após um concurso internacional.

— Quando nossa proposta foi aceita pela comissão julgadora, desenvolvemos todo um padrão visual que passou a servir como elemento de identificação da Olimpíada. A Diretoria de Marcas da Rio 2016 passou a desenvolver todos os elementos visuais a partir desse material, inclusive a decoração da cidade — explicou o diretor de criação e proprietário da Agência Tátil, Fred Gelli, que venceu o concurso para a escolha das logos.

Gelli, que atualmente participa da organização da cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos junto com o escritor e jornalista Marcello Rubens Paiva e o artista plástico Vik Muniz, observou que esse mesmo padrão visual serviu de base para o desenvolvimento de outros elementos olímpicos. As cores da logomarca foram usadas, por exemplo, no projeto vencedor do design da tocha.

— A sensação de ver tudo isso que foi desenvolvido pela gente agora nas ruas é muito intensa. Às vezes, até eu sou pego de surpresa com a difusão de imagens associadas aos Jogos, seja na decoração ou em outros elementos. A primeira vez que vi a logomarca impressa em moedas, por exemplo, foi quando eu recebi troco na padaria — contou Gelli.

VEJA TAMBÉM:

Vizinhos de competições criam estratégias para não ficarem ilhados na Olimpíada

Chave da Vila dos Atletas é entregue ao Comitê Olímpico Internacional

Sem verbas, programação cultural da Lapa está em risco durante os Jogos

Jogos Olímpicos mudam o cenário de cartões-postais no Rio

Terroristas criam canal em português e preocupam Abin

Impulsionado pelos Jogos, Rio tem um boom de hotéis cinco estrelas

George Vidor: De bike até a Praça Mauá

Balão panorâmico será uma das atrações do boulevard olímpico

Trilhos modernos: a nova viagem dos bondes pelo cenário carioca

Operários limpam trilhos na Avenida Rio Branco antes da passagem do VLT

Acervo O GLOBO: Em 1970, Elevado do Joá desabou duas vezes durante as obras


Globo Online | 29-Jun-2016 09:30

Polícia investiga se médica foi vítima de execução

RIO - Policiais civis da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) já trabalham com a possibilidade de a médica Gisele Palhares Gouvêa, de 34 anos, assassinada no último sábado, ter sido vitima de uma execução. Segundo os investigadores, que na terça-feira tiveram acesso às imagens mostrando o momento em que a vítima foi abordada e morta no acesso da Rodovia Presidente Dutra para a Linha Vermelha, os criminosos não pareciam ter a intenção de praticar um assalto. Tanto que deixaram no carro os pertences da vítima e cerca de R$ 3 mil, que ela havia sacado para comprar um celular novo. Os agentes lembraram, no entanto, que outras hipóteses, como latrocínio (roubo seguido de morte), não foram descartadas.

ATINGIDA NA CABEÇA

O crime aconteceu por volta das 19h. A médica tinha saído da Clínica da Família de Vila de Cava, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, onde trabalhava, e seguia para a Barra da Tijuca, onde morava, quando foi abordada. As imagens obtidas pela polícia revelam que a vítima foi seguida desde a Rodovia Presidente Dutra. Investigadores não sabem ainda quantos criminosos participaram da ação. Quatro disparos acertaram o carro, e pelo menos um tiro atingiu a médica na cabeça. Gisele chegou a ser socorrida, mas não resistiu ao ferimento.

— A dinâmica é de execução, não de assalto. Estamos trabalhando com todas as possibilidades, mas, pelas imagens, os criminosos queriam acertar a vítima deliberadamente e fugiram sem levar nada — afirmou um investigador, pedindo para não ser identificado.

A polícia já identificou dois bandidos que teriam participado do crime. Os nomes, no entanto, ainda não foram divulgados para não prejudicar as investigações.

Ontem, o viúvo da médica, o cirurgião plástico Renato Palhares, esteve na Delegacia de Homicídios da Baixada e prestou depoimento. A mãe e a irmã de Gisele também conversaram com os policiais. O delegado titular da especializada, Giniton Lages, quis saber dos parentes como era a rotina da médica e, principalmente, por onde ela passou no dia do crime. O delegado voltou a dizer que todas hipóteses estão sendo investigadas, inclusive a de latrocínio. Violência - 27/06

— Nenhuma hipótese foi descartada porque ainda faltam os laudos da necrópsia do corpo e o da perícia do veículo que ela dirigia — afirmou Giniton Lages.

Além das imagens que mostram o trajeto feito pela médica, a polícia também já conseguiu vídeos que indicam a rota de fuga utilizada pelos bandidos. Hoje, os investigadores farão uma nova perícia no carro da vítima, e o veículo será posicionado na cena do crime.

A policia quer tentar entender quantos atiradores eram e em que posição eles estavam a partir de uma análise detalhada dos ângulos do trajeto dos projéteis que feriram a médica.

— Ainda é cedo para fechar uma única linha de investigação. As imagens e os depoimentos que estamos colhendo são bem elucidativos. Queremos tentar determinar quantos eram os atiradores, se eles estavam a pé, de moto — disse o delegado.

Agentes da Divisão de Homicídios estiveram ontem no local onde a médica foi encontrada baleada. Eles refizeram o trajeto da vítima para levantar mais detalhes sobre o crime. Os dois policiais militares do Batalhão de Policiamento de Vias Especiais (BPVE), que foram os primeiros a chegar ao local do crime, já prestaram esclarecimentos na delegacia.

— O depoimento deles foi importante para saber como era a dinâmica do local, que segundo os PMs é de grande fluxo naquele horário. Isso vai ser importante para tentarmos encontrar testemunhas — afirmou Giniton.

Viúvo quer fazer movimento contra violência

Na delegacia, Renato Palhares confirmou ontem que Gisele transportava R$ 3 mil no bolso para comprar um telefone celular. A quantia não foi levada pelos bandidos e já foi devolvida à família da médica.

O médico disse não acreditar que a mulher tenha sido vítima de uma execução:

—Ela era muito querida, todos no lugar onde ela foi criada adoravam ela.

Fotografias postadas nas redes sociais pela própria Gisele revelam que a médica tinha muitos amigos na Baixada Fluminense e na Zona Oeste do Rio, incluindo políticos de Nova Iguaçu, na Baixada. O viúvo pretende criar o movimento “Viva Gisele”, para lutar contra a violência e a impunidade.

O corpo da médica foi sepultado anteontem no Cemitério Jardim da Saudade, em Mesquita, na presença de amigos e parentes.

LEIA MAIS:

Atleta de tiro é baleada na cabeça após fugir de falsa blitz na Zona Norte

Beltrame: Rio vai receber menos policiais para os Jogos Olímpicos

Justiça determina internação de acusado de participar da morte de jovem em Del Castilho

Sétimo acusado de envolvimento na morte de jovem na Linha Amarela é detido


Globo Online | 29-Jun-2016 09:30

Nova sede do Museu da Imagem e do Som não tem data para ser inaugurada

RIO - Prevista inicialmente para o fim de 2014, a nova sede do Museu da Imagem e Som (MIS), na Avenida Atlântica, em Copacabana, ainda não tem data para ser inaugurada. Mais de 70% da obra já está pronta e, de acordo com a Secretaria Estadual de Cultura, existe uma licitação em curso para a conclusão da terceira e última etapa, que inclui os acabamentos, instalações e as esquadrias.

Procurada pela equipe do GLOBO-Zona Sul, a secretaria informou que, terminada a licitação, a previsão é de que a obra seja finalizada em seis meses. O órgão ressalta que a instalação da museografia, cuja fabricação está praticamente pronta, levará cerca de quatro meses após a entrega do prédio pronto. “A data de inauguração do MIS, que deve ocorrer no próximo ano, ainda não foi estabelecida”, destaca a nota da secretaria.

Orçada R$ 104,6 milhões, a obra está sendo feita com financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Os trabalhos foram iniciados em junho de 2011 pela Empresa de Obras Públicas do Estado (Emop). O atraso ocorreu, segundo o governo do estado, não por conta da crise financeira, mas pela necessidade da troca da empreiteira responsável. O motivo da troca não foi detalhado.


Globo Online | 29-Jun-2016 09:30

Discussões jurídicas emperram repasse da União de R$ 2,9 bi

BRASÍLIA O repasse de R$ 2,9 bilhões da União ao Estado do Rio já foi acordado e anunciado, mas está emperrado em discussões jurídicas. A área técnica da Casa Civil alertou o Ministério da Fazenda sobre o risco de o governo do Rio usar os recursos para o pagamento de funcionários, o que a lei não permite. Há mais de uma semana, o Palácio do Planalto editou uma medida provisória autorizando o Tesouro Nacional a fazer uma espécie de doação ao estado, já que o dinheiro não será ressarcido. Na ocasião, auxiliares do presidente interino Michel Temer informaram que uma nova medida provisória, detalhando a liberação, seria publicada até sexta-feira da semana passada, o que não aconteceu. Procurado, o governador em exercício Francisco Dornelles disse que não há qualquer problema com a liberação da verba.

O problema agora é amarrar um texto especificando que o dinheiro só poderá ser usado para despesas correntes, investimentos e custeio do setor de segurança para a Olimpíada e a Paralimpíada do Rio, excluindo o pagamento de funcionários. Poderão ser custeados o pagamento de contas de luz, a compra de material e a manutenção de equipamentos (inclusive abastecimento de veículos). Além de haver vedação descrita na própria Constituição quanto a isso, a Lei de Responsabilidade Fiscal também faz a ressalva de que recursos desse tipo não podem ser usados para quitar folha de pagamento. Crise - 27/06

Auxiliares de Temer afirmam que ele não quer ser responsabilizado por irregularidades no uso do dinheiro federal. Técnicos do Ministério da Fazenda chegaram a sugerir que o Ministério da Justiça assuma a tarefa de viabilizar o repasse, já que os recursos se destinarão especificamente à área de segurança pública. O assunto foi repassado ao Tribunal de Contas da União, que reprovou as contas da presidente afastada Dilma Rousseff por causa de pedaladas fiscais. O governo aguarda manifestação do tribunal para retomar a costura do repasse ao Rio.

MEDO DE SER ACUSADO DE PEDALADAS

No capítulo sobre orçamento, a Constituição é clara: é proibida “a transferência voluntária de recursos e a concessão de empréstimos, inclusive por antecipação de receita, pelos governos federal e estaduais e suas instituições financeiras, para pagamento de despesas com pessoal ativo, inativo e pensionista, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios”. Para a área jurídica do Planalto, além das vedações previstas em lei, seria injustificável que a União pagasse funcionários que não são federais. Para quitar seus débitos com servidores, como hora extra de policiais que trabalharão nos Jogos Olímpicos, por exemplo, o Rio terá de incorporar o dinheiro federal ao seu orçamento e remanejar suas contas, tirando dotações de outras áreas.

O temor de ser acusado de pedaladas fiscais (ação que embasa o impeachment de Dilma) levou a área jurídica da Casa Civil a fazer algo pouco usual, publicando a MP da semana passada que, na prática, transforma uma despesa voluntária em despesa obrigatória. Contrariando Dornelles, o apoio financeiro da União é destinado apenas à segurança pública para a realização da Olimpíada e Paralimpíada do Rio. Ele queria que o socorro abarcasse também as obras da Linha 4 do metrô.

— O problema não é no mérito. Todo mundo já aceitou que o governo federal conceda ajuda ao Rio, para que a Olimpíada e a Paralimpíada aconteçam sem sobressaltos. Mas nem o Temer, nem o Henrique Meirelles (ministro da Fazenda) querem entrar em rota de colisão com a Justiça — diz um técnico da área jurídica do governo.

A decisão de Temer de atender ao pedido do Rio gerou atrito, já que a ajuda havia sido prometida de forma reservada entre ele e Dornelles, num jantar no Palácio do Jaburu. O presidente interino foi surpreendido, no entanto, com a estratégia do estado de decretar calamidade pública, atropelando negociações programadas entre o Planalto e os outros 26 governadores, alguns enfrentando situação financeira tão grave quanto a do Rio.

Em reunião com os governadores na véspera da edição da MP autorizando o repasse ao Rio, Temer concordou em alongar as dívidas estaduais com a União por mais 20 anos e também em suspender, até o fim de 2016, o pagamento das parcelas mensais desses débitos. Segundo participantes do encontro, o clima não estava muito bom entre Dornelles e os colegas. Sua apresentação foi breve, e ele se recusou a ter uma nova rodada de conversas com Meirelles no fim do dia.

LEIA MAIS:

Paes diz que estado de calamidade não tem relação com Olimpíada

Estado de calamidade exclui ameaça às instalações esportivas

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 29-Jun-2016 09:30

Estado não pagou consignado a bancos

RIO - Funcionário concursado da Assembleia Legislativa (Alerj) há mais de três décadas, X. recebeu uma mensagem do Serasa, no início do mês. Seu nome estava na lista de inadimplentes, embora o empréstimo consignado que tomara tenha sido pago religiosamente em dia, conforme mostra o desconto em seu contracheque.

— Já é a segunda vez que fico com o nome sujo no Serasa e no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) por culpa do estado, que não repassa o dinheiro ao banco. Primeiro foi o BMG, depois a Caixa Econômica Federal — afirma o funcionário, que pediu para não ser identificado por temer represálias.

Queixas como a de X. chegam diariamente à Federação dos Servidores Públicos do Estado (Fasp). Cerca de 236 mil ativos, aposentados e pensionistas — metade do funcionalismo — têm crédito consignado. Crise - 27/06

O governo estadual confirma que houve atraso nos repasses a alguns bancos em maio e atribui o problema aos arrestos realizados pela Justiça — somente em abril superaram R$ 760 milhões — para honrar os salários dos servidores. Em nota, a Secretaria estadual de Planejamento informa que as instituições financeiras não podem incluir nomes de servidores em listas de inadimplentes. Segundo o órgão, um decreto de janeiro impede a prática, sujeita à punição, como o descredenciamento do banco.

Presidente da Fasp, Álvaro Barbosa diz que o problema se arrasta há três meses:

— É uma situação grave. O pior é que o banco culpa o servidor pelo erro que é do estado. Há casos de pessoas doentes e aposentados que não sabem a quem recorrer.

apropriação indébita

Advogado especializado em defesa do consumidor, José Alfredo Lion, diz que o caso configura apropriação indébita:

— A apropriação ocorre no momento em que o estado desconta do servidor, mas não repassa ao banco. A responsabilidade de pagar é do estado, que fez contrato com o banco.

A Comissão de Defesa do Direito do Consumidor da Alerj tem auxiliado servidores em dificuldades, segundo o seu presidente, deputado Luiz Martins (PDT). Ele diz que o estado também não repassa o dinheiro a associações e sindicatos.

A Associação Brasileira de Bancos informa que há atrasos nos repasses do estado para os bancos, que suspenderam a concessão de novos empréstimos. A Caixa disse que tem notificado os clientes sobre a falta de repasse do estado e solicitado que comprovem o débito em 15 dias, sem que haja prejuízo para os funcionários.

LEIA MAIS:

Paes diz que estado de calamidade não tem relação com Olimpíada

Estado de calamidade exclui ameaça às instalações esportivas

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 29-Jun-2016 09:30

Pesquisa constata que produzir vacina contra zika é viável

RIO - Os primeiros avanços na luta para prevenir o zika começam a emergir, com a viabilidade de uma vacina tendo sido demonstrada pela primeira vez. Cientistas brasileiros e americanos testaram com sucesso em animais duas estratégias de imunização. Publicado na “Nature”, o estudo é importante porque a vacina é considerada a única forma realmente eficaz de proteger a população contra uma epidemia que já se espalha por 61 países. E uma outra vacina, em desenvolvimento no Instituto Evandro Chagas, em Ananindeua (Pará), deve começar a ser testada em macacos em novembro.

No estudo relatado na “Nature”, o grupo integrado por cientistas da USP e da Universidade de Harvard, nos EUA, testou duas formas de imunizar camundongos contra o zika. As duas obtiveram 100% de êxito. Isto é, os roedores não desenvolveram a doença ao serem infectados pelo zika em laboratório.

O estudo é o primeiro a empregar também a cepa brasileira do zika, originária do Nordeste. Ela foi isolada de um paciente na Paraíba pelo grupo do virologista Pedro Fernando da Costa Vasconcelos, diretor do Instituto Evandro Chagas. Zika - 16/06

A primeira forma testada, mais convencional, foi usar o zika inativado para causar uma resposta do sistema de defesa dos roedores. A segunda foi obter a mesma resposta com uso de pedaços do material genético do vírus.

Um dos autores do estudo, Paulo Zanotto, professor do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, diz que a meta era compreender os mecanismos da infecção pelo zika:

— Embora seja ciência básica, em fase inicial, a pesquisa é importante porque ainda se sabe pouco sobre os aspectos imunológicos do vírus.

VÍRUS DIFÍCIL DE SER INATIVADO

A primeira técnica oferece a vantagem de ser mais simples e, por isso, em tese, mais fácil de desenvolver. Esse tipo de vacina está em uso com sucesso contra a pólio e a encefalite japonesa. Todavia, o zika não tem se mostrado trivial. Ele não é fácil de inativar, salienta Zanotto. Tornar um vírus inativo é eliminar sua capacidade de se replicar dentro das células infectadas. Assim, ele serve para “ensinar” o sistema imunológico a reconhecê-lo como invasor e atacá-lo.

Zanotto explica que uma vacina desenvolvida a partir de pedaços de genes do vírus é vista como mais promissora. Esse imunizante é mais seguro e não pode causar doença, já que não há vírus nele. É um produto desse tipo que a equipe de Dan Barouch planeja testar em macacos em Harvard, numa segunda etapa do trabalho.

Barouch é um dos principais especialistas do mundo em vacinas contra retrovírus. Seu grupo desenvolveu e testa em pessoas uma vacina contra o HIV. Como a que se planeja criar contra o zika, ela é genética.

— Nosso grupo da USP focará no conhecimento da imunologia do zika. Estamos trabalhando agora com uma linhagem do vírus que isolamos em São Paulo — diz o pesquisador.

A equipe dele colabora com a do Instituto Butantan, que também busca criar uma vacina.

VEJA MAIS:

Sancionada lei que permite entrada forçada em imóveis contra o Aedes

Professor americano diz que relação sexual aumenta transmissão do vírus zika


Globo Online | 29-Jun-2016 09:30

Beco das Garrafas homenageia artistas marcantes da bossa nova

RIO - A bossa nova hoje é conhecida e admirada mundialmente, mas provavelmente ela não seria a mesma não fossem os encontros entre artistas consagrados do gênero num beco entre os números 21 e 37 da Rua Duvivier, em Copacabana, nas décadas de 1950 e 1960. Lá fica o Beco das Garrafas, complexo boêmio formado pelas casas Bottle’s Bar e Little Club, que ficou fechado por mais 40 anos e reabriu em 2014. Desde o início do ano, um projeto — patrocinado pela prefeitura e com apoio do Instituto João Donato — busca resgatar os laços musicais da região e apresentá-los para as novas gerações: o Troféu Beco das Garrafas.

A cada 15 dias, um nome que marcou presença no beco é homenageado e, além da entrega do troféu (criado pelo designer Marcus Wagner), a casa promove um show especial com o próprio artista ou com convidados especiais — no caso dos homenageados que já morreram.

Os shows são apresentados pela empresária e musicista Amanda Bravo, curadora do projeto e responsável pela revitalização do beco. Ela é filha do compositor Durval Ferreira, que morreu em 2007 e foi o criador da ideia original do prêmio.

— A premiação é uma adaptação do projeto que o meu pai concebeu em 2002, chamado Troféu Bossa Nova. Escrevemos juntos e não conseguimos realizar antes de sua partida — conta Amanda.

A vida exigiu que a curadora fizesse outra modificação. A ideia original era que o projeto fosse apresentado pelo ator e produtor Luiz Carlos Miele, morto em outubro do ano passado.

— O Miele faria a apresentação, e o bastão passou para mim. É a minha forma de homenagear esse grande artista, que foi um dos principais incentivadores do beco desde os primórdios — frisa.

O projeto homenageará 20 artistas até o fim do ano. Já foram feitas edições dedicadas a nomes como João Donato, Nara Leão, Tom Jobim e Leny Andrade.

A próxima edição será no dia 9, às 21h, com uma homenagem à cantora Sylvia Telles, uma das precursoras do gênero, que morreu em 1966. Ela será representada pela filha, a também cantora Claudinha Telles. O ingresso custa R$ 40. Não indicado para menores de 18 anos.


Globo Online | 29-Jun-2016 09:30

Uniforme da equipe que entregará medalhas nos Jogos não passa pelo crivo das redes sociais

RIO - Dizem que Miranda Priestly, de “O diabo veste Prada”, olharia enviezado. Mas o certo é que os internautas não deixaram nada a desejar à implacável editora de moda. Os uniformes que serão usados pela equipe oficial que entregará as medalhas na Olimpíada do Rio, criados pela estilista Andrea Marques, não passaram impunemente pelo crivo das redes sociais. Logo após a divulgação das peças, as primeiras críticas comparavam os trajes — com estampa de folhagens amarelas e blazer rosa claro para as mulheres e calça de sarja rosa e camisa estampada para os homens — às roupas caipiras das quadrilhas de festas juninas.

‘‘Que bonita a Olimpíada com tema Festa Junina!”, ironizou um internauta. “Esses uniformes são da entrega de medalhas? Anarriê. Olha o bom gosto, é mentira”, brincou outro. “O uniforme da equipe que entregará as medalhas olímpicas é uma coisa meio junina, meio mexicana, meio sem noção”, escreveu ainda um rapaz.

Nas críticas bem-humoradas, até mesmo os personagens do programa A Grande Família, que era exibido pela TV Globo, foram lembrados. “Olimpíada lança look 70’s-caipira www.grandefamilia. Será um sucesso... nos sites de humor’’, opinou outro piadista. jogos

A consultora de moda Gloria Kalil preferiu não dar sua opinião sobre os modelitos, mas destacou a importância de entender a proposta da obra antes de julgá-la como boa ou ruim:

— Isso (a escolha da roupa) não é uma votação popular, mas, se foi mal recebida, acho que é o caso de consultar a Andrea. Tenho certeza que, por trás disso, tem um ponto de partida conceitual, porque ela é séria, conhece moda. É preciso entender a motivação da obra para dizer se gosta ou não. Se de fato, depois disso, não agradar a ninguém, é o caso de perguntá-la que solução ela daria.

Mas, afinal, qual foi essa motivação? O coordenador de moda do caderno ELA, do GLOBO, Gilberto Júnior, acredita que as características presentes nos trabalhos da estilista podem responder a questão:

— Andrea Marques é uma estilista conhecida por sua moda elegante e descomplicada, a cara do Rio. Ela também tem facilidade de trabalhar com estampas, criando desenhos bem interessantes, como um calçadão desconstruído. Nos trajes olímpicos, ela deixou aflorar ainda mais sua veia tropicalista. As formas são comportadas, e as cores são tranquilas. O blazer deixou tudo mais arrumadinho. Óbvio que as peças não lembram as coleções de passarela da designer, mas talvez ela tenha seguido orientações dos organizadores — observou.

Para justificar sua ideia, a renomada estilista já explicou em entrevistas que o objetivo foi criar looks leves, descontraídos e que ressaltassem a elegância tropical, mas que, ao mesmo tempo, estivessem em consonância com o evento. Andrea assumiu a função após ser aprovada no processo seletivo organizado por Paulo Borges, criador do principal evento de moda do país, o São Paulo Fashion Week (SPFW). O GLOBO procurou Andrea por meio de sua assessoria, que informou que ela está viajando e não poderia se manifestar.

O Comitê Organizador Rio 2016 não informou se haverá mudanças devido às críticas. O fato é que, até a última ordem, gostando ou não, dos dias 5 a 21 de agosto (na Olimpíada) e de 7 a 18 de setembro (na Paralimpíada), os campeões serão recebidos com flores, cores e medalhas.

VEJA TAMBÉM:

Vizinhos de competições criam estratégias para não ficarem ilhados na Olimpíada

Chave da Vila dos Atletas é entregue ao Comitê Olímpico Internacional

Sem verbas, programação cultural da Lapa está em risco durante os Jogos

Jogos Olímpicos mudam o cenário de cartões-postais no Rio

Terroristas criam canal em português e preocupam Abin

Impulsionado pelos Jogos, Rio tem um boom de hotéis cinco estrelas

George Vidor: De bike até a Praça Mauá

Balão panorâmico será uma das atrações do boulevard olímpico

Trilhos modernos: a nova viagem dos bondes pelo cenário carioca

Operários limpam trilhos na Avenida Rio Branco antes da passagem do VLT

Acervo O GLOBO: Em 1970, Elevado do Joá desabou duas vezes durante as obras


Globo Online | 29-Jun-2016 09:30

Motéis seduzem turistas que virão aos Jogos

RIO - Tradicional local de encontros amorosos, os motéis da cidade vão abrigar muitos turistas apaixonados pelos Jogos Olímpicos durante o mês de agosto. Na região do Maracanã, por exemplo, a lotação desse tipo de quarto está quase esgotada, graças a clientes atraídos pelo preço das diárias — mais convidativo se comparado ao valor cobrado por hotéis — e pela proximidade a locais de prova. É o caso do Motel Corinto, em Vila Isabel, que até ontem contabilizava uma taxa de ocupação de 90%. Outro exemplo é o Motel Te Adoro, no mesmo bairro, que já negociou 80% das suas vagas para o período do evento. Os dois estabelecimentos ficam a cerca de 15 minutos do estádio do Maracanã — que será palco de algumas competições — e fizeram adaptações no cardápio, nos quartos e nos serviços para receber a clientela olímpica.

— Como podemos funcionar como hotel e motel, vamos receber os turistas, como fizemos na Copa do Mundo, quando tivemos uma taxa de ocupação de 55%. Usaremos os mesmos quartos que oferecemos ao cliente do motel, mas vamos retirar os produtos do sex shop e as cadeiras eróticas, por exemplo. Só não vamos mexer na iluminação, no tipo de cama e no espelho do teto — explica Luiz Felippe Fontes de Mendonça, diretor do Te Adoro. jogos

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, dos cerca de 58 mil quartos oferecidos para os Jogos Olímpicos, seis mil são de motelaria. No Te Adoro, a direção criou um pacote especial para o período das competições, com diárias entre R$ 337 e R$ 810 o casal, com direito a café da manhã. O lugar, que normalmente não recebe menores de idade, vai hospedar crianças, desde que acompanhadas dos pais.

No Corinto, 85% das reservas realizadas até agora são de hóspedes estrangeiros, que pretendem ficar de cinco a dez dias no Rio de Janeiro. As diárias custam a partir de R$ 450, e, quem quiser aproveitar a suíte presidencial, a mais cara do estabelecimento, terá que desembolsar R$ 1.700 por dia. O motel tem 92 apartamentos e pretende colocar 55 à disposição dos viajantes que vêm à cidade por motivos olímpicos.

O GLOBO consultou sites de reservas on-line e constatou que há hotéis classificados com três estrelas, localizados na Zona Sul, com diárias custando a partir de R$ 1 mil.

Gerente de reservas do Corinto, Christiane Kilesse conta que a direção estabeleceu preços competitivos, com valores em média 30% abaixo dos cobrados por hotéis três estrelas. Para atender os visitantes, a maioria estrangeiros, a direção reservou uma ala do motel. E quem se hospedar por lá, garante, não corre o risco de encontrar nenhum quadro com pintura erótica ou “brinquedinho” no aposento.

— Nossas instalações foram todas reformadas, temos até suítes com automação. Vamos aceitar, inclusive, famílias com criança. Temos solicitações de reservas desde o ano passado, para agosto e setembro deste ano. Mas foi em fevereiro que registramos um boom — diz Christiane, que avisa: — Vamos continuar atendendo os clientes do motel, nosso público fiel.

SUÍTE COM ESPAÇO PARA ATÉ 80 PESSOAS

O Motel Vip’s, na Avenida Niemeyer, também entrou no espírito olímpico, com diárias a partir de R$ 590, mas que podem chegar a R$ 5.436, se o hóspede quiser a suíte presidencial, com 250 metros quadrados, duas piscinas, churrasqueiras e três aparelhos de TV. Ela tem capacidade para 80 pessoas numa noite de festa.

— Já estamos com 50% de taxa de ocupação e esperamos chegar a 80% em agosto. A maioria é casal. Nossas atrações são a vista e as instalações. Sem contar que teremos provas na Niemeyer — conta o gerente Thiago Nascimento.

VEJA TAMBÉM:

Vizinhos de competições criam estratégias para não ficarem ilhados na Olimpíada

Chave da Vila dos Atletas é entregue ao Comitê Olímpico Internacional

Sem verbas, programação cultural da Lapa está em risco durante os Jogos

Jogos Olímpicos mudam o cenário de cartões-postais no Rio

Terroristas criam canal em português e preocupam Abin

Impulsionado pelos Jogos, Rio tem um boom de hotéis cinco estrelas

George Vidor: De bike até a Praça Mauá

Balão panorâmico será uma das atrações do boulevard olímpico

Trilhos modernos: a nova viagem dos bondes pelo cenário carioca

Operários limpam trilhos na Avenida Rio Branco antes da passagem do VLT

Acervo O GLOBO: Em 1970, Elevado do Joá desabou duas vezes durante as obras


Globo Online | 29-Jun-2016 09:30

Após quase ficar sem passaporte, Lorrayne embarca para representar o Brasil na Olimpíada de Neurociências

Estudante Lorrayne embarca finalmente para um sonho na Dinamarca

RIO - Depois de muita luta e uma torcida que começou no colégio Pedro II onde estuda, e se espalhou pela rede, a estudante Lorrayne Isidoro, de 17 anos, embarcou finalmente hoje para Copenhague, na Dinamarca, com a mãe, Estela Mereilles Isidoro, onde representará o Brasil na Olimpíada Internacional da Neurociências 2016. O pai, Jorge Cabral, e as irmãs Diorrayane, de 16 anos e Shetllen, de 9 anos, acompanharam as duas até o portão de embarque do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão - Tom Jobim, em uma despedida marcada pela emoção: Lorrayne_ Pedro II

— Ela é uma menina muito determinada. Eu estou muito emocionado porque ela decidiu e realmente conseguiu chegar lá. Eu acredito que ela vai trazer a medalha de ouro — disse orgulhoso seu Jorge.

Segundo ele, só mesmo a filha Sterlyen, de 14 anos, não foi ao aeroporto:

— Ela está estudando para uma prova no Pedro II por isto não pôde vir — afirmou o pai que ficou com a missão de cozinhar e cuidar das filhas durante a curta ausência da mãe;

— As provas são nos dias 1 e 3. Nestes dias, eu vou ficar conectado junto com ela, torcendo. No dia 4 é o encerramento, mas elas ficam lá ainda no dia 5 para aproveitar um pouco e voltam no dia 6. Estarei aguardando ansiosamente o retorno aqui no Rio de Janeiro.

Diferente de outros dias em que se mostrava muito calma, Estela confessou nervosismo na hora da partida e se emocionou ao se despedir do marido e das outras filhas.

Nervosa com a aproximação do voo, a mãe afirmou que espera agora de a filha aproveite a viagem pela qual tanto lutou.

— A expectativa é bem grande e emocionante. Estamos prestes a viajar o coração começa a palpitar mais forte, a gente começa a chorar um pouquinho, mas a satisfação está em saber que ela vai se divertir — afirmou a mãe.

Depois de conseguir vencer a etapa brasileira da Olimpíada de Neurociência, ter o apoio inclusive financeiro do Colégio Pedro II que custeou a passagem e a estadia da jovem, e ainda conseguir uma vaquinha na internet para levar a mãe, a jovem Lorrayne ganhou também o apoio de mais de 70 mil internautas, quando a emissão de seu passaporte atrasou por um problema na Casa da Moeda. Mesmo com todas as dificuldades vencida, a estudante mantinha até a hora da partida a mesma serenidade adulta que demonstrou durante todo o tempo, desde que decidiu participar da olimpíada. Perguntada sobre qual lugar ela queria conhecer na Dinamarca, Lorrayne agiu como menina:

— Quero conhecer o Tivoli park - respondeu a estudante, se referindo a uma das maiores atrações turísticas de Copenhague.


Globo Online | 28-Jun-2016 23:53

Roteiro em prédios de Copacabana com estilo art déco é sucesso de público

RIO— Toda segunda quarta-feira do mês é dia de voltar no tempo em Copacabana. O Roteiro Art Déco se tornou uma concorrida opção de lazer no bairro, permitindo que moradores e turistas conheçam a região por meio das construções desse estilo arquitetônico, que surgiu na Europa nos anos 1920. A atividade foi idealizada por um grupo de empresários do Lido que, em 2009, decidiu arregaçar as mangas e trabalhar pela região. O hoje “Polo Lido+Leme” promove essa e outras ações, que buscam a revitalização do bairro, o incentivo aos comerciantes e o lazer dos moradores.

O responsável por guiar esse roteiro é o historiador Milton Teixeira, que leva os visitantes a onze prédios do bairro. O passeio, que começa às 14h na Rua Ronald de Carvalho 55, inclui uma parada para histórias no Beco das Garrafas.

— Esses prédios são abertos especialmente para nós. Conhecemos obras de artes que são vetadas ao grande público. O mais antigo dos edifícios é o Ribeiro Moreira, na Ronald de Carvalho com a Avenida Atlântica. Esse foi o primeiro arranha-céu de Copacabana. O hall de entrada e os espelhos estão intactos. Foi feito para durar — explica Teixeira.

O historiador conta que, em 1926, a legislação mudou, passando a permitir a construção de residências com mais de quatro andares.

— Copacabana foi um bairro que despontou a partir dos anos 20. Nessa época, não era mais vantagem fazer residências, os terrenos eram muito caros. Com a aprovação da nova lei, os primeiros a ocuparem os prédios foram os portugueses. Os arranha-céus tinham oito andares. Ficavam exatamente na área do Lido, que era menos povoada. — relata.

Nessa época, o Art Déco, era o estilo arquitetônico em alta. Para Teixeira, é importante que as pessoas conheçam essa parte da história do bairro:

— Quem procura a história vai atrás da sua identidade. Não é possível ir para frente se não visitarmos o que está atrás.

PROTEGIDO POR DECRETO

Um decreto assinado pelo então prefeito Marcello Alencar, em 1992, criou a Área de Proteção do Ambiente Cultural (Apac) do Lido e adjacências para preservar os exemplares arquitetônicos significativos no período de 1920 a 1950. As décadas abrangem exatamente o auge do Art Déco, segundo o arquiteto e urbanista David Cardeman. Autor do livro “O Rio de Janeiro nas alturas”, ele destaca as principais características do estilo:

— Esculturas em forma de animais, principalmente nas portarias dos prédios, além de granitos importados, tons em rosa e fachadas muito verticais são as principais características desse estilo. O cinema Roxy é um exemplo de prédio construído em Art Déco no bairro.

No decreto assinado por Alencar consta que “a área conhecida como Lido representa um valioso documento de ocupação vertical do bairro de Copacabana”. Cardeman reafirma que a região tem a maior concentração de prédios neste estilo na cidade. A área delimitada pela Apac abrange prédios nas avenidas Atlântica e Nossa Senhora de Copacabana e nas ruas Belford Roxo, Carvalho de Mendonça, Duvivier, Fernandes Mendes, Ministro Viveiros de Castro, República do Peru, Rodolfo Dantas e Ronald de Carvalho.

— O Art Déco surgiu em 1923 depois de uma exposição internacional de arte decorativa realizada na França. Então, os arquitetos daqui começaram a copiar a arquitetura francesa que estava fazendo sucesso — explica Cardeman.


Globo Online | 28-Jun-2016 23:52

Portal dos Procurados pede informações sobre assassinos de policiais militares no Rio

RIO - O Portal dos Procurados divulgou na tarde desta terça-feira um cartaz que pede ajuda à população para identificar os acusados de assassinar o policial militar José Josenilson Alves dos Santos, de 30 anos, lotado na UPP de Manguinhos; e Denilson Theodoro de Souza, de 48 anos, que trabalhava na equipe que fazia a segurança do prefeito Eduardo Paes. Violência - 27/06

José Josenilson Alves dos Santos foi morto a tiros no acesso da Rodovia Washington Luiz para a Avenida Brasil, na altura da Favela da Cidade Alta, na Zona Norte. O corpo do soldado foi encontrado por volta das 5h40m de domingo. Com o assassinato do PM, chegou a 50 o número de policiais mortos só este ano no Rio. De acordo com a polícia, ele estava com um coldre vazio na cintura e sem qualquer documento de identificação.

A Polícia Militar havia sido acionada para atender a um chamado de acidente, mas chegando ao local, constaram que tratava-se de um homicídio. O corpo de Josenilson estava com várias perfurações feitas por disparos. Na lataria do veículo em que o estava o policial, os bandidos deixaram uma inscrição: “Morre PM”.

Também na madrugada de domingo foi o morto o tenente da PM Denilson Theodoro de Souza, de 48 anos. Ele foi baleado, na Pavuna. De acordo com o 41° BPM (Irajá), o militar reagiu a uma tentativa de assalto na Rua Sargento Antônio Ernesto. Ele estava com o cunhado, que conseguiu pedir socorro a uma viatura do Batalhão de Policiamento em Vias Expressas (BPVE).

Ele estava há 29 anos na PM, era casado e deixa mulher e dois filhos, um menino de 16 anos e uma menina de 9 anos. O caso aconteceu no mesmo bairro onde a médica Gisele Palhares Gouvêa, de 34 anos, foi baleada e morta, na noite deste sábado, também por ladrões de carro, na Linha Vermelha.

O Portal pede à população que quem tiver informações sobre os assassinos dos dois policiais militares denuncie pelos seguintes canais: aplicativo de mensagens do WhatsApp ou Telegram dos Procurados (21) 96802-1650, via InBox, pelo Facebook dos Procurados – endereço eletrônico: https://www.facebook.com/procurados.org/ ; ou entre em contato com a mesa de atendimento do Disque-Denúncia pelo telefone (21) 2253-1177. O anonimato é garantido.

LEIA MAIS:

Atleta de tiro é baleada na cabeça após fugir de falsa blitz na Zona Norte

Beltrame: Rio vai receber menos policiais para os Jogos Olímpicos

Justiça determina internação de acusado de participar da morte de jovem em Del Castilho

Sétimo acusado de envolvimento na morte de jovem na Linha Amarela é detido


Globo Online | 28-Jun-2016 23:35

Sancionada lei que permite entrada forçada em imóveis contra o Aedes

RIO - A medida que autoriza a entrada forçada de agentes de combate ao mosquito Aedes aegypti em imóveis públicos ou particulares abandonados passou a ter força de lei com a publicação, nesta terça-feira, no Diário Oficial da União. A Lei nº 13.301, que concede permissão a autoridades de saúde federais, estaduais e municipais, também se aplica para o caso de ausência de pessoa que possa permitir o acesso ao local ou no caso de recusa de acesso. A iniciativa deve ser tomada apenas em situações excepcionais e visa permitir a execução das ações de controle ao mosquito e criadouros. A origem da lei foi uma medida provisória publicada em fevereiro deste ano. Zika - 16/06

A entrada forçada em imóveis deve ser feita por profissional devidamente identificado, em áreas com potenciais focos de mosquitos transmissores. Além disso, para ficar comprovada a ausência de uma pessoa que possa autorizar a vistoria, é necessário que o agente realize duas notificações prévias, em dias e horários alternados e marcados, num intervalo de dez dias. Essas ações anteriores devem ser devidamente registradas em relatório.

O texto trata de diversas providências de vigilância em saúde que podem ser adotadas quando houver situação de iminente perigo à saúde pública, devido à presença do mosquito Aedes aegypti. Entre as medidas, a lei institui o Programa Nacional de Apoio a Combate às Doenças Transmitidas pelo Aedes (Pronaedes), que tem como objetivo o financiamento de projetos de combate à proliferação das doenças transmitidas pelo vetor. Em até 30 dias, deverão ser regulamentados os critérios e procedimentos para aprovação de projetos do programa, com a priorização das áreas de maior incidência das três doenças e dos municípios com menor montante de recursos disponíveis; redução das desigualdades regionais; além da priorização da prevenção da dengue, zika e chicungunha.


Globo Online | 28-Jun-2016 23:28

Polícia já possui imagens que mostram morte de médica na Linha Vermelha

RIO - A polícia já possui imagens que mostram o momento que a médica Gisele Palhares Gouvêa, de 34 anos, foi morta no último sábado, na Linha Vermelha. Em entravista ao jornal Extra, o delegado Giniton Lages, titular da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), disse que as imagens mostram o momento que ela foi abordada por bandidos, e que o objetivo é descobrir se eles já estavam seguindo a médica. Violência - 27/06

Ainda de acordo com o delegado, a principal linha de investigação é de que a médica tenha sido vítima de uma tentativa de assalto. Apesar disso, segundo o delegado, outras possibilidades não foram descartadas, como homicídio não ligado a roubo.

Na segunda-feira, o delegado refez o trajeto percorrido pela médica antes de ser assassinada para buscar câmeras de segurança que pudessem ter registrado o crime. Além de ouvir amigos e parentes da médica, o delegado colheu o depoimento dos dois PMs que fizeram o primeiro atendimento, no local do crime.

Segundo Giniton, após ser baleada, Gisele perdeu o controle da direção. O carro, que tem quatro marcas de tiros, chegou a subir em um barranco, invadindo a margem esquerda da Linha Vermelha, no sentido Centro. Até o fim desta semana, o delegado pretende voltar novamente ao local do crime, dessa vez com o carro da médica, para fazer uma perícia complementar e esclarecer a dinâmica do crime.

O Portal dos Procurados divulgou cartaz à procura dos assassinos da médica. Quem tiver informações sobre a localização dos criminosos pode denunciar pelo Whatsapp ou Telegram dos Procurados: (21) 96802-1650; pelo Facebook (por mensagem): https://www.facebook.com/procurados.org/; ou pelo Disque-Denúncia: (21) 2253-1177.

LEIA MAIS:

Atleta de tiro é baleada na cabeça após fugir de falsa blitz na Zona Norte

Beltrame: Rio vai receber menos policiais para os Jogos Olímpicos

Justiça determina internação de acusado de participar da morte de jovem em Del Castilho

Sétimo acusado de envolvimento na morte de jovem na Linha Amarela é detido


Globo Online | 28-Jun-2016 22:51

Alerj vai convocar secretário de Segurança para explicar medidas para conter violência no Estado

RIO - O secretário de Segurança José Mariano Beltrame será convidado para uma sabatina na próxima terça-feira na Assembleia Legislativa do Rio, para explicar como pretende conter a escalada da violência no estado. A decisão foi tomada na tarde desta terça-feira pelo presidente da Casa, Jorge Picciani (PMDB). A iniciativa foi a fórmula encontrada para acalmar os ânimos da bancada do PMDB que iniciou um movimento na Alerj pela saída do secretário do cargo. A reunião será com as lideranças de todos os partidos da Alerj. Para muitos parlamentares, a permanência do secretário não tem mais apoio dos policiais civis e militares.

Antes de anunciar que o secretário iria ser convidado para prestar esclarecimentos aos parlamentares, Picciani conversou com parte da bancada do partido. O presidente da Alerj afirmou que o secretário é um servidor público exemplar que tem contribuído com a segurança pública do estado nos últimos dez anos. Crise - 27/06

— Beltrame é uma referência na segurança pública. O que nós estamos vivendo é uma grande crise. No país e no estado. O secretário tem enfrentado as maiores dificuldades por falta de recursos e muitos deputados estão muito preocupados com as áreas que estão fora do eixo das olimpíadas, que estão rigorosamente desguarnecidas e o próprio secretário reconhece isso. Então nós vamos discutir com o secretário na próxima terça-feira de que forma nós podemos priorizar essas áreas de maior incidência (criminal) — afirmou Picciani.

O líder da bancada do PMDB na Alerj, André Lazaroni, também fez questão de dizer que a bancada não decidiu nada, na reunião que aconteceu às 14h, mas não escondeu sua posição:

— O que nós estamos vendo nas conversar com os policiais, com coronéis e soldados, é que o secretário perdeu sua liderança. É como um técnico de futebol que não conta mais com o apoio de seus jogadores. Ele coloca o time em campo, mas ninguém joga — resumiu Lazaroni.

Em nota resumida a Secretaria de Segurança informou que Beltrame “sempre esteve à disposição dos parlamentares para quaisquer esclarecimentos”.

MANIFESTAÇÃO DA POLÍCIA CIVIL

Em meio à crise financeira do estado, que atinge todas as categorias, três delas resolveram se juntar para fazer pressão em busca de recursos. Temendo que o orçamento da segurança seja remanejado para outras pastas, com a chegada dos R$ 2,9 bilhões prometidos pela União para a área, policiais civis e militares, além de bombeiros, fizeram na segunda-feira manifestações em diferentes pontos da cidade para reclamar das más condições de trabalho e do atraso no pagamento dos salários. A 38 dias do início dos Jogos Olímpicos, eles aproveitam a proximidade da competição para dar visibilidade ao movimento. No Aeroporto Internacional Tom Jobim, cerca de 30 servidores estenderam um faixa na área de desembarque, em inglês, com um alerta aos passageiros: “Welcome to hell. Police and firefighters don’t get paid. Whoever comes to Rio de Janeiro will not be safe” (“Bem-vindo ao inferno. A polícia e os bombeiros não recebem pagamento. Quem vier para o Rio de Janeiro não estará seguro”).

LEIA MAIS:

Paes diz que estado de calamidade não tem relação com Olimpíada

Estado de calamidade exclui ameaça às instalações esportivas

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 28-Jun-2016 22:24

Professor americano diz que relação sexual aumenta transmissão do vírus zika

CORAL GABLES, Florida -O professor de Matemática Shigui Ruan, da Universidade de Miami, nos Estados Unidos, desenvolveu um modelo científico para abordar as várias formas de transmissão do Zika Vírus. O estudo, publicado no último dia 17 na seção Scientific Reports do site especializado Nature.com, diz que o controle do mosquito deve permanecer como o método mais eficiente de combate ao vírus. A pesquisa ainda revela que relações sexuais aumentam o risco de infecção pelo zika e prolonga o surto.

Um modelo matemático desenvolvido pelo pesquisador tenta dimensionar o papel da relação sexual na transmissão e no controle do vírus. Tal modelo não pretende medir o índice de transmissão do zika, mas delinear os possíveis caminhos do vírus e ajudar a determinar qual dessas rotas de transmissão, sejam elas sexuais ou não, é a mais importante na investigação do seu controle.

"O zika é um vírus complicado. Não é tão simples como enfrentar uma gripe atrás da outra", diz Ruan. Zika - 16/06

Para construir o modelo, ele e sua equipe combinaram duas formas de transmissão em uma série de equações e, em seguida, calibraram o resultado com as taxas epidemiológicas do zika, obtidas através da Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil, na Colômbia e em El Salvador. Usando fatores como os índices de picada e de mortalidade do Aedes aegypti e o quanto parceiros se protegem durante o sexo, os pesquisadores chegaram ao que eles chamaram de "número básico de reprodução", que é o número de infecções resultantes de uma infecção inicial em uma população.

A equipe descobriu que o número médio de novas infecções que podem ser ligados diretamente a um único caso de Zika é de 2% e que a transmisão por via sexual é responsável por apenas 3% dos novos casos.

"Nossa análise indica que a reprodução básica do zika é mais sensível às taxas de mordida e mortalidade do mosquito e que a relação sexual aumenta o risco de infecção, o tamanho da epidemia e prolonga seu surto", comenta Ruan.

O modelo pode dar a epidemiologistas uma boa ideia de onde eles devem concentrar seus esforços.

"Neste caso, a medição do controle do mosquito deve permanecer como a estratégia mais importante de combate ao vírus", diz o pesquisador.

Ele reforça que o sexo com proteção ainda assim é importante.

"É uma razão para se preocupar porque, no topo de fatores de transmissão do mosquito, há a transmissão sexual do vírus", explica Ruan, citando casos de transmissão sexual do zika na Argentina, no Chile, no Peru e nos Estados Unidos, entre outros países.

Segundo o Centro de COntrole e Prevenção de Doenças, o zika vírus pode permanecer no sêmen por mais tempo do que no sangue, apesar de não se saber ainda por quanto tempo.

"Você pode ter uma pessoa hipotética que foi infectada, mas não necessariamente sabe. E essa pessoa vai carregar o vírus por um tempo, ter relações sexuais e infectar outra pessoa", diz Chris Cosner, também professor de Matemática da Universidade de Miami que colacorou com Ruan."Não sei se isso foi documentado. Mas, possivelmente, em teoria, isso poderia resultar numa fonte para um surto que parece vir de um lugar desconhecido. Então, essa doença em particular, por causa da complexidade das suas rotas de transmissão e do fato que algumas pessoas podem permanecer na fase infectada por um longo tempo, é mais conplicada do que doenças regulares".


Globo Online | 28-Jun-2016 21:23

Tesouro diz que não dará aval para operação de crédito do Rio

BRASÍLIA - O Tesouro Nacional não dará aval para que o Rio de Janeiro realize operações de crédito com bancos enquanto o estado estiver inadimplente com a União. A declaração foi dada nesta terça-feira pela nova secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi. O Rio vem negociando com o BNDES um empréstimo para a conclusão das obras da linha 4 do metrô, um dos compromissos assumidos para as Olimpíadas. No entanto, a negociação está bloqueada. Crise - 27/06

- Operações de crédito seguem parâmetros legais e têm uma série de requerimentos. Na medida em que há algum requerimento não atendido, não podemos liberar um aval. Um deles é que o estado esteja adimplente com a União. Enquanto o Rio não estiver adimplente, a União não poderá conceder o aval - disse Ana Paula.

Ela afirmou ainda que o governo está concluindo “detalhes técnicos e orçamentários” para liberar R$ 2,9 bilhões para o governo do Rio. Neste caso, não há operação de crédito. Esses recursos são uma transferência a fundo perdido que é destinada ao pagamento de horas extras de policiais que vão trabalhar nos jogos olímpicos.

- São recursos para a segurança pública durante os eventos - disse ela.

LEIA MAIS:

Paes diz que estado de calamidade não tem relação com Olimpíada

Estado de calamidade exclui ameaça às instalações esportivas

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 28-Jun-2016 21:06

Manifestação de policiais do Rio repercute em jornais internacionais

RIO - A manifestação de policiais do Rio pela falta de estrutura e de pagamentos foi destaque em vários jornais internacionais nesta terça-feira. A faixa que dizia “Welcome to hell” (bem vindo ao inferno), exibida aos turistas que chegavam à cidade na segunda-feira, no Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador, foi uma das cenas mais comentadas. Crise - 27/06

A repercussão mundial, às vésperas da Olimpíadas, era um dos objetivos dos organizadores do protesto, conforme um deles disse ao GLOBO, nesta segunda-feira.

“O protesto no aeroporto desta segunda-feira vem logo após a declaração feita na semana passada pelo governo de que o Rio está em estado de calamidade, o que pode significar o total colapso da segurança pública, saúde, educação, transporte e controle do meio ambiente”, afirma uma reportagem do portal Yahoo.

O site da rede de TV norte-americana Fox News destacou o protesto dos policiais ao citar morte do tenente da Polícia Militar Denilson Theodoro de Souza, de 48 anos, que integrava a equipe de seguranças do prefeito Eduardo Paes e foi baleado na madrugada de domingo, na Pavuna, na Zona Norte da cidade.

“O funeral de Souza coincidiu com o dia em que a polícia do estado do Rio fez um protesto contra os cortes salariais e a falta de meios para levar a cabo o seu trabalho de forma eficiente. Os oficiais distribuíram um documento denunciando a falta de água, tinta e até mesmo papel higiênico nas delegacias. Na área de desembarque de passageiros no Aeroporto Internacional do Galeão, vários policiais exibiam um cartaz relatando suas condições de trabalho”, diz o texto da Fox News.

O jornal russo Sputnik afirmou que “devido aos salários pendentes, a um mês antes dos Jogos, a cidade da metrópole brasileira vem demonstrando as más condições de trabalho”. Citou também o fato de o Rio de Janeiro ter entrado em estado de emergência, por causa da precária situação orçamental para liberação de recursos para a Olimpíada.

Com o título “Violência no Rio deixa pouca confiança na segurança pública”, a reportagem do norte-americano USA Today citou recentes casos de violência ocorridos na cidade e sobre a ameaça à segurança pública, após o governo do declarar estado de calamidade”.

O site australiano News.com.au diz que, numa rara demonstração pública de raiva, a polícia do Rio protestou contra a falta de salários e papel higiênico. “Os visitantes que chegaram esta semana foram recebidos no aeroporto por policiais e bombeiros com uma advertência preocupante”, afirmou a reportagem ao citar frases exibidas em cartazes pelos policiais durante a manifestação: “A prioridade da polícia é o povo, a prioridade do governo é a Olimpíada” e “A polícia e os bombeiros não são pagos, quem vem para o Rio de Janeiro não será seguro”.

Além da segurança publica, o Nine News Australia escreveu sobre a crise na Saúde referindo-se a um grafite numa ponte próximo ao Galeão, postado por um internauta, que declarava: “Bem-vindo, não temos hospitais”.

O site do canal de televisão russo RT destacou que a polícia do Rio “está atormentado pela falta de equipamentos necessários, como helicópteros, combustível para carros, bem como suprimentos básicos de higiene e de escritório.

“A pouco mais de um mês para os Jogos de 2016, policiais e bombeiros do estado ainda estão sem pagamento de salários na íntegra”, dizia o site do canal indiano Zee News.

LEIA MAIS:

Paes diz que estado de calamidade não tem relação com Olimpíada

Estado de calamidade exclui ameaça às instalações esportivas

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 28-Jun-2016 20:06

Ônibus é incendiado em protesto contra desocupação na Ilha do Governador

Ônibus é incendiado e fecha rua na Ilha do Governador

RIO- Uma operação de desocupação de construção irregular realizada pela prefeitura na Vila Joaniza, na Ilha do Governador, terminou em confusão no início da tarde desta terça-feira. Revoltados, moradores atearam fogo em um ônibus.

De acordo com a Polícia Militar, os manifestantes ainda queimaram lixo na Estrada das Canárias. Agentes do 17º BPM (Ilha do Governador), acompanham a ação.

De acordo com o Centro de Operações da Prefeitura do Rio, a Estrada do Galeão chegou a ficar totalmente interditada no sentido Linha Vermelha, na altura da Avenida Vinte de Janeiro. Equipes dos Bombeiros, da CET-Rio e da Guarda Municipal estão no local. Há retenção na região, neste momento.

QUASE 30 ÔNIBUS DESTRUÍDOS EM 2016

Em nota, a Fetranspor (Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro) manifestou seu repúdio a mais um ataque a ônibus, na tarde desta terça-feira, na Ilha do Governador. Somente este ano, 27 ônibus foram destruídos em atos criminosos – o custo de reposição chega a mais de R$ 10 milhões.

Um levantamento realizado pela Fetranspor mostra que 56 veículos, sendo um deles articulado, foram incendiados no Estado nos últimos 12 meses. Com isso, o estado do Rio contabiliza uma média de um ônibus queimado por semana. A reposição da frota destruída está estimada em mais de R$ 20 milhões.

Para repor um veículo incendiado é preciso até seis meses entre encomenda, montagem, entrega e licenciamento. Durante esse período, 70 mil passageiros (cada ônibus urbano) ou 210 mil passageiros (articulado) deixam potencialmente de ser transportados. A reposição pode ser dificultada num cenário de crise no setor, como o atual - seis empresas paralisaram suas atividades no último ano na capital, por causa das dificuldades financeiras e das condições de financiamento mais rígidas na linha de crédito de bancos públicos e privados para compra de ônibus.


Globo Online | 28-Jun-2016 20:01

Jovem morre em acidente após perseguição policial em Caxias

RIO — Uma jovem 21 anos morreu depois de uma perseguição policial na BR-040, altura de Duque de Caxias, Baixada Fluminense, na madrugada desta terça-feira. Ela estava junto com um homem de 18 anos no veículo que, na altura do km 107 da rodovia, na pista sentido Juiz de Fora, perdeu o controle, rodou na pista e bateu em um muro e no carro da Polícia Militar.

O condutor do carro, que segundo a PM estava sem habilitação, sofreu ferimentos moderados e foi levado para o Hospital Adão Pereira Nunes, no mesmo município.

Segundo o relato dos policiais militares, a perseguição começou depois que o casal deixou a favela Nova Holanda, no conjunto de favelas da Maré, na Zona Norte do Rio. Eles não obedeceram a ordem de parada da Polícia Militar.

Após a batida, o condutor do veículo foi resgatado pela concessionária que administra a rodovia e levado até o hospital. Um trecho da via onde ocorreu o acidente ficou parcialmente interditado. As identidades de ambos não foram reveladas.


Globo Online | 28-Jun-2016 11:59

Concursados do Degase acampam nas escadarias da Alerj, no Centro

RIO — Um grupo de concursados do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) está acampado, desde a noite desta segunda-feira, nas escadarias da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), no Centro. Os integrantes do ato alegam que, após serem aprovados, foram convocados para um curso necessário para a efetivação, concluído em dezembro de 2015, e até hoje não foram nomeados. Eles montaram uma barraca e afirmaram que só deixam o local depois que forem recebidos na Alerj. Os manifestantes disseram ainda que outros colegas devem se juntar ao grupo nesta terça-feira.

Durante esta madrugada, ao menos sete concursados estavam no local. De acordo com o grupo, que empunhava uma faixa com os dizeres "Nomeação Já, 6ª turma do Degase", à época em que o curso de formação foi realizado, o órgão teria contratado agentes não concursados, que estariam ocupando as vagas até hoje.

— Os mais de 300 contratados estão trabalhando e ocupando as vagas que seriam nossas. No nosso curso de formação (que durou 40 dias), muitos que estavam trabalhando deixaram seus empregos porque era em regime integral — afirmou Diego Ferreira de Oliveira, de 29 anos, que está acampado. — (Também haviam ) aqueles que, como eu, estavam apenas estudando e tinham a expectativa de alcançar algo. Tenho amigos com filhos recém-nascidos que precisam de ajuda de parentes até para comprar comida.

O grupo reclamou ainda que a bolsa-auxílio que seria concedida aos aprovados durante no período do curso, antes da efetivação, também não foi paga.

Aprovados no concurso de 2011, os participantes do ato esperam ser recebidos por deputados da Casa e que eles se sensibilizem e apoiem a causa, além de os auxiliar nas efetivações. Eles disseram que ficarão no local " o tempo que for necessário".

— Viemos em busca de apoio para poder chegar a um fim comum, que atenda a nossa necessidade e também não prejudique o governo. Não queremos guerra nem brigas, apenas um direito que é nosso — disse Diego. — Ficaremos aqui o tempo que for necessário. Não tenho condições de ir para casa e voltar. Só posso sair daqui com uma solução, porque tenho mulher e uma criança dentro de casa esperando uma solução.


Globo Online | 28-Jun-2016 10:11

Cerca de 2.500 voluntários dos Jogos são cortados

RIO - Pelo menos 2,5 mil brasileiros e estrangeiros foram excluídos do grupo que irá trabalhar como voluntários do evento, depois de apresentarem algum tipo de impedimento na ficha de inscrição. Oficialmente, os motivos alegados para o veto são muitos: de falta de perfil para executar a função, passando pela ausência de documentação necessária e até situações mais graves, como candidatos com anotação criminal. Entre os candidatos foram encontrados até quem era procurado pela polícia, com mandado de prisão expedido.

O Rio terá cerca de 50 mil voluntários na Olimpíada. Além deles, todas as pessoas que vão trabalhar nos Jogos estão passando por checagens dos agentes da Polícia Federal, da Interpol, da Secretaria Extraordinária de Grandes Eventos, do Ministério da Justiça e da Abin. Autoridades não informaram se entre os barrados há suspeitos de ligação com grupos terroristas ou com potencial de agir como “lobos solitários” em possíveis ataques. jogos

AÇÃO É COMPLEMENTAR

Em nota, a Abin revelou que faz o levantamento de dados para subsidiar o processo de credenciamento de acesso a áreas restritas. Segundo a agência, “a pesquisa de credenciamento de Inteligência é complementar a outras realizadas no âmbito do Ministério da Justiça, as quais abrangem os registros de órgãos policiais e da Justiça”.

Ainda segundo a Abin, todas as pessoas credenciadas estão passando por checagem em bancos de dados de Inteligência do Brasil e de países com os quais a agência mantém cooperação. As informações recolhidas são repassadas ao Ministério da Justiça para subsidiar o processo de credenciamento. A Abin informou que “a consulta aos serviços de Inteligência é realizada não apenas para fins de credenciamento, mas especialmente em ações na prevenção ao terrorismo”.

As recentes ações terroristas na França e na Bélgica, e o ataque de Omar Mateen, que matou 49 pessoas em uma boate de Orlando, nos EUA, levaram as autoridades brasileiras a intensificar a vigilância e o monitoramento de brasileiros e estrangeiros com potencial de fornecer abrigo ou apoio logístico para grupos terroristas. São moradores do Rio, de São Paulo e de outros estados que os setores de inteligência tratam como “lobos solitários". Ainda que atuando sozinhos, teriam potencial para realizar ações terroristas, mesmo sem estarem formalmente ligados a uma célula terrorista.

— O Brasil não tem célula terrorista atuando e não é um alvo. Mas pode ser, sim, usado como palco de um atentado. E, para isso, grupos terroristas podem usar uma logística existente no país, buscando pessoas simpáticas, os "lobos solitários"— afirmou uma pessoa envolvida na segurança do evento.

TREINAMENTO ESPECIAL

Orientados pela Abin, os responsáveis pela segurança já estão analisando o perfil de todos que trabalharão dentro de instalações olímpicas, nos hotéis que hospedarão delegações e até dos voluntários dos Jogos.

— Estamos treinando funcionários de hotéis, de aeroportos e até taxistas para que essas pessoas possam ser capazes de identificar possíveis ameaças — contou um agente de segurança.

A Abin listou ações executadas para evitar possíveis ataques, como intercâmbio de informações com serviços estrangeiros, capacitação de profissionais de setores estratégicos e trabalhos com órgãos integrantes do Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin). Há dois meses, o nível de exposição das 205 delegações estrangeiras a ameaças de violência, terrorismo e protestos no Brasil durante os Jogos foi avaliado pela Abin. Concluído no início de abril, o trabalho está no “Relatório de sensibilidade das delegações”.

Do total de delegações, 20 apresentaram níveis muito alto ou alto, como Estados Unidos, Canadá e França. O Brasil passou a ocupar o nível considerado alto. Trinta e oito ficaram no médio. As demais 147 delegações estão distribuídas pelos grupos de risco baixo ou muito baixo.


Globo Online | 28-Jun-2016 09:30

Preço do Riocard olímpico causa polêmica

RIO - É uma matemática que pode se mostrar nada vantajosa ao bolso. Futuros espectadores dos Jogos têm chegado a essa conclusão diante dos preços do Riocard especial, à venda desde a semana passada. Durante a competição, o bilhete será o único aceito no BRT Transolímpico (Vila Militar-Recreio) e na Linha 4 do metrô (Ipanema-Barra). É exclusivamente com ele também que passageiros embarcarão em serviços especiais de ônibus que sairão do Jardim Oceânico e de Vicente de Carvalho (esse último pelo caminho do BRT Transcarioca) rumo ao Parque Olímpico. O problema é que o cartão mais barato custa R$ 25, para uso ilimitado por um dia. Valor que pode deixar a viagem até R$ 17,40 mais cara para quem precisar de apenas um ônibus para ir e outro para voltar.

— É muito caro. Já comprei os ingressos, a prefeitura gastou para fazer as obras das arenas... Agora temos que pagar mais essa conta? Acho um absurdo, levando em conta que uma passagem de ônibus custa R$ 3,80 — criticou o fotógrafo Diego Mendes, que sairá de Copacabana para assistir a partidas de basquete e handebol no Parque Olímpico. Mobilidade - 17/06

MAIS ALTERNATIVAS

Além do bilhete de um dia, há outras duas opções: três dias consecutivos (R$ 70) e sete dias (R$ 160). Todos podem ser utilizados ilimitadamente. Mas, segundo o secretário municipal de Coordenação de Governo, Rafael Picciani, nada impede que o público chegue às competições no transporte regular, pagando as tarifas normais, em dinheiro ou com o Bilhete Único Carioca.

É fato que os serviços especiais — os que só aceitam só o Riocard olímpico — serão os mais rápidos e os que deixarão os espectadores mais perto de algumas arenas. No entanto, exemplifica Picciani, se alguém tiver um ingresso para o Parque Olímpico, poderá utilizar os ônibus regulares do BRT Transcarioca, saltar na estação Rio 2 e caminhar alguns metros até a arena:

— O sistema de transportes da cidade vai operar normalmente. Se alguém não quiser comprar o Riocard olímpico, não precisa. Acredito que o carioca vai fazer as contas e saber o que é mais proveitoso. Mas, se decidir utilizar o bilhete da Rio 2016, terá essa opção. Nesse caso, vai ter (serviços com) mais conforto, o que se presume, um custo maior.

Mas na própria página do Riocard no Facebook já surgiram críticas e dúvidas. “Para muitos cariocas não terá sentido adquirir o cartão para ir a apenas um evento em um dia”, escreveu um internauta. Outro lembrou que comprou ingressos para competições em dias alternados, questionando se precisaria, então, obter três bilhetes unitários. Queixas que se multiplicaram nas ruas.

— Comprei entradas do basquete para mim e dois filhos. Se eu quiser usar o metrô da Linha 4, saindo da Zona Sul, precisarei desembolsar R$ 75, para apenas um dia. É inviável — reclamou André Rodrigues.

Por outro lado, Picciani lembra que, em edições do Rock in Rio, cerca de 40 mil pessoas por dia escolheram o cartão do Transporte Primeira Classe do festival, em ônibus executivos. Agora, na Olimpíada, os ônibus especiais serão os articulados do BRT. Mas, com os cartões validados para uso ilimitado, o mesmo Riocard poderá ser usado para outras finalidades, como chegar a uma atração turística ou ir e voltar do trabalho.

EM LONDRES, GRATUIDADE

Apesar de apontar possíveis benefícios do bilhete olímpico, o secretário reconhece que, em Jogos anteriores, como Londres 2012, os ingressos da competição já davam direito aos espectadores usarem o transporte público, sem custo adicional. No Rio, explica Picciani, a multiplicidade de governos e consórcios que administram o sistema prejudicou que se chegasse a um termo parecido. Segundo o ele, então, partiu Comitê Rio 2016 a demanda para criar o Riocard especial.


Globo Online | 28-Jun-2016 09:30

Segurança já começou o ano de 2016 com dívida de quase R$ 1 bilhão

RIO - Mal das pernas agora, com o orçamento contingenciado, a segurança pública do Rio já começou 2016 no vermelho, devendo quase R$ 1 bilhão, revela um levantamento do deputado estadual Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB), feito a pedido do GLOBO. Segundo os números, do orçamento previsto de R$ 10,2 bilhões para 2015, a pasta efetivamente empenhou em despesas liquidadas R$ 9,8 bilhões, mas só pagou R$ 8,9 bilhões e ficou devendo o restante: cerca de R$ 953 milhões.

A PM entrou o ano com a maior dívida, R$ 356,9 milhões, seguida da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), com R$ 193,5 milhões, e da Polícia Civil, com R$ 114,7 milhões. Ao GLOBO, o governador Francisco Dornelles informou que a segurança pública consome, por mês, cerca de R$ 940 milhões e que torcia para que o socorro do governo federal de R$ 2,9 bilhões chegasse o mais rapidamente possível ao estado.

“E NÃO FOR O COLAPSO, ESTAMOS PERTO”

Luiz Paulo frisou que a situação é dramática na segurança. Crise - 27/06

— Se o socorro não chegar agora, rapidamente não haverá mais como a segurança funcionar. Os sintomas estão por toda parte: falta gasolina, os helicópteros estão no chão por falta de manutenção e os policiais, sem dinheiro até para trabalhar. Quem tem sofrido é a população, que está morrendo.

O deputado disse nunca ter visto nada igual na área de segurança no estado.

— Tenho notado que há algum tempo os policiais estão parando, num espécie de greve branca. Se não for o colapso, estamos próximos a ele.

Como tem repetido nos últimos meses, o delegado Fernando Veloso, chefe de Polícia Civil, voltou a dizer ontem que teme pelo colapso da polícia, prejudicando o planejamento para os Jogos Olímpicos. Com cortes no orçamento, contingenciamento de recursos e uma dívida com fornecedores que ultrapassa os R$ 80 milhões, Veloso revelou que seu maior receio é não conseguir manter o funcionamento do coração da Polícia Civil: um sofisticado sistema de informática que interliga todas as 186 delegacias do estado.

Em comparação com o ano passado, o orçamento da Polícia Civil em 2016 já havia sofrido um corte de cerca de 20%. Com o avanço da crise, o governador Luiz Fernando Pezão determinou, em fevereiro, com o decreto 45.569, um enxugamento de 30% no orçamento geral do estado, incluindo o da segurança pública. Como a situação piorou, o governador em exercício Francisco Dornelles anunciou mais cortes. Assim, o orçamento inicial de R$ 10,2 bilhões acabou encolhendo para menos de R$ 5 bilhões.

Em audiência pública realizada na Alerj em março, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, admitiu que a crise estava atrapalhado o planejamento da pasta. Segundo ele, os repasses estavam sendo feitos aos poucos, não permitindo a montagem de uma estratégia a longo prazo. Procurado ontem por meio de sua assessoria, Beltrame não quis falar sobre o assunto. Por causa da crise, veículos blindados (caveirões) deixaram de ser usados. Além disso, todos os três helicópteros da corporação estão no chão: não podem voar por falta de manutenção. Falta até papel higiênico nas delegacias para os policiais.

O sociólogo Ignácio Cano, do Laboratório de Análise da Violência da Uerj, disse acreditar que a crise financeira possa afetar a imagem do Rio durante os Jogos Olímpicos. Segundo ele, no entanto, o impacto na segurança do evento será mínimo:

— Para nós, do Rio, a crise está sendo sentida e permanecerá. Mas ela não terá tanto impacto nos Jogos, porque o policiamento virá. Brasília vai mandar o que for possível. Teremos muitos policiais aqui na segurança ostensiva.

Para reforçar o patrulhamento da cidade durante a Olimpíada, a Secretaria de Segurança planeja mobilizar um efetivo extra de cerca de 25 mil policiais civis, militares e bombeiros, por meio do Regime Adicional de Serviço (RAS), a um custo de aproximadamente R$ 42 milhões. O dinheiro para pagar a hora extra deverá vir dos R$ 2,9 bilhões que o governo federal promete repassar ao estado.

O RAS, conhecido também como “bico oficial”, foi criado em julho de 2012, para remunerar policiais que trabalhem nas suas horas de folga, melhorando o patrulhamento. Em março, com os constantes atrasos nos repasses, das 18 mil vagas oferecidas por mês, apenas 360 estavam sendo efetivamente preenchidas. A Secretaria de Segurança garantiu que a situação estava sendo normalizada.

No início do ano, a Polícia Militar revelou que apenas 2% das vagas oferecidas aos policiais no RAS eram preenchidas. A crise financeira tem sido responsabilizada pelo aumento dos índices de criminalidade no estado, levando o governo a solicitar reforço das Forças Armadas para patrulhar as ruas durante a Olimpíada do Rio, o que inicialmente não estava previsto.

LEIA MAIS:

Paes diz que estado de calamidade não tem relação com Olimpíada

Estado de calamidade exclui ameaça às instalações esportivas

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 28-Jun-2016 09:30

Policiais usam Jogos para dar visibilidade a protestos e são criticados pelo setor de turismo

RIO - Em meio à crise financeira do estado, que atinge todas as categorias, três delas resolveram se juntar para fazer pressão em busca de recursos. Temendo que o orçamento da segurança seja remanejado para outras pastas, com a chegada dos R$ 2,9 bilhões prometidos pela União para a área, policiais civis e militares, além de bombeiros, fizeram na segunda-feira manifestações em diferentes pontos da cidade para reclamar das más condições de trabalho e do atraso no pagamento dos salários. A 38 dias do início dos Jogos Olímpicos, eles aproveitam a proximidade da competição para dar visibilidade ao movimento. No Aeroporto Internacional Tom Jobim, cerca de 30 servidores estenderam um faixa na área de desembarque, em inglês, com um alerta aos passageiros: “Welcome to hell. Police and firefighters don’t get paid. Whoever comes to Rio de Janeiro will not be safe” (“Bem-vindo ao inferno. A polícia e os bombeiros não recebem pagamento. Quem vier para o Rio de Janeiro não estará seguro”).

O aproveitamento político da Olimpíada do Rio foi criticado pelo presidente da Associação Brasileira da Indústrias de Hotéis (ABIH), Alfredo Lopes.

— Acho uma irresponsabilidade um servidor público colocar isso (a faixa com a frase). O turista chega à cidade e vai deixar recursos, movimentar a economia. Expor uma frase dessa na porta de entrada do Rio é quase um ato de terrorismo. É uma atitude chocante, horrível, na véspera de um megaevento. Manifestação tem limite — disse, embora reconheça os problemas enfrentados pelas categorias. — Foi um ato inconsequente,que pode gerar uma mídia negativa no exterior. É mais um golpe na nossa imagem combalida. Estamos perdendo um dos legados que os Jogos podem deixar, que é a nossa imagem. Crise - 27/06

O vice-presidente do Sindicato das Empresas de Turismo no Estado, Luiz Eduardo Amorim, endossou as críticas:

— Isso assusta qualquer pessoa que chegue ao Rio, a porta de entrada do Brasil. Eu ficaria muito apreensivo se fosse recepcionado dessa maneira.

Para o presidente do Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes do Rio (SindRio), Pedro de Lamare, a Olimpíada do Rio está servindo de holofote para os servidores atingidos pela crise:

— Os servidores estão aproveitando o momento para fazer o movimento. A questão é que eles querem protestar debaixo de um holofote. É péssimo para o Rio, para o Brasil e para o nosso setor.

ESQUEMA DE SEGURANÇA REÚNE 85 MIL AGENTES

A segurança dos Jogos não está a cargo apenas das polícias Civil e Militar do Rio. No maior e mais complexo esquema de segurança já empregado num grande evento na história do país, 85 mil homens serão mobilizados durante a Olimpíada. Nas ruas, serão 47 mil (policiais civis, militares e federais, agentes da Força Nacional e da Defesa Civil). Além disso, 38 mil das Forças Armadas estarão protegendo estruturas estratégicas. Do planejamento, constam ainda cerca de 15 mil militares, que estarão de prontidão nos quartéis e poderão ser acionados em caso de colapso na segurança pública.

A União está analisando também um pedido do governo do estado para reforçar o patrulhamento de vias expressas com integrantes das Forças Armadas. Os números ainda não estão fechados, mas é possível que três mil militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica montem guarda na Avenida Brasil e nas linhas Amarela e Vermelha.

O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, pediu ainda que o Tom Jobim e seu entorno passem ao controle das Forças Armadas.

— Podemos assegurar que a segurança está garantida durante os Jogos, inclusive se ocorrer um colapso — disse um oficial envolvido nos preparativos para o evento.

Para o coronel José Vicente da Silva Filho, ex-secretário nacional de Segurança Pública, a tranquilidade da população, das delegações e dos espectadores não estará ameaçada.

— Entendo que, com a entrada nas ruas do contingente militar, se deve ter uma certa garantia de tranquilidade, principalmente nas áreas abrangidas pela Olimpíada. Com as tropas federais nas ruas, os bandidos se intimidam e evitam ações. No entanto, é importante que a tropa não seja totalmente retirada das ruas de uma hora para outra, para que não ocorra um agravamento da situação após os Jogos.

Apesar de não serem os únicos responsáveis pela segurança, policiais vão continuar usando a Olimpíada como moeda de troca. Segundo o presidente da Coligação dos Policiais Civis do Rio, Fábio Neira, na próxima segunda-feira haverá outra manifestação, às 6h, no Aeroporto Internacional:

— Vamos fazer panfletagem. Queremos a integralidade dos salários e o retorno do pagamento no segundo dia útil do mês, porque ele está sendo parcelado e pago a partir do décimo dia útil. Pedimos também o pagamento do RAS (Regime Adicional de Serviço, hora extra) e a volta dos terceirizados.

No protesto de ontem no aeroporto, um dos organizadores, que preferiu não se identificar, disse que o objetivo do movimento é dar visibilidade internacional ao que está acontecendo no Rio:

— Estamos indignados com as péssimas condições de trabalho: escala de serviço massacrante, armamento obsoleto, pistolas que não funcionam, coletes (à prova de balas) vencidos. Não há papel nas delegacias, não há limpeza, não há combustível para as viaturas.

DELEGADOS PARALISAM ATIVIDADES DAS 8H ÀS 16H

Os delegados também aderiram aos protestos. Um grupo cruzou, literalmente, os braços diante da Cidade da Polícia, no Jacaré, onde há 17 delegacias. A paralisação começou às 8h e só terminou às 16h. Nesse período, nenhuma investigação foi feita. Em diversas delegacias do Rio, ontem foram registradas apenas prisões em flagrante e atendidos casos de remoção de cadáver. Na 10ª DP (Botafogo), uma carta colada na porta explicava à população que não há nas unidades água, papel e impressoras. Afirmava ainda que o sistema de inteligência e o banco de dados estavam seriamente ameaçados.

Na segunda-feira, foi enterrado o tenente da PM Denílson Theodoro de Souza, que trabalhava como segurança do prefeito Eduardo Paes. Ele foi baleado durante um assalto na Pavuna. Com o caso dele e o do soldado José Josenilson Alves dos Santos, assassinado anteontem, já são 50 policiais mortos este ano. Lotado na UPP de Manguinhos, o soldado foi atacado no acesso da Rio-Petrópolis à Avenida Brasil, na altura da Favela da Cidade Alta. Na lataria do seu veículo, os bandidos escreveram: “Morre PM”.

LEIA MAIS:

Paes diz que estado de calamidade não tem relação com Olimpíada

Estado de calamidade exclui ameaça às instalações esportivas

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 28-Jun-2016 09:30

Programa aposta na educação do cérebro para emagrecimento

NITERÓI — Com dados cada vez mais alarmantes sobre a obesidade na população brasileira, a busca pelo emagrecimento deixou de ser apenas uma questão estética. De acordo com a Vigitel 2014 (última pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde), o excesso de peso atinge 52,2% da população brasileira, sendo maior entre homens (60,8%) do que entre mulheres (45,4%). Pensando em quem tem compulsão alimentar e enfrenta dificuldades para emagrecer, o psicólogo Roberto Garcia Júnior criou, em 2014, o programa Mente em Forma.

— As pessoas têm as informações sobre como emagrecer, mas não conseguem colocá-las em prática. O peso ideal começa pela mente. O Mente em Forma é um programa de atendimento psicológico para pessoas que desejam alcançar o seu peso ideal, mas enfrentam dificuldades com as dietas. O objetivo é fortalecer a mente, educar os pensamentos e treinar o cérebro para pensar de forma permanentemente saudável — explica.

O atendimento pode ser individual, em grupo ou até on-line. De acordo com o especialista, que tem consultórios em Icaraí, no Centro e no Rio, o tratamento utiliza técnicas da Teoria Cognitiva Comportamental (TCC) — linha de psicoterapia que envolve um conjunto de técnicas terapêuticas com a finalidade de mudar padrões de pensamento.

O psicólogo conta que a motivação para o Mente em Forma surgiu de sua trajetória pessoal:

— A primeira vez que corri foi na Praia de Icaraí. Em três minutos, meu coração bateu tão forte que minha vista escureceu, e eu não consegui mais correr. Eu me senti fracassado. Não conseguia fazer nada, e hoje trago essa mensagem de superação: cheguei a quase cem quilos aos 21 anos.

No Instagram, Roberto Garcia Júnior (encontrado como “menteemforma”) tem mais de 40 mil seguidores.


Globo Online | 28-Jun-2016 09:30

Chip hormonal promete diminuir desconfortos do período menstrual

RIO — Pensar em chips aplicados ao corpo pode parecer assunto de ficção científica. Os pequenos objetos guardam grandes funções e são realidade em consultórios. Um item de aparência frágil tem mostrado seu potencial de ação para melhorar os desconfortos causados pelo ciclo menstrual, principalmente. O chamado chip hormonal combina até seis hormônios liberados gradativamente no organismo, pelo prazo de seis meses a um ano, e promete reduzir cólicas e outros desconfortos do período menstrual, além de servir de método contraceptivo.

O endocrinologista Francisco Tostes, um dos que já trabalham com o chip, ouviu de suas pacientes que ele trouxe outros benefícios. Melhora da pele e do cabelo e mudanças no corpo, com redução da celulite e ganho de massa corporal, deram a ele mais um apelido, o de chip da beleza. Uma das diferenças em relação a métodos como a injeção e o implante anticoncepcionais é a possibilidade da regulagem dos hormônios e sua liberação gradual.

— O perfil de ação do hormônio nesse caso é diferente do que acontece no da injeção, que em algumas mulheres tem efeitos colaterais, como retenção de líquido e dor de cabeça — diz o médico, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

Paciente de Tostes, a personal trainer Raquel Basílio Gonçalves, de 31 anos, usa o chip hormonal há três meses. O médico fez a sugestão quando ela se queixou dos efeitos da tensão pré-menstrual e do ciclo intenso, causadores de cansaço excessivo. Os benefícios apareceram em menos de dois meses, diz ela.

— O meu treino passou a render infinitamente mais. E aumentei a massa magra, porque consigo pegar mais peso. Passo o mês inteiro bem; não tenho uma semana diferente por menstruar. Meu cabelo e minha pele melhoraram e não sinto efeitos colaterais — conta Raquel.

Antes de usar o chip, é preciso passar por uma série de exames, como ultrassonografia mamária e exame de sangue completo. A cliente deve informar se tiver problemas de saúde, estiver grávida ou amamentando. O chip também pode ser usado por homens, para reposição de testosterona, por exemplo.

— As doses e os hormônios são escolhidos de acordo com o efeito colateral que o paciente deseja bloquear, ou o beneficio que busca. A partir disso, também são feitas as associações entre eles — explica Tostes.

O procedimento é feito no consultório, com anestesia local no braço ou no glúteo, onde o chip é aplicado. O valor varia de R$ 2 mil a R$ 3 mil.


Globo Online | 28-Jun-2016 09:30

Portal lança cartaz para localizar envolvidos no resgate de traficante

RIO — O Portal dos Procurados divulgou, nesta segunda-feira, o cartaz com as fotos de dois bandidos envolvidos no resgate do traficante Nicolas Fabre Pereira de Jesus, o Fat Family, de dentro do Hospital Souza Aguiar, no Centro, no último dia 19. Seis dias antes da invasão à unidade, Neversino Garcia de Jesus, o Garcia do Vidigal, e Marcos Vinicius Ferreira da Silva, o MV, participaram do confronto com policiais da Delegacia de Combate as Drogas, que resultou na prisão de Fat Family.

A Justiça decretou a prisão preventiva Fat Family e outras quatro pessoas, nesta segunda-feira. São elas: Fabiano Juvenal da Silva, o Jabá; Luiz Alberto Araújo da Silva, o Bolão; ambos já estão presos, e Marcus Vinícius Ferreira da Silva e Neversino Garcia de Jesus, ainda foragidos, junto com o traficante Fat Family. Os cinco foram indiciados pelos crimes de tentativa de homicídio, associação para o tráfico e porte ilegal de arma de uso restrito.

O Portal dos Procurados oferece uma recompensa de R$ 3 mil por informações que levem à prisão do traficante Nicolas Fabre Pereira de Jesus, o Fat Family. Quem tiver informações sobre a localização dos foragidos pode denunciar pelos seguintes canais: Whatsapp ou Telegram dos Procurados (21) 96802-1650; pelo facebook (inbox) endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/ ou pelo telefone do Disque-Denúncia (21) 2253-1177.


Globo Online | 28-Jun-2016 04:05

Justiça decreta prisão preventiva de Fat Family e de outros quatro criminosos

RIO - Após o indiciamento e pedido de prisão preventiva feito pelo delegado Felipe Curi, titular da Delegacia de Combate às Drogas(DCOD), a Justiça decretou a prisão preventiva de Nicolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family, Neversino Garcia de Jesus, o Nezinho do Vidigal ou Garcia, Fabiano Juvenal da Silva, o Jabá, Luiz Alberto Araújo da Silva, o Bolão e de Marcus Vinícius Ferreira da Silva. Todos foram indiciados pelos crimes de tentativa de homicídio, associação para o tráfico e porte ilegal de arma de uso restrito.

No dia 13 de junho, em operação policial realizada pela DCOD, no Morro Santo Amaro, no Catete, Jabá, Bolão e Fat Family foram presos em flagrante por policiais da Especializada. Fat Family foi baleado pelos agentes e socorrido para o Hospital Souza Aguiar. Também participaram do confronto Marcus Vinicius e Garcia, o qual foi o responsável por planejar e liderar o bando que resgatou Fat Family do Hospital, no dia 19 de junho.

O resgate do traficante teve diversos criminosos envolvidos e resultou na morte de Ronaldo Luiz Marriel de Souza, filho de um oficial da Marinha que chegava na unidade para atendimento em companhia de um amigo Policial Militar. O PM e um enfermeiro também foram atingidos por tiros e estão internados na unidade. O estado de saúde do policial é estável, já o profissional de saúde está em estado grave. Resgate Fat Family - 24/05

Após o episódio, 15 presos envolvidos no resgate, foram transferidos para presídios federais fora do estado, após determinação do juiz titular da Vara de Execuções Penais, Eduardo Oberg. Entre os transferidos está o traficante Edson Pereira Firmino de Jesus, conhecido como Zaca, tio de Fat Family.

LEIA MAIS:

Bandidos invadem escola e assaltam professores e alunos na Zona Norte

Polícia identifica dois integrantes de grupo que resgatou traficante em hospital de Niterói

Criança e PM morrem em tentativa de invasão do fórum de Bangu


Globo Online | 27-Jun-2016 23:15

Funcionários denunciam falta de estrutura em delegacias do Rio

RIO - A crise financeira do estado que motivou o protesto de delegados nesta segunda-feira se reflete na qualidade do atendimento nas delegacias da cidade. Em algumasdelas não há mais recepcionistas para fazer o primeiro atendimento ao público, falta manutenção preventiva nos prédios e toner para imprimir cópias de boletins de ocorrência. Em algumas delegacias, os funcionários pagam do próprio bolso para que alguém faça a limpeza já que as empresas prestadoras de serviço deixaram de enviar serventes, alegando falta de pagamento.

Das 8h às 16h, as delegacias só registraram prisões em flagrante ou atenderam a casos de remoções de cadáver. Na recepção, muitas exibiam nos balcões cópias de uma Carta Aberta à População na qual denunciavam a falta de verbas bem como os salários atrasados. Na 10ª DP (Botafogo), o documento foi colado na porta da entrada.

- A Empresa de Obras Públicas (Emop) visitou várias vezes a delegacia para fazer um levantamento das obras necessárias. O plano era reformar a Delegacia para as Olimpíadas. Mas nada aconteceu. A situação é crítica - contou uma funcionária da 15ª DP (Gàvea). Crise - 27/06

Os sinais de abandono desta delegacia são visíveis. Para chegar ao setor de identificação de suspeitos, os agentes têm que passar por corredores com piso solto e buracos no teto. A sala cheira a mofo. De acordo com os funcionários, quando chove, goteiras se multiplicam. As instalações elétricas ainda resistem razoavelmente graças a solidariedade de comerciantes de um shopping próximo, que enviam um eletricista para fazer a manutenção.

- As impressoras estão paradas por falta de toner e papel. Estamos enviando as cópias de ocorrências por e-mail. Caso a pessoa deseje uma cópia na hora,pedimos que ela traga a tinta e o papel - relata um funcionário.

Na 14ª DP (Leblon), metade das lâmpadas da área de espera do público estão apagadas por falta de material para reposição. Sem limpeza, os banheiros foram interditados. Lá a situação da falta de material se repete.

- Boletim de ocorrência só por e-mail. Nós chegamos a pegar uma impressora emprestada na 13ª DP (Copacabana), mas o toner acabou há duas semanas - contou um agente.

A falta de insumos também se repetia no prédio ao lado, onde funciona a Delegacia Especial de Atendimento ao Turista (Deat).

No Centro do Rio, a falta de manutenção fez surgir buracos no telhado da 5ª DP (Mem de Sá) onde também não há insumos para trabalhar. Na 6ª DP (Cidade Nova), os agentes resolveram contratar uma servente por conta própria. Na definição de um policial, todos estão trabalhando no"osso":

- Temos três computadores com defeito, sem previsão de reparos. Temos três viaturas à disposição, mas como o combustível está racionado, as saídas estão limitadas - contou.

PROTESTO NO CENTRO DO RIO

Cerca de 500 policiais civis do estado realizaram uma manifestação, na tarde desta segunda-feira, no Centro do Rio. O grupo caminhou da sede da chefia da Polícia Civil, na Rua Gomes Freire, até o prédio da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Mais cedo, agentes penitenciários do Complexo de Gericinó, em Bangu, realizaram uma mobilização na entrada do local. Eles revistam todos os visitantes e veículos de funcionários dos presídios que entram pelos portões, além de bolsas destinadas à custódia, com o auxílio de scanners. Com isso, nesta manhã, longas filas se formaram na porta do complexo, tanto de visitantes, quanto de veículos.

No Galeão, um grupo de bombeiros e policiais civis e militares fizeram um protesto na manhã desta segunda-feira dentro do terminal 2, na área de desembarque do aeroporto, na Ilha do Governador. Com salários atrasados, os servidores reclamam das péssimas condições de trabalho. Os cerca de 30 manifestantes saíram por volta de 8h da Praia de São Bento, na Ilha do Governador, e caminharam até o aeroporto, carregando duas faixas. Uma delas, em inglês, trazia a mensagem: “Welcome to hell” (Bem vindo ao inferno).

LEIA MAIS:

Paes diz que estado de calamidade não tem relação com Olimpíada

Estado de calamidade exclui ameaça às instalações esportivas

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 27-Jun-2016 23:14

Vídeo flagra furto de LED em estação do BRT

RIO - No mesmo fim de semana em que houve depredação na estação Gastão Rangel, em Santa Cruz, um criminoso roubou lâmpadas de LED na estação Prefeito Alim Pedro, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. As imagens do circuito interno do BRT Rio mostram quando o homem retira o material luminoso sem se preocupar com a presença de outros passageiros.

Vídeo flagra ação de ladrões em estação do BRTEste é o 57º furto de LED registrado somente este ano pelo Consórcio Operacional, um prejuízo de cerca de R$ 900 mil. Em quase 95% dos casos, os bandidos levam as fitas de LED que ficam do lado de fora, onde o articulado estaciona para o embarque e desembarque de usuários.

OUTRAS ESTAÇÕES DEPREDADAS

No mês passado, os alvos foram as estações Gramado e Campo Grande, do corredor Transoeste. O prejuízo causado pelos roubos é alto. Em média, o BRT Rio gasta para repor as fitas de LED, em cada estação, entre R$ 16 mil (quando é na parte externa) e R$ 20 mil (quando é na parte interna). O roubo deste fim de semana será registrado na 35ª DP (Campo Grande). As imagens serão colocadas à disposição da polícia.


Globo Online | 27-Jun-2016 23:02

Carro fica destruído em acidente com quatro mortos na Niterói-Manilha

RIO - Um acidente ocorrido na rodovia Niterói-Manilha, na manhã desta segunda-feira, deixou quatro mortos e duas pessoas feridas. Às 6h25m, um Polo azul bateu na traseira de um ônibus da Rio Ita, na altura de Jardim Catarina. Devido ao impacto, quase metade do carro ficou esmagada, imprensada no coletivo, que fazia o trajeto Venda das Pedras-Niterói.

Segundo a concessionária Autopista Fluminense, que administra a via, os quatro mortos estavam no automóvel. Os feridos receberam socorro e foram liberados no local.

Duas faixas da estrada ficaram bloqueadas para o atendimento por aproximadamente quatro horas. O congestionamento chegou à região de Guaxindiba. As faixas foram liberadas às 10h10m, após o trabalho da perícia.

O Polo foi removido para o posto da Polícia Rodoviária Federal.


Globo Online | 27-Jun-2016 22:59

Butantan fecha parceria e prevê testes de vacina contra zika em 2017

SÃO PAULO - O Instituto Butantan, responsável pelo desenvolvimento de uma vacina contra o víruz zika, receberá um aporte de US$ 3 milhões de um órgão do Ministério da Saúde dos Estados Unidos. O financiamento tem como objetivo a expansão da capacidade de pesquisa e produção de vacinas para o zika no Brasil. Zika - 16/06

O repasse se dará por meio de acordo entre a Barda, sigla em inglês para Autoridade Biomédica de Desenvolvimento e Pesquisa Avançada, órgão do Ministério da Saúde americano. Os recursos serão investidos em equipamentos e insumos para o desenvolvimento contra a doença. Além disso, o acordo prevê cooperação entre os especialistas em vacinas da Barda e os pesquisadores do Instituto Butantan. De acordo com o Instituto Butantan, a expectativa é de que a vacina esteja disponível para testes em humanos já no primeiro semestre de 2017.

O Instituto Butantan já trabalha em um tipo de vacina, com o vírus inativado. Segundo Jorge Kalil, diretor do instituto, esse tipo de vacina tem desenvolvimento científico e tecnológico mais rápidos. Como o vírus está inativado na vacina, ou seja, não tem capacidade de infecção, sua aprovação pelos órgãos reguladores, como a Anvisa, também é facilitado. Atualmente, após trabalharem no processo de cultura, rendimento, purificação e inativação do vírus em laboratório, os pesquisadores trabalham no estágio de imunização do vírus inativado em roedores. A partir de agora, a pesquisa terá como foco testes de toxidade do produto em animais e análise de uma área industrial para sua produção.


Globo Online | 27-Jun-2016 22:04

Policiais Civis fazem manifestação no Centro do Rio

Policiais civis fecham delegacias e fazem manifestação no Centro do Rio

RIO - Cerca de 500 policiais civis do estado realizaram uma manifestação, na tarde desta segunda-feira, no Centro do Rio. Eles reclamam de falta de condições de trabalho. O grupo caminhou da sede da chefia da Polícia Civil, na Rua Gomes Freire, até o prédio da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Como parte do protesto, as delegacias do estado suspenderam o registro de ocorrências. Crise - 27/06

- Este ato é um grito de socorro. No Brasil, a polícia investigativa não é valorizada, fica em segundo plano. A quem interessa uma polícia investigativa fraca? Essa é, portanto, uma pauta da sociedade. A viatura não tem manutenção, falta helicóptero, além de coisas básicas. Como pode uma delegacia sem água, sem papel higiênico? Não temos hospital, não temos plano de saúde, o estado não fornece, e os salários estão sendo parcelados. Por mês, temos a certeza que um policial vai morrer, mas não temos a certeza que o pagamento vai estar na conta - reclama o presidente do sindicado dos delegados Rafael Barcia.

Em uma carta aberta à população, o Sindicato dos Delegados do Rio (Sindelpol) afirma que não há condições de trabalho na Polícia Civil, e que o protesto acontece pela "absoluta impossibilidade de atender aos cidadãos e prosseguir com as investigações de crimes que atingem diariamente o povo do nosso estado". Agoniados com a situação precária que vivem as delegacias do Rio, delegados de polícia fizeram uma paralisação nesta segunda-feira, na Cidade da Polícia. Eles ficaram de braços cruzados e as investigações foram paralisadas.

Além dos delegados, inspetores de polícia e comissários também aderiram à paralisação. Apenas serviços de urgência, como perícias, foram realizados.

- O que queremos é o pagamento dos salários, porque a situação está insustentável. Não estamos reivindicando aumento - disse Denilson Antônio Magnnani, inspetor da Core.

Segundo o presidente da Coligação dos Policiais Civis do Rio, Fábio Neira, na próxima segunda-feira está marcada outra manifestação, às 6h, no Aeroporto Internacional Tom Jobim:

- Estamos cumprindo parte do que foi referendado da nossa assembleia, na semana passada, em que foram organizados alguns movimentos. No Galeão vamos fazer panfletagem e, dia 6, será feito um balanço destes atos na Cidade da Polícia - disse Fábio, elencando as principais reivindicações da categoria - Queremos a Integralidade dos salários e o retorno do pagamento no segundo dia útil, porque ele está sendo parcelado a partir do décimo dia útil. Pedimos também o pagamento do Ras e a volta dos terceirizados.

AGENTES PENITENCIÁRIOS E BOMBEIROS TAMBÉM PARALISAM ATIVIDADES

Mais cedo, agentes penitenciários do Complexo de Gericinó, em Bangu, realizaram uma mobilização na entrada do local. Eles revistam todos os visitantes e veículos de funcionários dos presídios que entram pelos portões, além de bolsas destinadas à custódia, com o auxílio de scanners. Com isso, nesta manhã, longas filas se formaram na porta do complexo, tanto de visitantes, quanto de veículos.

A chamada “Operação Dentro da Lei’, como os agentes intitulam o movimento, é baseada na Lei 7010, de 25 de maio de 2015, que dispõe sobre o sistema de revista de visitantes nos estabelecimentos prisionais do estado. Ela considera visitante todo aquele que ingressa no estabelecimento prisional para manter contato direto ou indireto com o detento ou para prestar serviço de administração ou de manutenção, e obriga a submissão de todos os visitantes a revista mecânica. Agentes também levaram cartazes e placas para o portão do complexo penitenciário.

No Galeão, um grupo de bombeiros e policiais civis e militares fizeram um protesto na manhã desta segunda-feira dentro do terminal 2, na área de desembarque do aeroporto, na Ilha do Governador. Com salários atrasados, os servidores reclamam das péssimas condições de trabalho. Os cerca de 30 manifestantes saíram por volta de 8h da Praia de São Bento, na Ilha do Governador, e caminharam até o aeroporto, carregando duas faixas. Uma delas, em inglês, trazia a mensagem: “Welcome to hell” (Bem vindo ao inferno).

LEIA MAIS:

Paes diz que estado de calamidade não tem relação com Olimpíada

Estado de calamidade exclui ameaça às instalações esportivas

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 27-Jun-2016 21:00

Sem condições de trabalho, delegados paralisaram atividades nesta segunda

RIO - Agoniados com a situação precária que vivem as delegacias do Rio, delegados de polícia fazem uma paralisação nesta segunda-feira. Desde as 8h, eles estão de braços cruzados e as investigações paradas. A paralisação está marcada para terminar no fim da tarde. Crise - 27/06

Em uma carta aberta à população, o Sindicato dos Delegados do Rio (Sindelpol) afirma que não há condições de trabalho na Polícia Civil, e que o protesto acontece pela "absoluta impossibilidade de atender aos cidadãos e prosseguir com as investigações de crimes que atingem diariamente o povo do nosso estado".

Os delegados estão reunidos da Cidade da Polícia, no Jacarezinho, Zona Norte. Um grupo de policiais também realiza uma manifestação em frente à sede da Polícia Civil, na Rua da Relação, no Centro. Eles pretendem realizar uma passeata até a Alerj. Às 16h, está programada uma reunião com o chefe de polícia, Fernando Veloso.

Além dos delegados, inspetores de polícia e comissários também aderiram a paralisação. Apenas serviços de urgência, como perícias, eram foram realizados. De acordo com o presidente do Sindicato dos Delegados do Rio, Rafael Barci, o protesto foi um grito de socorro.

— O que nos temos visto é uma polícia judiciária investigativa sucateada. Uma instituição onde falta tudo, de salário a material de higiene, manutenção de viatura e de armamento. A certeza que nós temos é que todo dia morre um policial, o que é incerto é o pagamento no final do mês.

MANIFESTAÇÃO DE AGENTES PENITENCIÁRIOS E BOMBEIROS

Mais cedo, agentes penitenciários do Complexo de Gericinó, em Bangu, realizaram uma mobilização na entrada do local. Eles revistam todos os visitantes e veículos de funcionários dos presídios que entram pelos portões, além de bolsas destinadas à custódia, com o auxílio de scanners. Com isso, nesta manhã, longas filas se formaram na porta do complexo, tanto de visitantes, quanto de veículos.

A chamada “Operação Dentro da Lei’, como os agentes intitulam o movimento, é baseada na Lei 7010, de 25 de maio de 2015, que dispõe sobre o sistema de revista de visitantes nos estabelecimentos prisionais do estado. Ela considera visitante todo aquele que ingressa no estabelecimento prisional para manter contato direto ou indireto com o detento ou para prestar serviço de administração ou de manutenção, e obriga a submissão de todos os visitantes a revista mecânica. Agentes também levaram cartazes e placas para o portão do complexo penitenciário.

No Galeão, um grupo de bombeiros e policiais civis e militares fizeram um protesto na manhã desta segunda-feira dentro do terminal 2, na área de desembarque do aeroporto, na Ilha do Governador. Com salários atrasados, os servidores reclamam das péssimas condições de trabalho. Os cerca de 30 manifestantes saíram por volta de 8h da Praia de São Bento, na Ilha do Governador, e caminharam até o aeroporto, carregando duas faixas. Uma delas, em inglês, trazia a mensagem: “Welcome to hell” (Bem vindo ao inferno).

LEIA MAIS:

Paes diz que estado de calamidade não tem relação com Olimpíada

Estado de calamidade exclui ameaça às instalações esportivas

Governo quer dar Bilhete Único apenas a isentos de IR

Ilha de Brocoió tem casarão tombado, mas que se deteriora sem os cuidados

Corte de despesas na Justiça gera polêmica entre magistrados

Estado estuda parcelar salários dos servidores

‘Calendário do 1º semestre da Uerj está totalmente comprometido’, diz reitor

Despesas do estado com servidores requisitados triplicaram

Inadimplência do estado ameaça conclusão de obras do metrô para os Jogos


Globo Online | 27-Jun-2016 20:17