rio-de-janeiro

Noticias

Bomba de gás lacrimogêneo estoura dentro de blindado da PM

RIO - O alvo era um grupo que depredava um canteiro de obras nos arredores da Assembleia Legislativa, ontem, no Centro do Rio. No entanto, o arremesso malfeito de uma bomba de gás lacrimogêneo acabou deixando policiais militares numa situação inusitada, que até despertou uma espécie de solidariedade de manifestantes que protestavam na região. O artefato, lançado de dentro de um blindado, bateu na borda da porta e explodiu no interior do veículo, que foi tomado pela fumaça. Cerca de dez PMs saíram do caveirão atordoados, alguns passando mal.

O incidente ocorreu por volta das 16h, na Avenida Nilo Peçanha. Durante cerca de 15 minutos, os policiais viveram momentos de agonia e desespero. A porta do blindado foi aberta rapidamente para ajudar na ventilação do veículo. Com as mãos nos olhos e tossindo muito, os PMs ficaram andando pela rua, até o efeito do gás passar.

Os manifestantes que quebravam o canteiro pararam para assistir à cena, incrédulos. No entanto, após a recuperação dos PMs, ao local voltou a ser palco de conflito.


Globo Online | 07-Dez-2016 21:54

Estado tenta ajuda da União para a área de segurança

RIO — Integrantes do governo estadual e parlamentares da bancada federal do Rio em Brasília estão preparando um projeto para obter, da União, uma ajuda emergencial de R$ 5 bilhões a R$ 7 bilhões para a área de segurança. Segundo fontes do Executivo fluminense, a ideia é criar uma proposta modelo de ajuda que possa beneficiar também outros estados em crise. Por enquanto, o texto está sendo estudado de forma a que se chegue a uma solução viável constitucionalmente. A iniciativa ainda não tem o aval do governo federal.

Na Alerj, deputados estaduais que apoiam o governo dizem que o projeto é a única forma de o Rio chegar ao fim do ano sem o caos na área de segurança. Segundo interlocutores do Executivo fluminense, os salários dos servidores do setor dificilmente serão pagos no décimo dia útil do mês, o que pode agravar protestos e acabar em greve.

O deputado federal Hugo Leal (PSB) contou que o governador Luiz Fernando Pezão discutiu com a bancada do Rio em Brasília, na terça-feira, a necessidade da ajuda.

— Só não estourou ainda porque o estado recebeu, em julho, os R$ 3 bilhões relativos à Olimpíada. O Rio precisa de mais recursos. O foco da bancada é tentar consegui-los, para a área da segurança e também para a da saúde, que estão mais sensíveis — disse Hugo Leal. — O governador disse que é melhor receber recursos, por uma espécie de convênio, do que um auxílio da Força Nacional.

Na Alerj, muitos deputados foram ao plenário defender a ajuda federal.

— Ou o governo federal nos ajuda ou o Rio em pouco tempo vai para o buraco — disse André Corrêa (DEM).


Globo Online | 07-Dez-2016 21:15

Pezão diz que salário de dezembro de servidores da Justiça e 13º deles serão pagos com fundo do TJ

BRASÍLIA - O governador Luiz Fernando Pezão revelou ao GLOBO que um acordo firmado entre o governo do estado e o Tribunal de Justiça vai permitir o pagamento de dezembro dos servidores do TJ assim como o décimo-terceiro salário deles com o duodécimo (valor repassado mensalmente ao tribunal) de novembro. O consenso foi obtido numa audiência de conciliação no Supremo Tribunal Federal (STF). Representantes do governo - com a presença de Pezão - e do tribunal - com a presença do presidente do TJ do Rio, Luiz Fernando Carvalho - ficaram frente à frente na mesa de reunião discutindo o assunto e tentando um acordo, que só veio, após mais de três horas, durante o intervalo

- O acordo foi avalizado pelo ministro Toffoli, de repassar o duodécimo de novembro. Para dezembro e o pagamento do 13º, eles (Tribunal de Justiça) utilizarão o fundo deles, que tem na Justiça, para o pagamento. Depois, pagaremos durante o ano ao tribunal. Para o estado, foi muito bom - disse Pezão.

O acordo será conhecido na íntegra nesta quarta-feira. O governador afirmou também que, no acordo, Toffoli autorizará o tribunal a usar esse fundo para pagamento de pessoal.

Ao anunciar o acordo, Toffoli disse que apresentou uma proposta de solução para resolver a situação emergencial das finanças do Rio e que algumas dificuldades ainda precisam ser superadas.

- Vamos ter que reduzir isso (o acordo) em ata, diante do que foi apresentado por mim, a fim de superar os problemas legais em razão de normas locais. Vai ficar coberto por decisão judicial, com a concordância do Ministério Público da União (que manifestou estar de acordo). A sugestão é retormarmos à tarde, com meu juiz auxiliar, que conduzirá a ata da sessão que homologará acordo. E, nesse período, procuradores, assessores e representantes finalizam o que constará em ata - explicou Toffoli.

Durante a tentativa de acordo, os dois lados colocaram suas dificuldades financeiras. A subsecretária da Secretaria de Fazenda do governo, Ligia Ourives, relatou que o estado está sem dinheiro para arcar com despesas de alimentação de presidiários e combustível para as polícias Civil e Militar.

- A situação é desoladora - disse Ourives.

O desembargador Camilo Ruliere, do TJ, afirmou que a folha de pagamento dos servidores do tribunal é de R$ 230 milhões e que o fundo especial tem em caixa R$ 1,2 bilhão. Ele contou que uma das principais fontes de custeio do tribunal, o que o cidadão paga com as despesas processuais, está caindo.

O defensor-público-geral do Estado, André Castro, afirmou que a situação financeira do Rio é "absolutamente dramática".

- A situação prisional e da saúde é gravíssima - disse Castro.

O presidente do TJ preferiu aguardar a oficialização do acordo para se manifestar.


Globo Online | 07-Dez-2016 17:16

Aprovado fim da isenção da tarifa da barca de Paquetá e da Ilha Grande para moradores

RIO - O projeto que extingue a isenção da tarifa das barcas para moradores de Paquetá e Ilha Grande foi aprovado, na tarde desta quarta-feira, em votação nominal na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O texto, entretanto, sofreu grandes mudanças. links votação ajuste 07/12

Passageiros que são isentos de Imposto de Renda continuarão sem precisar pagar a passagem. Os demais precisarão pagar 50% da tarifa do transporte aquaviário. Os parlamentares participam do segundo dia de votações das medidas anticrise.

MAIS DOIS PROJETOS APROVADOS

O primeiro projeto, votado na sessão extraordinária das 13h desta quarta-feira, também foi aprovado por votação nominal. Foram 26 votos a favor do texto que reduz de 40 para 15 salários mínimos o limite para pagamentos, em dinheiro, de pequenas dívidas do estado decorrentes de decisão judicial. A proposta recebeu 23 votos contra. As bancadas do Psol e do PDT votaram contra o projeto porque prejudicaria, por exemplo, pessoas que o estado deve indenizar por causa de uso da violência policial. Graças a uma emenda, o texto, entretanto, só valerá até 31 dezembro de 2017.

Também foi aprovado, sem grandes polêmicas, o Projeto de Lei que proíbe a concessão de anistia tributária, pelos próximos dez anos, aos devedores de impostos.


Globo Online | 07-Dez-2016 17:06

Incêndio em carro interdita parcialmente pista lateral da Avenida Brasil, sentido Centro

RIO - O Centro de Operações da Prefeitura informa que a pista lateral da Avenida Brasil está parcialmente interditada, na altura de Bonsucesso, sentido Centro, após incêndio em um veículo. Os motoristas encontram retenções desde Cordovil.

Inicialmnete, a pista ficou totalmente bloqueada.

De acordo com o Centro de Operações Rio (COR), da prefeitura, o tráfego está sendo desviado pela pista central, que apresenta trânsito intenso no local.

Motoristas podem optar pela Linha Vermelha. Agentes da CET-Rio atuam na via.


Globo Online | 07-Dez-2016 16:58

PM deixa arma cair ao lançar bomba de gás durante protesto

RIO - Na confusão que se formou durante protesto nos arredores da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), nesta terça-feira, um policial militar deixou a arma cair no chão, ao arremessar uma bomba de gás. A cena foi flagrada por George Moisés Almeida, de 21 anos, que é funcionário de um restaurante da Rua da Assembleia. Ele gravou um vídeo pela fresta da porta mostrando parte da ação de PMs, que entraram na Rua da Assembleia com um veículo blindado. Policial deixa cair pistola ao lançar bomba de gás lacrimogêneo

O protesto de centenas de servidores contra o pacote de medidas do governo se transformou num tumulto generalizado, com confronto intenso entre policiais e manifestantes, que se estendeu da região onde fica o Palácio Tiradentes até o Largo da Carioca.

Policiais entraram na Igreja de São José, ao lado do Palácio Tiradentes, e dispararam tiros de bala de borracha e bombas contra os manifestantes. Durante o protesto, vidraças e luminárias foram quebradas. Os prejuízos ao patrimônio da irmandade ainda não contabilizados.

Segundo a Polícia Militar, 11 agentes ficaram feridos e nove pessoas foram presas. “A Polícia Militar repudia a violência e conta com a colaboração da sociedade para a melhoria do serviço prestado”, conclui a nota.


Globo Online | 07-Dez-2016 16:16

Deputados assinam moção de agradecimento a policiais por atuação no protesto na Alerj

RIO - Os deputados estaduais Jorge Picciani (PMDB), Edson Albertassi (PMDB), Milton Rangel (DEM) e outros parlamentares assinaram uma moção de agradecimento à Polícia Militar pela ação de ontem. “Esses agentes agiram de forma correta e dentro de suas atribuições constitucionais”, diz o texto. Protesto Alerj - 07/12

A moção diz ainda que os PMs “agiram conforme a lei determina, com materiais não letais, em conformidade com o princípio do uso da força. Liderada por uma minoria de servidores públicos e muitos infiltrados, uma manifestação pacífica e democrática pulverizou-se pelo Centro, e deixou um rastro de destruição, afetando o funcionamento dos transportes públicos, causando o fechamento do comércio, de importantes vias de circulação e, consequentemente, cerceando o livre direito de ir e vir da população”.

O presidente da Casa e autor da mensagem de agradecimento aos PMs, Jorge Picciani, disse que os manifestantes estavam “armados com centenas de morteiros”:

— Pegou fogo no prédio. Se se alastrasse, poderia ter atingido dezenas de pessoas.

De acordo com o texto, “diversos segmentos do funcionalismo têm buscado os corretos caminhos do diálogo e não concordam com esse comportamento inaceitável’.

Para os deputados, “não fosse a ação diligente dos bombeiros, comprometidos com sua missão, com auxílio da segurança da Casa, uma tragédia de grandes proporções poderia ter ocorrido no Palácio Tiradentes, onde começou um princípio de incêndio causado por causa de um rojão arremessado pelos manifestantes”.

A repercussão da manifestação desta terça-feira domina a Alerj. Os deputados se dividem entre os que defendem e repudiam a ação da PM. Cidinha Campos (PDT), disse que os policiais reagiram “com toda a tranquilidade dando tiros de bala de borracha”:

— Queria agradecer a PM, os bombeiros e a Polícia Civil. Quando eles foram agredidos, reagiram com toda a tranquilidade, com armas não letais, dando tiros de bala de borracha. Tem muito deputado que reclama da PM, mas na hora que o gás entra e a bomba estoura só falta se esconder debaixo da mesa.

PEDIDOS DE DESCULPAS À ARQUIDIOCESE

Na manhã desta quarta-feira, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Wolney Dias, pediu desculpas ao arcebispo do Rio, cardeal dom Orani Tempesta pela invasão de policiais à centenária Igreja de São José, durante protesto nesta terça-feira na Assembleia Legislativa (Alerj). Os dois se reuniram para um café da manhã nesta quarta-feira no Palácio São Joaquim, residência oficial do arcebispo. A primeira-dama do estado, Maria Lúcia Horta Jardim, também falou com dom Orani.

Em Brasília, o governador Luiz Fernando Pezão lamentou a entrada dos PMs na igreja e e disse que vai falar pessoalmente com dom Orani quando chegar ao Rio.

Votação na Alerj transforma Centro em praça de guerra

Campo de batalha no Rio Imediações da Alerj viram praça de guerra durante protesto

De dentro da Alerj, rojões e confusão por votação


Globo Online | 07-Dez-2016 15:10

Lei para que presos comprem tornozeleiras é sancionada

RIO - A partir de agora, na falta de tornozeleiras, os presos do sistema carcerário do estado do Rio podem optar pela compra do dispositivo utilizado para rastreamento eletrônico para o cumprimento de penas nos regimes aberto e semiaberto. Depois, o equipamento deverá ser doado ao Poder Executivo para ser utilizado pelo sistema. De autoria do deputado Dionísio Lins (PP), a lei n° 7499 foi sancionada nesta quarta-feira pelo governador Luiz Fernando Pezão.

O monitoramento pode ser feito através do uso de bracelete, tornozeleira ou chip subcutâneo. Os custos do sistema utilizado também serão do preso. Só ficará isento da compra do equipamento quem comprovar legalmente não ter condições financeiras através de um atestado cartorial concedido pela Justiça.

De acordo com o parlamentar, o estado passa hoje por um momento muito delicado em sua economia, não tendo condições de efetivar a compra do número necessário de equipamentos de rastreamento de presos para atender suas necessidades. Com a compra do equipamento pelo apenado, a verba referente ao pagamento das tornozeleiras será destinada para a saúde, educação, segurança e até na contribuição do pagamento do salário de servidores.

— Concordo que alguns apenados realmente não tenham condições financeiras, mas seus advogados ou familiares com certeza podem ajudar na compra do equipamento que hoje custa em torno de R$ 220. Isso vale para aquele condenado considerado de baixa periculosidade pela Justiça, e tendo ele bom antecedente, pode e deve ser colocado em liberdade com o devido monitoramento para cumprir o restante de sua pena trabalhando e se ressocializando. O projeto não se aplica aos demais casos — disse o parlamentar.

Segundo Dionísio, hoje o sistema carcerário tem capacidade para cerca de 27 mil presos, mas conta com quase 50 mil, sem contar com um gasto mensal de 2 mil com cada apenado.

De acordo com a Secretaria estadual de Assistência Penitenciária (Seap), em setembro desde ano mais de 1,2 mil presos passaram a prisão domiciliar sem serem monitorados.


Globo Online | 07-Dez-2016 14:15

Tumulto durante protesto na Alerj deixa rastro de destruição

RIO - O revide de manifestantes aos ataques de policiais militares com tiros de balas de borracha, lançamento de bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral das janelas da Igreja de São José, ao lado do Palácio Tiradentes, causou prejuízos ainda não contabilizados ao patrimônio da irmandade. Pelo menos quatro luminárias da fachada da igreja de 410 anos foram destruídas, além de uma vidraça. Protesto Alerj - 07/12

O portão de acesso à Travessa da Natividade, junto à igreja, também foi destruído. Na manhã desta quarta-feira, funcionários de uma loja que fica na via trabalhavam no reparo do portão, que foi arrombado por manifestantes.

Na Rua da Assembleia, o rastro do vandalismo praticado na terça-feira ainda era visível nesta manhã. Vidros de algumas portas de uma agência do Bradesco e duas agências do banco Santander estavam sendo repostas. Ainda havia cacos de vidro na calçada sendo retirados com vassouras por funcionários insatisfeitos com a violência na manifestação.

— Poxa, uma coisa é reclamar por direitos e se manifestar contra o pacotão. Outra é esse vandalismo. Eles perdem a razão assim — reclamou um funcionário que varria cacos de vidro na calçada da Rua da Assembleia, palco de muitos confrontos na terça-feira.

Manifestantes também atacaram o prédio do antigo Banerjão, na Avenida Nilo Peçanha, que está em obras para receber o centro administrativo da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Pelo menos 20 janelas foram perfuradas por pedradas e estavam sendo repostas na manhã desta quarta-feira. O trator que foi incendiado ainda permanece no canteiro de obras. E os tapumes de aço que foram arrancados no tumulto estavam sendo recolocados também. A construtora JL ainda não estimou o valor do prejuízo. Os estragos após protestos no Centro do Rio

Trabalhadores que passam pelo Centro da cidade observam o policiamento reforçado no entorno da Alerj. Há um blindado estacionado na Rua São José, ao lado da igreja homônima. Policiais permanecem desde a madrugada no topo da escadaria principal do Palácio Tiradentes e nas laterais da Casa. Um grupo do Batalhão de Choque está posicionado na calçada da Rua Primeiro de Março com escudos.

— O que está sendo votado na Alerj é de muita importância para todos nós. Mas não devemos usar de violência para nada. Não justifica essa atitude. Tanta gente se ferindo e as votações acontecendo. Tomara que hoje seja diferente — torceu a administradora de empresas Flávia Viana, de 42 anos.

Para o advogado Antônio Brito de Souza, de 38 anos, tudo o que aconteceu tem um clima de revolta pela corrupção.

— Participei das manifestações de 2013 até começarem aquelas ações violentas com os black blocs. Mas tenho convicção de que agora, essa violência tem a ver com as descobertas de esquemas de corrupção um atrás do outro. Somado ao pacote em votação fica criado o clima de confronto — analisou.

PREJUÍZOS NO COMÉRCIO

Os confrontos violentos também causaram muitos prejuízos a comerciantes. Na Rua da Assembleia, muitos deles fecharam as portas com o acirramento do tumulto. No restaurante Nacional Gourmet, que fica no prédio de número 15, mais de 50 pessoas saíram às pressas sem pagar a conta incomodadas com o forte cheiro gás lacrimogêneo que invadiu o estabelecimento. O restaurante cerrou as portas por volta de 13h30m e não abriu mais.

O gerente do restaurante Príncipe dos Galetos, no número 34 da mesma rua, fechou as portas às 13h40m lotado de clientes.

— O cheiro de gás entrou rapidamente e não tivemos outra opção do que fechar. Os clientes ficaram um bom tempo aguardando a confusão dar uma pausa para sair. Fechamos normalmente às 21h e ainda não calculamos o prejuízo — disse para o gerente Manoel de Souza, de 67 anos.

No restaurante Delírio Tropical, a situação foi semelhante. A gerente Janete Scheibel fechou às 13h30m e também não abriu mais as portas.

— Foi horrível! Um prejuízo muito grande que ainda não calculamos. Fechamos normalmente às 16h45m. Ninguém conseguiu sair por causa do cheiro de gás, que entrou aqui também. Como cidadã, acho que ontem não havia somente representantes dos servidores. Havia baderneiros infiltrados — comentou.


Globo Online | 07-Dez-2016 13:25

Projeto que limita subsídio do Bilhete Único Intermunicipal é retirado de pauta na Alerj

RIO - O colégio de líderes da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) retirou da pauta de votação desta quarta-feira o projeto que limita o subsídio do Bilhete Único Intermunicipal a R$ 150. Os líderes dos partidos se reuniram esta manhã com o secretário de Fazenda, Gustavo Barbosa, e com técnicos da pasta, para decidir que emendas serão aprovadas nos projetos integrantes do pacote de ajuste do governo em votação na Casa. links votação ajuste 07/12

Em lugar do projeto que limita a isenção, outro texto, enviado pelo Executivo em fevereiro deste ano, foi "resgatado" e será votado. É um projeto de lei que permite ao Executivo aumentar a tarifa do Bilhete Único sem que necessariamente haja alta de tarifa dos transportes. O texto será discutido amanhã no Projeto de Líderes, e se houver acordo, será votado.

O presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), explicou os motivos da retirada do projeto de pauta:

— Se verificou que o projeto, como está redigido pelo governo vai economizar R$ 27 milhões ano quando o estado gasta R$ 600 milhões. É um desgaste danado para economizar duas semanas de valor. O ideal era mandar um projeto que reduzisse em R$ 300 milhões. Não houve entendimento e eu retirei de pauta.

O governador Luiz Fernando Pezão falou ao GLOBO, em Brasília, sobre a suspensão de serviços por parte de empresas que não recebem o que a elas é devido pelo estado. É possível que, a partir da próxima segunda-feira, o Estado regularize o repasse do Bilhete Único aos empresários do transporte.

— A gente liberando agora o caixa, a partir de segunda-feira, teremos condições de acertar. É uma questão de quatro dias aí para acertar o bilhete único. Essa decisão aqui vai facilitar e, terminando o arresto da União, vai facilitar a gente acertar com as empresas. É factível eles (empresários de ônibus) esperarem. Afinal, são cinco anos desse projeto, mais de R$ 3 bilhões pagos. Não é uma semana que vai acabar com o programa - disse Pezão

PREJUÍZO AOS MAIS POBRES

O deputado Carlos Roberto Osorio (PSDB), ex-secretário de Transportes, disse que a decisão foi acertada entre todos os líderes, incluindo a bancada do governo:

— Prejudicava os mais pobres. Os que moram mais longe e pagam as passagens mais caras seriam afetados. A economia seria apenas de R$ 28 milhões por ano para um problema social dessa magnitude.

Na Alerj, o clima é de tranquilidade e sem manifestação até o momento. Agentes da Força Nacional ocupam corredores do Palácio Tiradentes. Ontem, um protesto com fogos e bombas disparados por seis horas fez com que máscaras de pano chegassem a ser distribuídas na Alerj, e usadas por alguns deputados e assessores.


Globo Online | 07-Dez-2016 13:08

PM pede desculpas a Dom Orani por invasão a igreja durante protesto

RIO - O comandante-geral da Polícia Militar, Coronel Wolney Dias, pediu desculpas ao arcebispo do Rio, cardeal dom Orani Tempesta pela invasão de policiais à centenária Igreja de São José, durante protesto nesta terça-feira na Assembleia Legislativa (Alerj). Os dois se reuniram para um café da manhã nesta quarta-feira no Palácio São Joaquim, residência oficial do arcebispo. Protesto Alerj - 07/12

— O motivo principal da minha vinda aqui hoje é para formalizar um pedido de desculpas da Polícia Militar, como seu representante que sou, relativo ao episódio de ontem (segunda-feira). Consideramos lamentável que um templo sagrado tenha sido, como mostrou as imagens, em um primeiro momento, invadido. Logicamente que foi uma decisão tática, tomada no calor da situação, na qual policiais estavam sob risco, sendo alvejados por pedras, fogos e bombas. Naquele momento se tomou uma decisão, que estamos apurando e ouvindo os policiais envolvidos. Mas o episódio, por si só, é lamentável — destacou o Cel. Wolney Dias.

Na manhã desta quarta-feira, perguntado sobre o assunto em entrevista ao Bom Dia Rio, da TV Globo, o major Ivan Blaz, porta-voz da Polícia Militar, disse que a entrada de PMs foi autorizada por funcionários da igreja.

— A entrada de policiais do Batalhão de Choque na Igreja São José foi franqueada por funcionários da igreja. Logicamente, lamentamos que a igreja, um templo de 410 anos, tenha feito parte desse cenário de violência. Mas foi uma decisão tática e que hoje já está sendo apurada. Hoje, nosso comandante geral, coronel Wolney Dias, estará reunido com o cardeal dom Orani Tempesta — afirmou Blaz.

RUAS DO CENTRO VIRARAM PRAÇA DE GUERRA

O protesto de centenas de servidores em frente ao prédio da Assembleia Legislativa se transformou num tumulto generalizado, com confronto intenso entre policiais e manifestantes, que se estendeu da região onde fica o Palácio Tiradentes até o Largo da Carioca.

Nas imediações da Casa, manifestantes juntaram lixos, caixotes de madeira, cones de trânsito e atearam fogo em frente à Igreja São José, na intensão de barrar o caveirão da polícia.


Globo Online | 07-Dez-2016 10:55

Entrada de policiais em igreja foi autorizada por funcionários, diz PM

RIO - A entrada de policiais militares na centenária Igreja São José, ao lado do Palácio Tiradentes, de onde foram disparados tiros de balas de borracha contra manifestantes nesta terça-feira, foi motivo de polêmica. Perguntado sobre o assunto em entrevista ao Bom Dia Rio, da TV Globo, o major Ivan Blaz, porta-voz da Polícia Militar, disse que a entrada dos PMs foi autorizada por funcionários da igreja. Protesto Alerj - 07/12

— A entrada de policiais do Batalhão de Choque na Igreja São José foi franqueada por funcionários da igreja. Logicamente, lamentamos que a igreja, um templo de 410 anos, tenha feito parte desse cenário de violência. Mas foi uma decisão tática e que hoje já está sendo apurada. Hoje, nosso comandante geral, coronel Wolney Dias, estará reunido com o cardeal dom Orani Tempesta — disse Blaz.

O protesto de centenas de servidores em frente ao prédio da Assembleia Legislativa se transformou num tumulto generalizado, com confronto intenso entre policiais e manifestantes, que se estendeu da região onde fica o Palácio Tiradentes até o Largo da Carioca.

‘LAMENTÁVEL’, DIZ CARDEAL DOM ORANI

O arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, classificou como “lamentável” o fato de policias militares terem invadido a Igreja São José. Durante um protesto que acontecia em frente à Alerj, contra o pacote de medidas enviado pelo governo, PMs do Batalhão de Choque forçaram a porta dos fundos da paróquia, localizada ao lado da Casa Legislativa, e subiram às sacadas, de onde atacaram o público.

— Tivemos conhecimento do que aconteceu e, em vistas disso, liguei para o comandante da Polícia Militar, coronel Wolney Dias. Ele afirmou que estão apurando os fatos. A igreja é lugar de paz e nós queremos que continue sendo sinal de paz. Lamentamos muito o acontecido e esperamos que sejam tomadas as medidas cabíveis diante de fato grave — afirmou Dom Orani.


Globo Online | 07-Dez-2016 10:21

Suspeito de matar policial é preso na Zona Portuária

RIO - A Polícia Civil prendeu um homem apontado como um dos autores do assassinato do agente Alexandre Corrêa, morto em novembro deste ano em São Cristóvão, na Zona Norte do Rio. Conhecido como Reinaldo Fuzil, Reinaldo Santos Rodrigues, de 19 anos, foi capturado durante uma operação nos morros do Pinto e da Providência, na Região Portuária do município, que ocorreu na tarde desta terça-feira. A ação foi desencadeada pela Delegacia do Consumidor (Decon) e contou com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core).

Os agentes foram recebidos a tiros nas comunidades. Ao chegarem ao local onde o suspeito estava escondido — o paradeiro dele foi descoberto anteriormente, durante as investigações — houve confronto. No fogo cruzado, Reinaldo terminou atingido em um dos braços e em uma das pernas.

Em seguida, ele, que estava armado, foi socorrido e levado para o Hospital municipal Souza Aguiar, no Centro do Rio. Um agente da Decon também foi atingido, mas sem gravidade.

Após os confrontos naquela área, agentes da Core encontraram um adolescente de 17 anos morto a tiros. Envolvido com o tráfico de drogas, ele possui anotações por atos infracionais análogos aos crimes de tentativa de homicídio, tráfico de drogas, associação para o tráfico e porte de munições.

ENVOLVIMENTO EM MORTE DE POLICIAL CIVIL

Reinaldo, de acordo com a corporação, é um dos responsáveis pela morte do policial civil em São Cristóvão. Segundo testemunhas relataram à época do crime, Alexandre Corrêa, de 32 anos, estava a pé, acompanhado da mulher, quando foi abordado por criminosos na esquina da Rua Figueira de Melo com a Avenida Pedro II. Ele reagiu à tentativa de assalto e terminou baleado, na ocasião. O agente, que era lotado na 62ª DP (Imbariê), em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

Moradores contaram que o casal havia deixado o veículo em que estavam, modelo Mercedes, estacionado na Rua Figueira de Melo, e pegariam um Uber, em seguida, para ir a um evento. O casal, então, foi abordado pelos bandidos. O agente, que estava armado, reagiu e trocou tiros com os criminosos. A mulher nada sofreu.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, Reinaldo é um dos criminosos flagrados circulando armados em uma plataforma da estação de trem da Central do Brasil, em março deste ano.

A ação dos integrantes do bando foi registrada por câmeras de vigilância da Supervia instaladas no local.

Fotografou? Fez um vídeo? Mande para o WhatsApp do GLOBO: (21) 99999-9110.


Globo Online | 07-Dez-2016 07:00

Prefeitura dá licença para arena multiuso do Flamengo

RIO - Um dia após o prefeito Eduardo Paes conceder a licença de obra para a construção da arena multiuso do Flamengo, o clube informou que os trabalhos devem começar em abril do próximo ano. A ideia é que a obra dure 18 meses, e o novo ginásio seja inaugurado até o fim de 2018. A empresa responsável pelo investimento de cerca de R$ 30 milhões é o McDonald's, que, em contrapartida, poderá explorar os pontos comerciais nos dias de jogos. De acordo com o vice-presidente de Patrimônio do Flamengo, Alexandre Wrobel, em janeiro o assunto será levado ao Conselho Deliberativo do clube para votação. Com o sinal verde, as obras deverão ser iniciadas em abril.

— É um presente para o Flamengo, para a cidade e para os esportes olímpicos. É uma grande vitória — comemorou Wrobel, que esteve à frente das negociações. — Estamos agora aguardando o conselho para votar a aprovação. Foi um trabalho duro, cumprimos inúmeras exigências. Agora é colocar a obra de pé.

A “Arena Fla” será erguida na esquina da Avenida Borges de Medeiros com a Rua Mário Ribeiro, em terreno do clube. Há alguns anos funcionava no local um posto de gasolina que foi desativado, dando lugar a um estacionamento que funciona até hoje. Quando a moderna arena estiver pronta, comportará até 3.400 torcedores e será exclusiva para atividades esportivas como, por exemplo, os jogos do time de basquete na NBB, a liga nacional. Atualmente, o clube, atual campeão brasileiro, utiliza o estádio do Tijuca Tênis Clube. A intenção do Flamengo é usar o espaço em partidas de fases iniciais de competições e levar os jogos decisivos para lugares como o Maracanãzinho.

A proposta de construção da arena do Flamengo vem desde 2013. Inicialmente, o clube planejava construir a arena para ser utilizada na Olimpíada do Rio. Porém, houve demora para conseguir, por exemplo, o aval do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e da Companhia Estadual de Trânsito (CET-Rio), que avaliou os impactos no tráfego da região. O último entrave era a licença da secretaria municipal do Meio Ambiente para, enfim, tirar o projeto do papel.

ENCONTRO COM ASSOCIAÇÕES

Apesar da animação de membros da diretoria do clube rubro-negro, o assunto ainda é tratado com cautela entre as lideranças dos bairros vizinhos onde será erguida a nova arena. A presidente da Associação de Moradores do Alto Leblon e da Câmara Comunitária do Leblon, Evelyn Rozenzweig, pondera que o clube deveria alterar o local da construção para não comprometer algumas árvores plantadas.

— Não sou contra a construção da arena do clube, eu me posiciono contra o local onde o Flamengo quer fazer sua arena. Em nome do concreto querem tirar a natureza.

O presidente da AMA Gávea, René Hasenclever, diz que espera ser chamado pelo clube para conhecer o projeto:

— A gente quer ver os dados e os estudos. Faltou apresentar às associações os planos do clube.

Na terça-feira à noite, o clube informou que foi marcada uma reunião com as associações de moradores dos bairros vizinhos para falar sobre o assunto.


Globo Online | 07-Dez-2016 06:30

Crivella inclui ajuda para o metrô no Orçamento de 2017

RIO - A equipe de transição do prefeito eleito Marcelo Crivella acertou nesta terça-feira, com a Comissão de Orçamento, a inclusão de pelo menos onze novas propostas ao projeto de lei orçamentária da prefeitura para 2017, em discussão na Câmara dos Vereadores. A presidente da Comissão de Orçamento, Rosa Fernandes (PMDB), explicou que estão sendo abertas rubricas que permitem ao novo governo apoiar o estado para tentar concluir as obras da Estação Gávea da Linha 4 do metrô; implantar policiamento comunitário em áreas da cidade com maior número de assaltos a pedestres; bem como a necessidade de investir em parcerias público-privadas para ampliar a rede de creches, modernizar a iluminação pública e construir garagens subterrâneas na cidade. Há ainda um dispositivo que permite criar uma espécie de vale-cultura para a população. links transição

A equipe de transição de Crivella também negociou com o Legislativo a possibilidade de remanejar até 30% dos recursos do orçamento. As alterações foram apresentadas por dois vereadores ligados à base de Crivella: Tânia Bastos (PRB) e Jorge Braz (PTB). A votação das emendas ao Orçamento só será no dia 14, mas Rosa acredita que a tendência é que as mudanças sejam aprovadas.

— Os valores para cada um desses novos projetos são simbólicos: receberam inicialmente R$ 2017. A ideia foi garantir no Orçamento do ano que vem os programas, para que o governo administre conforme suas prioridades. Mas é claro que deverão receber mais verbas conforme a disponibilidade de caixa — explicou Rosa Fernandes.


Globo Online | 07-Dez-2016 06:30

Relatório diz que isenções fiscais geraram receita

RIO - Em meio a questionamentos vindos da Justiça, do Ministério Público e do Tribunal de Contas, o governo começou a abrir as informações sobre as isenções fiscais concedidas no Rio, com o objetivo de dar mais transparência ao processo. Segundo um relatório que analisou o impacto dos benefícios na economia fluminense, obtido com exclusividade pelo GLOBO, os principais setores que receberam incentivos por meio de leis estaduais tiveram ganho de arrecadação e geram, hoje, 235 mil empregos diretos. São 11 segmentos. Só o têxtil teve um aumento de receita de 295% entre 2002 e 2015 e ampliou o número de vagas de trabalho em 10%, entre 2010 e 2014. Isenções fiscais - 25/11

Nesta terça-feira, o governador Luiz Fernando Pezão sancionou a lei que suspende por dois anos a concessão de novas isenções no estado.

Entre os 11 setores analisados, estão empresas que receberam incentivos pelo programa de redução das desigualdades regionais, além dos ramos farmacêutico, de informática e eletroeletrônica, de joias e de cosméticos, entre outros. O único que apresentou queda na arrecadação foi o de pesca, devido a uma forte concorrência de Santa Catarina, segundo o relatório.

PROGRAMA DE INCENTIVOS

O universo analisado pelo governo considera que foram concedidos cerca de R$ 35,4 bilhões de incentivos entre 2008 e 2013. Segundo a Fazenda, esse é o valor efetivo de benefícios. O Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público estadual, entretanto, estimam em R$ 138 bilhões as isenções dadas para o mesmo período.

Um outro quadro importante traçado pelo levantamento é sobre a forma que os incentivos foram concedidos. Há uma polêmica porque alguns deles foram liberados diretamente por leis aprovadas na Assembleia Legislativa ou por decreto estadual, sem apreciação de um representante do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). De acordo com o estudo, a média de isenções mensais, durante o período, foi de R$ 5,9 bilhões. Desse total, R$ 3,4 bilhões (58%) correspondem às que foram concedidas no âmbito do Confaz e R$ 2,5 bilhões (42%) via atos estaduais, sendo R$ 1,7 bilhão por leis e R$ 800 milhões por decretos do governo.

Números do Relatório - Info

— O estado quer preservar sua capacidade de decidir como vai conduzir o programa de incentivos, respeitando o parlamento e os órgãos de regulação. Ao mesmo tempo, discutimos agora chamar os setores (da economia beneficiados) para analisar como podemos fixar metas de arrecadação, de maneira negociada e pactuada — diz Christino Áureo, que assumirá em janeiro a Secretaria estadual de Infraestrutura, que aglutinará as pastas de Desenvolvimento, Transportes, Obras e Agricultura.

Segundo ele, o relatório completo sobre as isenções fica pronto até o fim de janeiro, incluindo informações de 2016. Com base nos dados colhidos pelos técnicos, diz o secretário, será desenvolvido um Sistema de Governança dos Incentivos Fiscais e Transparência. O objetivo é permitir o acompanhamento dos benefícios e gerar indicadores sobre os impactos deles na economia fluminense, como números da geração de empregos e de arrecadação das empresas envolvidas. Parte das informações poderá ser consultada no portal do governo do estado.

As medidas que serão adotadas vão ao encontro de uma determinação da 3ª Vara de Fazenda Pública do Rio, que proibiu o estado de conceder, ampliar ou renovar benefícios fiscais ou financeiros até que apresentasse um estudo sobre as consequências deles no orçamento.

A próxima etapa das apurações, afirma o secretário, detalhará os incentivos dados por decretos. O relatório já aponta, no entanto, explicações sobre a divergência de valores considerados pelo estado e pelo MP e TCE. A diferença de R$ 102 bilhões — valor declarado pelas empresas no DUB-ICMS (Documento de Utilização de Benefício) entre 2008 e 2013 —, diz o governo, considera não só os benefícios efetivos, mas também o que o documento chama de montante neutro.

— É uma perspectiva de lançamento de imposto que, na prática, não se concretiza. Por exemplo, quando se transfere uma máquina para conserto de um município para outro. Como nada pode viajar sem nota fiscal, o documento indica uma previsão de tributo. Isso é declarado na base do DUB-ICMS. Mas o imposto, efetivamente, é zero. O estado lança aquilo e depois reconhece como um benefício teórico — diz Christino, citando outros valores incluídos no montante neutro.

O relatório também rebate críticas de que as empresas com benefícios careceriam de fiscalização. O futuro secretário de Infraestrutura, no entanto, reconhece que a Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio (Codin, uma das responsáveis por essa função) tem uma estrutura enxuta. E afirma que uma proposta é conveniar outros órgãos do estado para cooperar no trabalho.

PROIBIÇÃO POR DOIS ANOS

Com a sanção da lei que proíbe novos incentivos, apenas as empresas enquadradas em isenções já em vigor permanecem com seus direitos, inclusive com a hipótese de renovação dos benefícios, desde que aprovados por lei ou pelo Confaz. Ficam proibidas isenções por decreto.

De autoria dos deputados Luiz Paulo (PSDB), Lucinha (PSDB) e Bruno Dauaire (PR), a lei apresenta algumas exceções. Não serão impedidos benefícios a taxistas, para pessoas com deficiência adquirirem veículos ou incentivos a projetos culturais, esportivos e gastronômicos. Empresas de pequeno porte também não serão proibidas de receber isenções, assim como as que tiverem financiamento do Fundo de Fomento ao Microcrédito Produtivo Orientado para Empreendedores (Fempo).


Globo Online | 07-Dez-2016 06:30

Sargento da PM é baleado em tentativa de assalto

RIO - Um sargento da Polícia Militar foi baleado em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, no fim da noite desta terça-feira. A ação, segundo o batalhão da área, ocorreu no sub-bairro Santa Margarida, quando a vítima foi abordada por um criminoso numa tentativa de assalto, por volta das 22h. Identificado apenas como Dionísio, ele foi atingido no abdômen. O PM foi socorrido e levado para o Hospital Rocha Faria, no mesmo bairro.

O policial teria reagido à ação do assaltante, que não teve a identificação revelada. O sargento estava chegando em sua casa, no momento em que foi surpreendido pelo bandido. Segundo a corporação, houve troca de tiros e, durante o fogo cruzado, que ocorreu na Rua Botucarai, o assaltante também foi baleado.

Capturado, o suspeito foi levado para a mesma unidade hospitalar que o sargento. O PM, lotado no batalhão de Duque de Caxias, foi atendido e seu estado de saúde é estável, informou a Polícia Militar.

Fotografou? Fez um vídeo? Mande para o WhatsApp do GLOBO: (21) 99999-9110.


Globo Online | 07-Dez-2016 04:33

Ônibus é incendiado durante protesto na Rio-Teresópolis

RIO - Cerca de 50 manifestantes fizeram um protesto em Magé, na Região Metropolitana do Rio, na noite desta terça-feira. O ato aconteceu na altura do km 135 da BR-116/RJ (Rodovia Santos Dumont), a antiga Rio-Teresópolis, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). O chegou a atear fogo em um ônibus no local. Não há informações de feridos.

A motivação do protesto seria o aumento da tarifa do pedágio cobrado naquela localidade. Segundo a PRF, devido à manifestação, o trecho da rodovia chegou a ser totalmente interditado. Além do coletivo, pneus foram incendiados.

As pistas da BR-116 foram totalmente desbloqueadas por volta das 22h50m, de acordo com a PRF.

AUMENTO PEDÁGIO

O pedágio da rodovia sofreu aumento na segunda-feira. Carros de passeio deixaram de pagar R$ 12,20 para pagar R$ 17,10 na praça principal Engenheiro Pierre Berman (Bongaba). Nas praças auxiliares de Santo Aleixo (Km-114,5) e Santa Guilhermina (Km-122) o valor passou para R$ 12. Desde 2012, o valor da tarifa básica de pedágio da BR-116/RJ não era reajustado.

O aumento feito pela Concessionária Rio-Teresópolis (CRT), que administra a via, foi aprovado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Segundo a empresa, percentual autorizado é resultado da aplicação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) acumulado no período, além da compensação pelas perdas decorrentes da entrada em vigor da Lei nº 13.103/2015, a “Lei dos Caminhoneiros”, pela qual as concessionárias federais de rodovias deixaram de considerar os eixos suspensos na cobrança da tarifa para veículos pesados.

Fotografou? Fez um vídeo? Mande para o WhatsApp do GLOBO: (21) 99999-9110.


Globo Online | 07-Dez-2016 02:59

Reinventadas, cestas de Natal agradam a diferentes gostos

Em tempos de festas, presentear com cesta de Natal é uma tradição. Na Deli Delícia, rede de delicatessens com cinco unidades no Rio, o produto se mantém entre os itens mais vendidos nesta época do ano. Agora, as cestas customizadas surgem para dar mais personalidade ao presente. É possível, por exemplo, criar kits para cervejeiros, churrasqueiros, enófilos e chocólatras, e outras inúmeras opções.

Há mais de 25 anos trabalhando com a elaboração de cestas de Natal, Sérgio Silva, gerente de vendas da Deli Delícia na unidade de Botafogo, se tornou um especialista no assunto. Ele diz que a possibilidade de personalização renovou o interesse pelo produto:

– O cliente pode chegar e montar a cesta no momento da compra, na loja, escolhendo os produtos que quiser nas gôndolas. Temos embalagens especiais para colocar os itens escolhidos. Nós podemos inclusive sugerir produtos mais interessantes, de acordo com o perfil do presenteado, considerando o que ele gosta de comer, beber e até mesmo seus hobbies – explica o gerente.

Para exemplificar, Sérgio montou uma cesta que agrada em cheio aos cervejeiros. Para a foto que abre essa matéria, ele escolheu rótulos selecionados – como a encorpada belga Delirium Tremens, a pilsen tcheca 1795 e a leve e refrescante brasileira Colorado Appia, de trigo e mel.

Com inspiração na turma fitness, ele deu outra sugestão de cesta, que também foge do lugar-comum. Sem abrir mão do sabor, ela foi montada com itens que ajudam na preservação da boa forma e o bem-estar do presenteado. São produtos feitos com alimentos orgânicos, sem glúten e lactose. Massa de semente de quinoa, pão sueco integral e geleia de frutas vermelhas zero açúcar estão entre as delícias light da seleção.

A delicatessen também dispõe de acessórios relacionados ao universo gourmet. Os churrasqueiros podem receber como presente facas especiais, sal rosa do Himalaia e outros itens necessários para preparar a melhor carne. Já para os enófilos, a seleção pode conter, além de um bom vinho, taças especiais e um decanter que proporcionam a degustação perfeita da bebida.

Tradição preservada

Para quem não abre mão da tradição ou tem pouco tempo, a Deli Delícia conta com opções de cestas tradicionais, já montadas, que podem ser entregues na casa dos clientes, no Rio. Uma delas é a Magic Night, que entre os seus 14 itens tem como destaque o famoso e saboroso panetone da delicatessen.

– Ela permanece há tanto tempo como boa opção de presente porque agrada pessoas de diferentes perfis. É difícil alguém rejeitar os itens costumeiros de uma cesta como chocolates, geleias, azeites; e bebidas como vinho, espumante e uísque – avalia Sérgio.

Charme em kits compactos

Garantindo um ótimo custo-benefício, os kits compactos também fazem bonito na hora de presentear. Eles têm uma quantidade menor de itens, mas não perdem em qualidade e sofisticação.

– São ótimas opções para presentear o chefe, o colega de trabalho, amigos ou alguém muito importante do seu dia a dia – sugere Sérgio, que aponta dois campeões de venda na Deli.

O primeiro é o “La vie en Rose”, que conta com um vinho do mesmo nome, do produtor francês Château Roubine, e um lenço feminino da grife Scarf Me. Os clientes costumam escolher esta cesta para presentear mulheres sofisticadas, revela o gerente.

A segunda sugestão é o “Carm Gourmet”, que reúne produtos da prestigiada casa agrícola Carm, na região do Douro, em Portugal. Numa bela caixa de madeira, o kit contém vinho tinto, azeite e uma petisqueira de louça típica portuguesa. Esta, uma boa opção para quem gosta de receber amigos em casa ou simplesmente é um (a) gourmand assumido (a).

Onde Comprar:

Os clientes que moram no Rio podem encomendar as cestas nas lojas da delicatessen e recebê-las em casa, na quantidade que necessitarem. A Deli Delícia também atende ao mercado corporativo, oferecendo kits dos mais variados preços e tamanhos. Mais informações e endereços das lojas podem ser obtidos no site da empresa www.delidelicia.com.br.

Cestas de Natal Deli Delícia


Globo Online | 07-Dez-2016 01:19

Pezão diz que manifestantes fizeram 'baderna', mas desconversa sobre ações da PM

BRASÍLIA - No dia em que o Centro do Rio virou uma praça de guerra entre policiais e manifestantes, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) disse nesta terça-feira que a tentativa de invadir a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) foi orquestrada por uma "minoria" de servidores públicos que "se aproveitam" da crise do Estado para "fazer baderna". Perguntado se foram cometidos excessos pela polícia, no entanto, Pezão afirmou desconhecer detalhes, argumentando que está em Brasília. linksvotaçãoalerj-212

- Essa é uma minoria que se aproveita desse momento, não é a totalidade da população fluminense nem dos funcionários públicos. A gente sabe que tem pessoas que se aproveitam desse momento e tentam fazer a baderna, isso não é tolerável, principalmente se invadir o Parlamento - disse o governador do Rio.

Pezão, que está em Brasília para negociar com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, medidas de recuperação econômica para o Estado, desconversou ao ser questionado sobre as ações da polícia fluminense.

- Não sei, eu acabei de sair agora do Ministério e estou chegando aqui para uma reunião com a bancada federal.

O governador, que sofreu uma derrota hoje na Alerj, agradeceu a base de sustentação de seu governo e afirmou que vai aceitar o que quer que a Assembleia aprove. Ele admitiu que o pacote de austeridade proposto por ele traz medidas duras, mas pediu a ajuda de todos para atravessar a crise.

- São medidas que a gente tem que enfrentar. São medidas duras, quero agradecer nossa base de apoio que tem tentado defender as medidas, mas a gente sabe que se não tivermos sacrifícios não vamos conseguir atravessar. A economia não está respondendo. É com muita dificuldade que vamos atravessar esse período, mas estamos determinados, vamos aceitar o que a Assembleia Legislativa determinar.

Pezão afirmou ainda que a crise é ainda mais dura para o Rio pela dependência que o Estado tem com o petróleo e afirmou que também já cortou "na própria carne", ao reduzir o custeio para níveis de 2013, o que disse que "não é trivial". Ele disse que na semana que vem o governo federal deve ter novidades sobre o pedido de ajuda do Estado:

- Estamos discutindo plano de recuperação da nossa economia. Está avançando, a área econômica do governo ficou de apresentar algumas medidas, o ministro Henrique Meirelles está conversando com presidente Michel Temer e acredito que na próxima semana nós tenhamos novidades.


Globo Online | 06-Dez-2016 22:22

PM prende nove pessoas durante manifestação na Alerj

RIO - A PM prendeu nove pessoas no fim da tarde desta terça-feira, durante a manifestação dos servidores. Os detidos estão sendo levados para a 9ª DP (Catete). linksmanifestação - 6.12

- São nove presos, a maioria bombeiros e policiais civis. Dois dos presos disseram que são menores. Vamos acompanhá-los à 9ª DP. Há risco de arbitrariedade nas prisões - afirmou o deputado Flávio Serafini (PSOL), integrante da Comissão de Direitos Humanos da Alerj.

Entre os presos está Rafael Lage, estudante de direito, de 28 anos, que disse não ter participado do ato.

- Estava saindo da Estácio, a universidade liberou a gente para ir para casa, e fui pego pela polícia. Não tenho nada a ver com a manifestação - disse.

Os servidores aposentados Darci Simão Braga, de 64 anos, da PM, e Wagner Gomes, de 67 anos, da Polícia Civil, também foram detidos. Ainda estão entre os presos Everaldo Eufrásio Francisco, da Secretaria de Administração Penitenciária, o sargento reformado Carlos Antônio Oliveira de Aquino e Wallace Tavares da Conceição, subchefe de cozinha.

O bombeiro Marcelo Luiz da Silva foi preso e levado algemadopara o interiro da Alerj pela PM após ter quebrado uma das janelas do ônibus.


Globo Online | 06-Dez-2016 21:12

Protesto de profissionais da educação interrompe trânsito no Centro de Niterói

NITERÓI - Um grupo com cerca de 60 pessoas, entre servidores da rede municipal de ensino de Niterói e do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe), interrompeu o trânsito da Avenida Amaral Peixoto, no centro da cidade, por volta das 16h30m, desta terça-feira. O protesto é contra o pacote fiscal da prefeitura e começou ainda pela manhã em frente à sede administrativa do município. O grupo, agora, ocupa as galerias da Câmara dos Vereadores.

Essa é a terceira manifestação dos profissionais da educação realizada nesta terça-feira em Niterói. Por volta do meio-dia, o protesto em frente à prefeitura terminou em confusão, com uma porta de vidro do prédio quebrada. Um vídeo do Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp), enviado pela assessoria de comunicação da prefeitura, mostra o momento em que a vidraça estilhaçou. Nas imagens, uma mulher loira que participava do protesto aparece chutando a porta. Depois, outros manifestantes começam a tentar entrar no edifício. Quando os guardas municipais abrem a porta, uma outra manifestante força a maçaneta e o vidro se estilhaça. Em seguida, um guarda sai do prédio com spray de pimenta nas mãos e lança jatos contra os manifestantes que se afastam.

Da prefeitura, o protesto seguiu até a sede da Fundação Municipal de Educação (FME), na Rua Visconde do Uruguai. De novo, houve tumulto e spray de pimenta. De acordo com a prefeitura, a Guarda Municipal agiu para preservar o patrimônio público. Em nota, diz que a "Secretaria municipal de Ordem Pública (Seop) registrou ocorrência na 76ª DP para identificar os responsáveis pelos danos ao patrimônio" e que "a Corregedoria da Seop avaliará se houve excessos na atuação da Guarda Municipal".

Na Câmara, a sessão desta terça-feira ocorreu sob vaias e coro dos manifestantes. No plenário, o primeiro a se pronunciar foi o vereador Paulo Eduardo Gomes (Psol). Ele se disse contra o pacote enviado pelo prefeito Rodrigo Neves ao legislativo e afirmou que a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017 deveria ser devolvida ao Executivo:

— Se vai haver um contingenciamento de R$ 1,458 milhão, então não é mais a LOA originalmente enviada para nós — contestou.

Já o vereador Henrique Vieira (Psol) classificou o pacote enviado pela prefeitura como estelionato eleitoral:

— Por que a crise financeira e fiscal só apareceu depois da eleição? Quer resolver problemas de finanças? Cobrem mais impostos dos empresários de ônibus — sugeriu.

Durante cerca de uma hora e meia em que O GLOBO-Niterói acompanhou a sessão, nenhum vereador defendeu a proposta de ajuste fiscal em plenário.

Dentre as principais críticas ao projeto da prefeitura de Niterói para manter o equilíbrio nas contas do município, os servidores da rede municipal condenam a proposta de adiamento do Plano de Cargos Carreiras e Salários (PCCS) da categoria para 2019 e o aumento para a contribuição previdenciária de 11% para 14% até 2018. Na próxima sexta-feira, profissionais da rede municipal de ensino se reunirão com representantes da secretaria de educação e da FME para discutir as propostas.


Globo Online | 06-Dez-2016 19:32

Prefeitura de Niterói ganha liminar para receber R$ 56 milhões em royalties de exploração do petróleo

RIO - A Prefeitura de Niterói informou na tarde desta terça-feira que ganhou na Justiça o direito de receber o repasse integral da Participação Especial (PE) na exploração de petróleo, calculado em R$ 58 milhões. A decisão é em caráter liminar e foi concedida pelo Juiz Federal Titular José Carlos da Silva Garcia. A Agência Nacional de Petróleo (ANP), a Petrobras, a Shell e a Petrogal Brasil devem depositar os aproximadamente R$ 56 milhões restantes (o município já recebeu aproxidamente R$ 2 milhões) em 10 dias a partir da data da notificação.

A Participação Especial é paga pelas operadoras de petróleo de três em três meses e é referente a exploração do pré-sal na Bacia de Santos.

“É inaceitável a atitude das petroleiras e da própria ANP, já que sequer fomos informados previamente, em cortar 95% dos recursos de novembro prejudicando a sociedade e as instituições”, afirma trecho da nota enviada pelo prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, (PV) à imprensa.

As empresas descontaram no repasse da Participação Especial de novembro a realização de alguns investimentos na Bacia de Santos, mas a prefeitura afirma que não recebeu aviso prévio. De acordo com a administração municipal, o município recebeu de R$ 2,5 milhões, cerca de 5% do valor esperado.

Em nota, a Shell informou apenas que ainda não foi notificada oficialmente, e que só irá se manifestar após o comunicado.

Já a Petrobras disse, também em nota, que vai recorrer da decisão liminar e esclareceu que "o momento de dedução de gastos do cálculo de participações especiais é definido a critério do concessionário. Pela Resolução ANP 12/2014, a Petrobras e seus parceiros têm o direito de deduzir da base de cálculo de participações especiais os investimentos acumulados realizados na fase de exploração. A companhia e seus parceiros, legitimamente, decidiram fazer esse abatimento no terceiro trimestre, momento de um pico de produção, quando as receitas sobre as quais são calculadas as participações especiais são mais elevadas", diz o comunicado da companhia.

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP) não se manifestou até a publicação desta reportagem.


Globo Online | 06-Dez-2016 18:57

Governo Pezão sofre derrota em projeto que limita salários de servidores cedidos a outros órgãos

RIO - Após intensa discussão entre deputados governistas e da oposição, foi aprovado o Projeto de Lei que determina o corte do salário do governador e de seus secretários em 30%. Por causa do embate, houve votação nominal em uma emenda, do deputado Paulo Melo, que suprimia a aplicação do teto do funcionalismo estadual à remuneracão de servidores cedidos de outros órgãos. A oposição, e até nomes do governo, votaram pela aplicação do teto, contra a emenda de Paulo Melo. links pacote de ajuste 06/12

Melo havia defendido em plenário que a medida, integrada ao projeto pela Comissão de Orçamento da Alerj, provocaria a demissão de secretários e subsecretários, causando "desestruturação" da administração estadual.

Para defender a emenda do colega de partido, até o presidente da Alerj, Jorge Picciani, deixou a presidência foi ao púlpito fazer um discurso, o que é raro na Casa.

- Seria um erro desta Casa demitir cinco secretários de estado. Não pode cair nas costas dessa Casa ter sido ela a desmantelar o governo - defendeu Picciani.

O artigo incluído pela Comissão impede a acumulação de vencimentos, acima do teto estadual, de servidores cedidos de outros órgãos que ocupem cargo de secretário. Isso acontece, por exemplo, quando um secretário de Estado também é servidor de carreira de outro órgão público. Ele recebe pelo cargo em comissão estadual e o equivalente ao salário-base no órgão de origem, que é ressarcido pelos cofres do estado. De dentro da Alerj, rojões e confusão por votação

A cronologia dos protestos que transformaram arredores da Alerj em praça de guerra
SALÁRIO DE PEZÃO SERÁ DE R$ 15.307

O valor do vencimento atual de R$ 21.868,14 passará a R$ 15.307,69 em janeiro de 2017. O mesmo percentual valerá para a redução dos salários do vice-governador, secretários e subsecretários. É o que determina o projeto de lei 2.260/16, da Comissão de Orçamento da Assembleia. O texto recebeu 43 emendas.

A redução dos salários foi pedida por ofício por Pezão, mas tanto a Constituição Federal quanto a estadual determinam que alteração do salário do governador seja uma iniciativa do Poder Legislativo. Por isso, a Comissão de Orçamento da Casa transformou o ofício em um projeto de lei.
Os valores dos outros vencimentos com a redução de 30% que a norma estabelece são: do vice-governador de R$ 18.421,99 para R$ 12.895,39; dos secretários de R$ 18.421,99 para R$ 12.895,39 e dos subsecretários de R$ 16.579,89 para R$ 11.605,85.

A Alerj aprovou ainda a notificação eletrônica pela Fazenda estadual e dois projetos que cortam mordomias na Casa.

Votação na Alerj transforma Centro em praça de guerra
Imediações da Alerj viram praça de guerra durante protesto Campo de batalha no Rio


Globo Online | 06-Dez-2016 18:29

Alerj encurta calendário de votações do pacote do governo

RIO - A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro encurtou o calendário de votações das medidas que fazem parte do pacote do governo do estado. Os projetos serão votados até a próxima segunda-feira, e não mais até o dia 15. Nos bastidores, os deputados dizem que a ideia é evitar mais dias de protestos como os que ocorreram nesta terça-feira.

A primeira sessão de projetos do pacote de austeridade, realizada nesta terça-feira, terminou por volta de 16h45. O adiantamento das demais votações foi uma sugestão do presidente da Alerj, Jorge Picciani, que foi acolhida pelos deputados. A ideia, segundo os parlamentares, é votar o pacote o mais rápido possível, para evitar o tumultos como ocorreu nesta terça. Picciani, entretanto, citou também a necessidade de votar os projetos de Lei Orçamentária.

- Encerramos esse malfadado pacote na segunda-feira - disse Picciani. - Mais tempo com esse ambiente tira as condições de uma discussão serena. Temos que fazer um esforço pessoal para eliminarmos essa questão do pacote. Aprovar o que será aprovado rejeitar o que tem que ser rejeitado.

Com isso, os 11 projetos restantes serão votados em três sessões ordinárias e três extraordinárias, com início às 13h. As emendas propostas serão debatidas em reuniões do colégio de líderes a partir das 9h, todos os dias. O secretário de Fazenda, Gustavo Barbosa, deve comparecer às discussões.

Confira abaixo o calendário atualizado:

DIA 07/12 (quarta-feira)

Sessão extraordinária - 13h

Projeto de lei 2.249/16 - Muda regras para pagamentos com precatórios: 60 emendas.

Projeto de lei complementar 37/16 – Proíbe por dez anos qualquer anistia aos devedores de impostos estaduais: 34 emendas.

Sessão ordinária - 15h

Projeto de lei 2.248/16 - Limita o subsídio do Bilhete Único a 150 reais: 121 emendas.

Projeto de lei 2.247/16 – Acaba com a isenção da tarifa da barca aos moradores de Ilha Grande e Paquetá: 27 emendas.

DIA 08/12 (quinta-feira)

Sessão extraordinária - 13h

Projeto de lei complementar 36/16 - determina que um percentual de 40% das receitas dos fundos estaduais e 70% do superávit financeiro – saldo positivo nas contas – possam ser utilizados para o pagamento de pessoal: 66 emendas.

Sessão ordinária - 15h

Projeto de lei 2.246/16 – Extingue os programas Renda Melhor e Renda Melhor Jovem: 24 emendas.

Projeto de lei 2.242/16 – Aumenta as alíquotas do ICMS: 87 emendas.

DIA 12/12 (segunda-feira)

Sessão extraordinária - 13h

Projeto de lei complementar 34/16 - Muda a forma de repasse do orçamento dos poderes do estado, que deixa de ter valor fixo e passa a ser um percentual da arrecadação real: 29 emendas

Projeto de lei 2.240/16 – Muda regras no Rioprevidência, aumentando alíquotas de servidores ativos e inativos de 11% para 14% e a contribuição patronal de 22% para 28%: 106 emendas.

Sessão ordinária - 15h

Projeto de lei complementar 35/16 - limita o crescimento da despesa de pessoal dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e suas autarquias a 70% do aumento real da Receita Corrente Líquida (RCL): 38 emendas.

Projeto de lei 2.245/16 - Adia para 2020 aumentos salariais aprovados em 2014 e que entrariam em vigor em 2017 – 61 emendas.


Globo Online | 06-Dez-2016 18:00

Projetos que cortam mordomias na Alerj são aprovados pelos deputados

RIO - Deputados estaduais aprovaram, na tarde desta terça-feira, o projeto de resolução que determinou o fim da frota de carros oficiais e de sessões solenes na Assembleia Legislativa à noite. Os dois foram aprovados em sessão extraordinária. A Alerj aprovou ainda a notificação eletrônica pela Fazenda estadual. links pacote de ajuste 06/12

FIM DA FROTA DE VEÍCULOS OFICIAIS

A frota de carros oficiais dos deputados deverá ser extinta em dezembro de 2018. É o que determina o projeto de resolução 389/16, que foi votado pela Casa nesta terça-feira em sessão extraordinária. A partir de dezembro, os diretores da Alerj não terão mais o direito ao carro oficial. Votação na Alerj transforma Centro em praça de guerra

SESSÕES SOLENES DURANTE EXPEDIENTE

Já o projeto de resolução 390/16 determinou que as sessões solenes sejam realizadas dentro do horário do expediente da Casa. O texto extingue os coquetéis custeados pela Alerj.


Globo Online | 06-Dez-2016 17:05

Policiais militares são presos em flagrante por sequestro

RIO - Policiais da 90ª DP (Barra Mansa) prenderam em flagrante, nesta segunda-feira, os policiais militares Deuzito de Lima Maciel, lotado no 33º BPM (Angra dos Reis); e Wesley Buarque Peixoto, lotado na 1ª UPP/5º BPM (Praça Harmonia). Wildesney Menezes Ferreira, que estava com os policiais, também foi detido. Os três mantinham um homem em cárcere privado.

A vítima é apontada como um integrante de uma organização criminosa que pratica desvios bancários. Os presos exigiam que o homem fizesse telefonemas e conseguisse R$ 100 mil, como condição para libertá-lo.

Deuzito, Wesley e Wildesney foram autuados em flagrante pelo crime de extorsão mediante sequestro.


Globo Online | 06-Dez-2016 16:19

Pezão sanciona lei que proíbe novas isenções fiscais pelos próximos dois anos

RIO - Batido o martelo. O governo do Rio não poderá conceder novos incentivos e benefícios fiscais de natureza tributária a empresas pelo período dos próximos dois anos. A norma, estabelecida pela Lei 7.495/16, foi sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão e publicada nesta terça-feira no Diário Oficial do estado. Pelo texto, no entanto, as empresas enquadradas em isenções já em vigor permanecem com seus direitos, inclusive com a hipótese de renovação dos benefícios, desde que aprovados por lei ou pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). Isenções fiscais - 25/11

Fica proibida, assim, a concessão de benefícios fiscais por decretos do governo. De acordo com os valores reconhecidos oficialmente pela Secretaria estadual da Fazenda, apenas ano passado foram dados R$ 9,3 bilhões em incentivos fiscais a empresas. Desse total, segundo a Fazenda, 47,16% ocorreram com convênios Confaz e 32,42% por meio de leis estaduais. Os outros 20,42% aconteceram por decretos, o que a nova norma não permitirá mais.

Além da lei sancionada por Pezão, o estado também está proibido pela Justiça, desde o fim de outubro e por um prazo de 60 dias, de conceder novos incentivos, até que o governo apresente um estudo do impacto financeiro dos incentivos nos cofres fluminenses.

Mesmo cumprindo essa determinação judicial, pela lei 7.495/16 — de autoria dos deputados Luiz Paulo (PSDB), Lucinha (PSDB) e Bruno Dauaire (PR) —, as exceções para a concessão de novos incentivos nos próximos dois anos são poucas. Não serão impedidos benefícios tributários a taxistas, à aquisição de veículo por pessoas com deficiência ou por seus responsáveis, assim como para projetos culturais, esportivos e gastronômicos. As empresas de pequeno porte também não serão proibidas de receber incentivos, assim como os beneficiados pelas operações de financiamento com recursos do Fundo Estadual de Fomento ao Microcrédito Produtivo Orientado para Empreendedores (Fempo).

A lei prevê ainda excessão para novos projetos de lei considerados de importância estratégica para o estado, oriundos do Poder Executivo, cuja tramitação poderá ocorrer em regime de urgência na Alerj. No entanto, só serão avaliados caso visem promover o desenvolvimento regional e tenham como objetivo a geração de emprego e renda, o aumento da arrecadação em função de nova cadeia produtiva, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e a redução da inflação.

— Acabamos com a farra do boi. Diante desta crise econômica, do decreto de calamidade pública, não se justifica neste momento o Governo dar qualquer tipo de benefício fiscal. Não estamos atingindo os 12% de investimento na saúde e nem estamos atingindo os 25% de investimento em educação — afirma o deputado Luiz Paulo.

O texto determina ainda que a Fazenda estadual deverá, semestralmente, fiscalizar os benefícios ou isenções já concedidas e relatar à Alerj e ao Tribunal de Contas do Estado (TCE). Caso seja verificada irregularidade no benefício, a empresa terá 30 dias para se regularizar, sob pena de perda do incentivo.

FIRJAN CRITICA LEI

Em nota, o Sistema Firjan protestou contr a publicação da lei. A entidade informou que "enviou ofício ao governador Luiz Fernando Pezão solicitando que ele vetasse a proposta. O prazo encerrou-se ontem (5) e, sem veto, o projeto foi transformado em lei. Durante visita à Firjan em 23 de outubro, o governador garantiu que, enquanto estivesse no cargo, haveria continuidade na concessão de incentivos fiscais".

Na nota, a Firjan "alerta que tal legislação gera um clima de grave insegurança jurídica. Em pesquisa realizada com 199 indústrias e divulgada ontem (5/12), a Federação identificou que, diante da possível suspensão de incentivos, 89,6% preveem demissões e 52,6% encerrarão as atividades no estado. Entre as que indicam suspender as operações, 60% se instalariam em outros estados".

Para a Firjan, "a política de incentivos é imprescindível e deve permanecer ágil, para estimular a realização de investimentos em território fluminense. O ambiente de negócios no Rio de Janeiro, com deficiências em áreas como infraestrutura e segurança pública, está entre os piores dos estados do Sul e Sudeste. A política de incentivos fiscais já atraiu centenas de indústrias para o Estado, gerou quase cem mil empregos e mais que dobrou a arrecadação de ICMS, conquistas que ficam em risco com a mudança de regras e a quebra de confiança."


Globo Online | 06-Dez-2016 15:37

Dois homens são presos após tentar assaltar bar no Leme

RIO - Dois suspeitos foram presos após tentar assaltar um bar no Leme, na Zona Sul do Rio, no início da madrugada desta terça-feira. A ação dos criminosos foi interrompida após a abordagem da Polícia Militar no estabelecimento comercial, que fica na Rua Gustavo Sampaio, na altura do número 258. Ninguém ficou ferido.

Segundo a PM, um veículo da corporação fazia o patrulhamento no bairro, quando notou uma movimentação suspeita dentro do estabelecimento, por volta de 1h. Os policiais, então, acionaram reforços e fizeram um cerco, antes de entrarem no bar. Os dois criminosos, que não tiveram as identificações divulgadas, não reagiram e se entregaram.

Com a dupla, os policiais apreenderam um revólver. O caso foi registrado na 12ª DP (Copacabana).

Fotografou? Fez um vídeo? Mande para o WhatsApp do GLOBO: (21) 99999-9110.


Globo Online | 06-Dez-2016 07:53

Criminosos ateiam fogo em veículos no Grajaú

RIO - Criminosos atearam fogo em três veículos, na madrugada desta terça-feira, no Grajaú, na Zona Norte do Rio. As chamas nos carros chamou a atenção dos moradores do bairro, que acionaram o Corpo de Bombeiros por volta das 2h, para o controle do incêndio. Ninguém ficou ferido.

Três veículos que estavam estacionados próximo ao número 2.650 da Rua Barão do Bom Retiro foram atingidos: um modelo Ford Ka, um Focus, além de um Peugeot 207. Com exceção do terceiro, os dois automóveis ficaram completamente destruídos. Carros incendiados - 06/12

Segundo a Polícia Militar, os suspeitos, que fugiram após crime, seriam de comunidades próximas à região do Grajaú. Eles, segundo a corporação, teriam utilizado coquetéis molotov para provocar as chamas.

Durante a madrugada desta terça-feira, após o incêndio, o policiamento foi reforçado na região.

Na manhã desta terça-feira, a Rua Barão de Mesquita foi parcialmente interditada, na altura da Rua Maxwell, devido a uma ocorrência policial. Informações davam conta de que pelo menos um veículo teria sido incendiado no local. O trânsito, no entanto, não apresentava retenções.

EM JULHO, 11 CARROS FORAM QUEIMADOS NA TIJUCA

Em julho, Daniel Felipe dos Santos da Cruz, de 34 anos, foi preso por incendiar sozinho 11 veículos, sendo dois deles parcialmente, em ruas da Tijuca. Na ocasião, ele foi flagrado por câmeras de segurança de prédios da região. Câmera de segurança mostra ação de homem que queima carro na Tijuca

A prisão de Daniel, que mora no Morro do Borel, aconteceu após análise das imagens. Durante investigação, a polícia descobriram que ele tinha um mandado de prisão em aberto pelo crime de extorsão em razão de uma ameaça e cobrança de dinheiro de um dono de carro que estacionou numa rua do bairro. Daniel não confessou ter sido o autor dos incêndios, o que a polícia confirma através do reconhecimento feito por uma testemunha e pelas imagens de câmeras, mas ele foi preso em cumprimento ao mandado de prisão por extorsão.

Fotografou? Fez um vídeo? Mande para o WhatsApp do GLOBO: (21) 99999-9110.


Globo Online | 06-Dez-2016 07:18

Servidores da segurança tiveram maiores reajustes salariais

RIO - RIO - Se hoje o governo do Rio encontra dificuldade para pagar servidores, já houve tempos de aumentos salariais generosos, mas restritos a alguns grupos de servidores. Um levantamento feito a pedido do GLOBO com auxílio de dados da Secretaria de Planejamento mostra que, ao longo dos governos de Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão, dez categorias de um total de 62 informadas pela pasta tiveram reajustes salariais superiores à inflação do período, que ficou em cerca de 81%, pelo IPCA-E. Crise estado - 04/12

Os principais aumentos nesses 10 anos foram na segurança: policias civis (185%), delegados (114%), policiais militares (165%), bombeiros (165%) e agentes penitenciários (139%). Enquanto isso, professores tiveram 33,49% de reajuste.

INFOGRÁFICO: A EVOLUÇÃO DOS AUMENTOS

Para especialistas, a distribuição de reajustes é desigual, mas a falta de transparência prejudica uma análise sobre as variações salariais. Há componentes nos vencimentos, como triênios, gratificações e reestruturações de planos de cargos e salários que podem gerar diferenças consideráveis. Mas esses valores permanecem numa caixa-preta, fruto de uma falta de clareza dos poderes ao enviar ao Legislativo os projetos que autorizam os aumentos.

Na lista dos que tiveram os maiores reajustes estão ainda funcionários do Departamento de Recursos Minerais e do Instituto Estadual de Engenharia e Arquitetura, ambos com 85% de aumento. Completam a lista servidores do Detran (105%), docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), com 93%, e demais servidores da universidade (94%).

Os cálculos do total de reajustes concedidos foram feitos pelo professor de finanças do Ibmec Nelson Frederico de Souza. Entre as dez categorias analisadas, o maior ganho real (descontada a inflação do período) foi o de policiais civis, que receberam 57% de reajuste. Os delegados tiveram 18%. PMs e bombeiros, 46%. Agentes penitenciários, 32%. E os servidores da Uenf ganharam cerca de 7%, enquanto os do Detran, 13%. Algumas categorias foram mais beneficiadas que outras

As outras 52 categorias tiveram corrosão salarial se descontada a inflação no período. Para onze delas, os reajustes, em uma década, não saíram do primeiro dígito. É o caso dos funcionários do Iaserj, com apenas 4% de aumento total, da Empresa de Obras Públicas (com 7,5% acumulados), e da Saúde, com 4%.

— Algumas categorias foram mais beneficiadas que outras. As pessoas mais estrategicamente importantes para os governos, como os profissionais de segurança e os responsáveis pela fiscalização (Detran), tiveram ganhos superiores. Educação e saúde não foram tão contemplados — considera Nelson de Souza.

FOLHA CRESCE 50%

Em 2007, havia 428.375 servidores, entre ativos e inativos. Hoje o estado reúne 467.516 (mais 9%). A folha de pagamento, entretanto, teve uma alta bem maior: de R$ 8,7 bilhões (pessoal ativo), em 2007, para uma previsão de R$ 22,8 bilhões em 2016, em valores nominais. Com a correção pelo IPCA, o aumento seria de R$ 15,15 bilhões para R$ 22,8 bilhões (50%). Nem todas as leis dizem quando, em que percentual, e em quantas parcelas se dá o aumento

O acréscimo do número de servidores da segurança e de seus salários fazia parte de uma política de valorização do setor pelo governador Sérgio Cabral. A ideia era motivar os profissionais da área, o que acompanhou a evolução dos gastos gerais do setor: a Secretaria de Segurança gastou R$ 1,74 bilhão em 2007 e, no ano passado, R$ 5,1 bilhões. Coordenador do Laboratório de Análise da Violência da Uerj e especialista em segurança pública, o professor Ignácio Cano pondera que a base sobre a qual incidiram os reajustes de policiais era baixa, e considera que o aumento foi justo:

— Houve uma estratégia de aumento salarial específica para esses profissionais e no momento posterior uma contratação desses agentes. O patamar era muito baixo, não podemos dizer que os salários eram suficientes.

Para especialistas, essa radiografia dos reajustes não explica o aumento da folha de pagamento. Os salários mensais aumentaram com outros penduricalhos: gratificações, triênios (um aumento de 5% a cada três anos de serviço) e reestruturações de carreira, por exemplo.

Para calcular o real aumento, entretanto, é preciso fazer uma análise minuciosa de uma legislação que, muitas vezes, está incompleta. O GLOBO tentou, por diversas fontes, chegar ao ganho salarial real dos servidores de algumas categorias. Mas a conta desses acréscimos é obscura. Os repórteres tentaram obter a informação junto à Alerj, ao TCE e à Firjan, mas nenhum dos órgãos ou entidades se dispôs a fazer esse cálculo. Dois professores de economia também foram ouvidos e não conseguiram chegar aos números pretendidos.

Um deles foi o professor de Economia e Administração Pública da FGV Instvan Kasznar. Quando o assunto é incluir nas contas os penduricalhos, entretanto, ele afirma que o teor da legislação inviabiliza a conta:

— Ela (a legislação enviada pela Fazenda) não é adaptável à matemática financeira. Nem todas as leis dizem quando, em que percentual, e em quantas parcelas se dá o aumento. Tornou-se não recomendável tecnicamente fazer aqui algum estudo — explica. Não há vinculação desses reajustes a uma política de qualificação profissional

O professor observou que a falta de regularidade dos aumentos também prejudica os cofres do estado. O governo não costuma reajustar ano a ano os salários. Às vezes, os servidores esperam um longo período por um aumento substancial:

— Deixar todos na seca por vários anos e depois dar um reajuste alto é uma mostra da ciclotomia nas finanças do estado.

Um exemplo da caixa-preta é que, apesar do reajuste de 4% informado pela Fazenda, os salários na Alerj subiram bem mais que esse percentual, conforme a própria Casa enviou ao GLOBO. Um especialista legislativo nível 1, em 2007, ganhava R$ 3,7 mil. Em 2016, passou para R$ 5,5 mil. Variação de 48%. Já um deputado, que há 10 anos ganhava R$ 12,3 mil brutos, hoje recebe R$ 25,3 mil. Aumento de 105%.

Uma leitura dos projetos de lei encaminhados ao legislativo mostra que, na maior parte dos casos, faltam memórias de cálculo do impacto que trará nas contas públicas. As informações, geralmente, se limitam a indicar em valores nominais de quanto aqueles reajustes vão acrescer as folhas de pagamento. Não indicam, por exemplo, se o estado terá que remanejar recursos para viabilizar os projetos. Essa falta de informação não é exclusiva do executivo, mas se repetiu em outras mensagens encaminhadas por órgãos como o Tribunal de Justiça e o Ministério Público.

POLÍTICA DE EQUÍVOCOS

Em junho de 2010, projeto encaminhado pelo Tribunal de Justiça criou 350 funções gratificadas de auxiliar de gabinete de desembargadores. No texto enviado ao legislativo, consta: “a presente proposição conta com estudo de impacto financeiro/orçamentário estando o aumento de despesas previsto dentro do limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal". Nenhum documento, no entanto, foi enviado em anexo detalhando a viabilidade da criação de cargos.

A Secretaria de Planejamento informou a evolução real de apenas seis categorias. Incluindo outras reestruturações, além de reajustes, a Polícia Militar teve 93,6% de ganho real; os professores (que tiveram só 33% de reajuste), 46%; o Corpo de Bombeiros, 105%; a Polícia Civil, 77%; os delegados, 32% e inspetores da Seap, 236%.

Augusto Werneck, professor de Direito Administrativo da PUC e ex-secretário de Administração, considera que o estado cometeu equívocos em sua estratégia:

— No últimos anos, os reajustes são concedidos de forma desarticulada, com a concessão de gratificações e outros penduricalhos aos salários. Não há vinculação desses reajustes a uma política de qualificação profissional.


Globo Online | 06-Dez-2016 06:30

Crivella planeja ajuste fiscal com um corte de até R$ 3,5 bilhões

RIO - O prefeito eleito, Marcelo Crivella, planeja fazer um ajuste fiscal severo nas contas do município. A ideia da equipe de transição é cortar à metade despesas com cargos comissionados e gratificações. A estimativa do grupo é que hoje esses gastos cheguem a cerca de R$ 600 milhões por ano. Além disso, a folha de pagamento passará por auditoria, e os fornecedores serão chamados a renegociar contratos de modo que as despesas com custeio do município sejam reduzidas em 25%. A meta é enxugar os custos em cerca de R$ 3,5 bilhões. O orçamento previsto para 2017 é de R$ 29,5 bilhões, sendo R$ 1,3 bilhão a menos do que o deste ano. links transição

De acordo com a equipe de Crivella, será preciso ajustes nas contas para fazer frente a compromissos assumidos nos últimos anos, como investimentos em infraestrutura para a Olimpíada. Esses gastos aumentaram a dívida pública. Ao mesmo tempo, reajustes concedidos a servidores também impactaram o caixa municipal. Apenas com juros da dívida, estima-se que tenham que ser pagos R$ 400 milhões em 2017. Além disso, a nova gestão terá que gastar pelo menos R$ 600 milhões no ano que vem para cobrir despesas do Funprevi, fundo previdenciário da prefeitura. Os gastos com pessoal também preocupam. Em relação às despesas com pessoal, as projeções da equipe indicam que poderiam chegar a 50,3% das receitas, acima do limite prudencial (49%) previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal , o que já justificaria redução da folha. A Secretaria de Administração, no entanto, afirma que as despesas com pessoal estão hoje em 47,03% da receita, percentual abaixo do estimado pela equipe do prefeito eleito.

Crivella, no entanto, vai honrar o pagamento de gratificações para os servidores que atingirem as metas propostas de 2016. O programa foi criado por Paes. Hoje, integrantes da equipe de transição se reúnem com vereadores para discutir mudanças no orçamento.

Segundo a Secretaria municipal de Administração, existem 10.795 cargos comissionados. Deste total, 9.217 são preenchidos por servidores e outros 1.578 por livre indicação.

Nesta-segunda, num almoço com empresários no Copacabana Palace, Crivella alertou que terá que cortar gastos. E que os futuros secretários vão trabalhar cientes disso:

—A dívida total da prefeitura é de mais de R$ 10 bilhões. Só o plano de cargos dos professores deve gerar um gasto adicional de R$ 1 bilhão — diz Crivella.


Globo Online | 06-Dez-2016 06:30

Piloto aposentado lança romance que se passa na Segunda Guerra

RIO — Uma série de jargões e de códigos de comunicação de aviação abre o prólogo de “O céu da Itália”. A obra literária de estreia do piloto aposentado e empresário Flavio C. Kauffmann, publicada pela Barra Livros Editora, traz uma trama que entrelaça fatos históricos e ficcionais, ambientados na Segunda Guerra Mundial.

Longe de se apegar a termos técnicos, destaca o autor, o livro, com lançamento marcado para terça-feira, na Livraria da Travessa do BarraShopping, homenageia a atuação do 1º Grupo de Aviação de Caça, da FAB. O conflito é inspirado numa história verídica.

— A faísca criativa nasceu de um fato que um veterano da guerra da Itália me contou. Ele pulou de um paraquedas, no norte da Itália, e acabou se apaixonando por uma moça. Percebi que daí poderia nascer um romance histórico — conta o escritor.

O protagonista tem as características exigidas pela profissão de piloto, garante Kauffmann, como dedicação e resistência para enfrentar o risco iminente de morte. A dedicação aos esportes — que rendeu ao autor o título de campeão mundial de pentatlo na França, em 1989 — foi só uma das experiências da qual lançou mão para compor a figura do tenente-aviador Thomas Winthrop Júnior.

— Profissionalmente, sendo pilotos de caça, temos traços em comum. Fiz um apanhado de pessoas que conheci ao longo da vida e que imaginei. Diz-se que a escrita expõe o que é o autor, mas acredito que não me coloquei muito no protagonista — diz Kauffmann, que hoje tem como hobbies o golfe e o surfe, praticado quase diariamente na Prainha ou na Praia da Macumba, no Recreio, bairro onde mora.

A obra foi escrita ao longo de seis anos, período em que suas pesquisas o levaram a viajar aos locais onde a trama se desenrola, como o Nordeste brasileiro e o norte da Itália, central para o romance. Além de se debruçar sobre arquivos da Força Aérea, Kauffmann se dedicou a destrinchar a cultura de cada área para recriar ambientes:

— Na Itália, fiz uma escalada guiada por mais de sete horas para poder descrever no livro como era o esconderijo dos rebeldes italianos que lutavam contra os nazistas nas montanhas. Era preciso ver e sentir aquilo. A experiência gastronômica que descrevo, por exemplo, é fruto da pesquisa in loco. O livro não é técnico. É para falar de vinhos, de óperas, de paisagem e de heroísmo e amor, acima de tudo.

As paixões pela literatura e pela carreira de piloto começaram em casa. Seu pai e seu padrinho eram aviadores, e Kauffmann diz que sempre gostou de ler, hábito que a mãe incentivava. Foram 21 anos dedicados à FAB, dos quais 12 como aviador de caça, no grupamento de elite. Aposentado há 20 anos, ele se tornou empresário do ramo de aviação, ocupação paralela à escrita.

— Cresci lendo. A capa, inclusive, é uma homenagem a uma coleção que não existe mais e trazia histórias de aviação — conta.

O lançamento de “O céu da Itália” será realizado na terça-feira, dia 6, às 19h, na Livraria da Travessa, no BarraShopping. Tel.: 2430-8100.


Globo Online | 06-Dez-2016 06:30

Criminosos ateiam fogo em dois ônibus na Avenida Brasil

RIO - Motoristas que circulavam pela Avenida Brasil ficaram bastante assustados, na noite desta segunda-feira. Isso porque, de acordo com testemunhas, dois ônibus foram incendiados na pista lateral do sentido Centro da via expressa, próximo ao Mercado São Sebastião, na Penha, Zona Norte do Rio. Bombeiros dos quartéis da Penha e de Parada de Lucas foram acionados para combater as chamas. De acordo com a corporação, chamada por volta das 20h20m, ninguém ficou ferido.

Testemunhas contaram que houve pânico e correria no local, depois que os criminosos atearam fogo nos coletivos. Passageiros dos ônibus, ainda segundo relatos, tiveram que desembarcar por ordem dos criminosos e correram “em pânico”.

— Estava voltando de um curso, quando vi que os ônibus estavam parados. Havia muita fumaça e pessoas correndo e gritando "eles estão vindo, eles estão vindo". Deixei o meu carro no meio da pista e saí correndo também. Foram 15 minutos que todo mundo ficou 'a Deus dará" — disse uma moradora da Penha, que passou pelo local no momento do incêndio e pediu para não ser identificada. — As pessoas que vieram dos ônibus estavam chorando. Saí tão apavorada do carro, que deixei todas as minhas coisas lá.

A testemunha contou ainda que, enquanto fugia do local, passageiros que estavam em outros coletivos que não chegaram a ser atacados também desembarcaram e correram, com medo de que o mesmo ocorresse no ônibus em que estavam.

— Foi tudo muito rápido. Acho que se a polícia não chegasse ali eles (os bandidos) iriam para cima dos carros — completou ela.

Devido ao incêndio, a pista lateral da Avenida Brasil, no trecho onde estavam os coletivos, precisou ser interditada, conforme informou o Centro de Operações Rio (COR), da prefeitura. O trânsito apresentou retenções.

Após o controle das chamas e a retirada de ambos os veículos, a Avenida Brasil foi totalmente liberada ao tráfego. O desbloqueio, ainda segundo o COR, já havia sido feito por volta das 22h10m desta segunda-feira. O caso foi registrado na 22ª DP (Penha).

O local onde os ônibus foram incendiados fica próximo à Cidade Alta. Lá, criminosos de uma facção rival àquela que controla o tráfico na região teriam tentado invadir a comunidade, segundo informou à Polícia ao Jornal Extra. O incêndio nos ônibus na Avenida Brasil teria relação com a atuação dos bandidos na Cidade Alta.

Segundo informações do Batalhão da PM em Olaria, a polícia foi acionada e reforçou o patrulhamento na Cidade Alta, com auxílio, inclusive, de um veículo blindado da corporação.

Relatos em redes sociais, na noite desta segunda-feira, davam conta do clima tenso na região: "Que Deus proteja os moradores da Cidade Alta. O tiro está comendo solto!", escreveu um homem em uma rede social. " Infelizmente está havendo um intenso confronto entre facções criminosas e a polícia na Cidade Alta. Sugiro evitar a Avenida Brasil e a região por agora. Que Deus nos abençoe e que nossos policiais possam fazer a sua parte e retornar às suas famílias", postou uma mulher.

Fotografou? Fez um vídeo? Mande para o WhatsApp do GLOBO: (21) 99999-9110.


Globo Online | 06-Dez-2016 03:34

Suspeita de fraude e sobrepreço na obra do teleférico do Alemão

RIO - Um relatório do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), autarquia vinculada ao Ministério da Justiça, revela a suspeita de uma combinação ilegal entre empreiteiras para a escolha da vencedora da licitação das obras do Teleférico do Alemão. Segundo informações do “RJ-TV”, da Rede Globo, o documento tem como base depoimentos de executivos da empresa Andrade Gutierrez, feitos em acordo de leniência com a Justiça. A investigação teve início na Operação Lava-Jato.

Segundo a investigação, a Andrade Gutierrez ficou responsável pelas obras no Complexo de Manguinhos, e o Consórcio Rio Melhor, liderado pela construtora Odebrecht, pelas intervenções de habitação, saúde, educação, esporte e transporte do Complexo do Alemão. A Odebrecht recebeu do estado R$ 843 milhões no total. De acordo com um relatório da Controladoria Geral da União (CGU), o preço cobrado pelo consórcio apresenta superfaturamento de R$ 43 milhões.

Os executivos da Andrade Gutierrez denunciaram o ex-secretário estadual de Governo Wilson Carlos, preso junto com o ex-governador Sérgio Cabral na 37ª fase da Operação Lava-Jato. Também foi acusado de envolvimento nas irregularidades o presidente da Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio (Emop), Ícaro Moreno Júnior, ainda no cargo. O relatório do Cade revela também que as empresas escolhidas para a obra do teleférico fizeram doações para a campanha de Cabral.

EMPRESAS PODEM SER MULTADAS

A justificativa do governo do estado para a escolha do consórcio liderado pela Odebrecht para obras no Alemão foi a de que a empresa tinha experiência na construção de um teleférico — exigência que apenas a empreiteira poderia cumprir. A Odebrecht tinha um acordo de exclusividade com a Pomagalski, grupo francês que construiu o teleférico de Medellín, na Colômbia.

Ao fim do processo, se o Cade concluir que houve fraude na licitação, as empresas podem ser multadas em até 20% do seu faturamento bruto. Os executivos e gestores públicos também podem ter que pagar uma multa que vai de R$ 50 mil a R$ 2 bilhões de reais.

O teleférico do Alemão está fechado desde o mês de outubro, quando o Consórcio Rio Teleféricos, responsável pela operação do serviço, suspendeu o contrato, alegando falta de pagamento. A falta do transporte prejudica nove mil moradores por dia.

Ao “RJTV”, a Odebrecht afirmou que não se manifesta sobre negociação com a Justiça e disse que, na última quinta-feira, já se desculpou com a sociedade pelos desvios de conduta em negócios, se comprometendo publicamente a adotar práticas corretas.

A construtora Queiroz Galvão, também citada nos depoimentos, disse que não comenta investigações em andamento. Já a Secretaria de Obras afirmou que a licitação foi feita dentro da lei. O Consórcio Rio Teleféricos não se manifestou.


Globo Online | 06-Dez-2016 01:04

Motoristas desrespeitam área para ciclistas na Barra da Tijuca

RIO - Um acidente de trânsito mudou a rotina de esportistas que treinavam na Área de Proteção ao Ciclista de Competição (APCC) da Reserva, na Barra da Tijuca, manhã de segunda-feira. Um carro em alta velocidade atingiu um carro da Guarda Municipal que dava apoio à APCC e um outro veículo que parou para pedir informação aos agentes. A colisão foi por volta das 5h, na altura das avenidas Lúcio Costa com Pedro Moura.

No mesmo horário, um outro veículo, também em alta velocidade, tentou ultrapassar o bloqueio feito pela CET-Rio. Por sorte, os dois incidentes não deixaram mortos. Segundo a Guarda Municipal, o carona do veículo que provocou a batida ficou ferido e foi levado pelo Corpo de Bombeiros para o hospital. O cenário, porém, revela o desrespeito a ciclistas e um esquema de segurança que pode receber melhorias.

— As APCCs funcionam entre 4h e 5h30m, de segunda a quinta. Este horário foi escolhido pela baixa quantidade de fluxo de carros e para não interferir na vida normal da cidade. Imagina se um carro desses mata um pelotão de ciclistas que está em treinamento? — critica Raphael Pazos, presidente da Comissão de Segurança no Ciclismo da Cidade do Rio de Janeiro (CSCRJ).

Antes mesmo do incidente desta segunda, Raphael e outros representantes da CSCRJ já tinham uma reunião marcada para esta quarta-feira com a subprefeitura da Barra da Tijuca para alinhar assuntos referentes à área de proteção.

— Vamos conversar com o subprefeito e pedir um reforço à PM. Se o motorista não está respeitando a Guarda Municipal e a CET-Rio, a PM ele vai ter que respeitar. Já entramos em contato com o 31º BPM (Barra da Tijuca).

De acordo com Raphael, desde 2013, ano em que as áreas de proteção ao ciclista foram criadas, houve um aumento significativo de ciclistas e, ao mesmo tempo, uma redução no número de acidentes.

— A APCC é o único lugar seguro para um ciclista esportivo treinar. Mas algumas pessoas se acham acima da lei e de tudo e furam um bloqueio. O maior problema dos ciclistas hoje é a falta de respeito dos motoristas. A bicicleta está prevista no Código Brasileiro de Trânsito como veículo — defende.

A Guarda Municipal destacou, em nota, que a via estava sinalizada e o efetivo estava presente para garantir a implantação da APCC, como acontece no horário de funcionamento da área. Ainda segundo o comunicado, o motorista que provocou a batida aparentava estar embriagado e foi conduzido para a 42ª DP (Recreio), para registro da ocorrência, e ao IML, para fazer exames para verificar a embriaguez.


Globo Online | 06-Dez-2016 00:37

Imagens mostram PM agredindo mulher em Santa Teresa

RIO - Um vídeo que circulava nas redes sociais nesta segunda-feira mostra a agressão de um policial a uma mulher na noite do último sábado, em Santa Teresa. A situação seria um desdobramento de uma confusão entre um taxista e o dono de uma motocicleta. Segundo relatos nas redes sociais, o motorista do táxi derrubou a moto que estava estacionada no Largo dos Guimarães, um dos pontos de maior movimento do bairro.

O dono da moto teria questionado o taxista sobre o prejuízo que teria com o conserto do veículo, mas o proprietário do carro teria fugido do local. Ainda de acordo com os relatos, a confusão ocorreu em frente à viatura da polícia.

Indignado com a suposta inércia dos policiais, que não teriam ajudado a resolver o caso, o dono da moto teria reclamado em voz alta. As imagens mostram o PM conversando com as pessoas que estavam no local. O policial tenta sai do meio do grupo, mas acaba voltando à confusão e agride uma mulher com um tapa.

Em nota, a PM afirmou que o policial, ao chegar ao Largo dos Guimarães, presenciou um tumulto e foi abordar os envolvidos. O PM registrou em Boletim de Ocorrência POlícia Militar (BOPM) que tentou conduzir um homem por desacato, mas foi impedido por um grupo de pessoas.

O comunicado afirma que "O policial errou ao agredir a mulher e responderá a um inquérito policial militar (IPM) que irá definir sua punição administrativa. Além disso, ele será devidamente orientado a como conduzir ocorrências análogas, ou seja, não realizar abordagens sozinho".


Globo Online | 05-Dez-2016 20:56

Entidades de Niterói apadrinham 12º batalhão e delegacias da cidade

RIO - Diante da crise financeira estadual, cinco entidades de Niterói se reuniram para apadrinhar instituições de segurança de Niterói. A Câmara de Dirigentes Logistas (CDL) de Niterói vai apadrinhar o 12° BPM; a OAB Niterói ficará com a 79ª DP de Jurujuba; a Associação Comercial e Industrial do Estado do Rio de Janeiro (ACIERJ), apadrinhará a 77ª DP Icaraí; o Sindilojas Niterói, a 76ª DP; enquanto o Sindicato dos empregados de edifícios de Niterói ficará com a 78ª DP.

De acordo com as entidades de classe, o objetivo é amenizar os problemas ocasionados pela falta de material considerado imprescindível para o funcionamento dos trabalhos nas delegacias e no batalhão responsável pelo policiamento da cidade.

O acordo prevê que a ajuda acontecerá por três meses. Após esse prazo, porém, as entidades se reunirão novamente para reavaliar a situação. O presidente da CDL Niterói, Fabiano Gonçalves, afirmou durante o anúncio de colaboração que somente a ajuda não é suficiente:

— Quero dizer em rápidas palavras que as entidades aqui representadas, mais uma vez, cumprem o seu papel que é servir. Mas não poderia deixar de dizer que mais do que ações como esta é preciso usar esses momentos adversos, para promover discussões acerca da necessidade de revisões das leis, ou melhor, dos sistemas: penal e de carceragem.

A CDL Niterói divulgou que o lojista que quiser ajudar deve procurar a entidade, responsável pelo encaminhando.


Globo Online | 05-Dez-2016 20:56

Prefeito de Niterói se reunirá com representantes da Guarda Municipal

NITERÓI - O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PV), se reunirá nesta quarta-feira com representantes da Associação de Funcionários da Guarda Civil de Niterói. O grupo, insatisfeito com as condições de trabalho, havia anunciado uma paralisação de 48 horas em Niterói a partir desta segunda-feira caso não tivessem suas demandas atendidas. Entre suas reivindicações estava o aumento do salário base de R$ 860 para R$ 1,2 mil e a destituição do Secretário de Ordem Pública do município, Gilson Chagas.

De acordo com a prefeitura, a paralisação foi cancelada. Guardas municipais, porém, informam que ela foi adiada por conta do aceno feito pelo Executivo. Além do aumento de salário, os agentes também pedem um plano de aposentadoria especial, complemento da Gratificação por Regime Especial de Trabalho, revisão da carga horária, mais infraestrutura e projetos para plano de saúde e seguro de vida.

A insatisfação dos guardas civis acontece num momento de transformação para a categoria. Em 22 de outubro a prefeitura inaugurou a Cidade da Ordem Pública, nova sede da Guarda, que exigiu um investimento de R$ 14,4 milhões. Além de sede, a instalação de 5.300 metros quadrados servirá de campo de treinamento de tiro. Até o fim do primeiro trimestre de 2017, o prefeito Rodrigo Neves (PV) garantiu que fará um plebiscito para que a população decida se a Guarda Municipal deve ser armada. Rodrigo, que é favorável ao armamento, apontou a Segurança Pública como prioridade em sua nova gestão. O prefeito também prometeu que enviaria um projeto de lei para incorporar os guardas dentro de um programa que já recompensa policiais pelo cumprimento de metas. Por fim, há a promessa de até o fim do governo realizar um concurso público que aumente o efetivo da Guarda para cerca de mil homens, o que tornaria o efetivo municipal igual ao de policiais militares que servem no 12º BPM (Niterói).


Globo Online | 05-Dez-2016 20:56

Jovem baleado na Rocinha é salvo por fone de ouvido

RIO - Um fone de ouvido pode ter salvado um jovem de 17 anos na manhã desta segunda-feira na Rocinha. Ele foi atingido por um tiro de raspão no peito e socorrido na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da comunidade. Pai do rapaz, o motorista de van Maurício Henrique Barbosa, de 58 anos, disse ao Extra que um PM da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) fez o disparo.

— Eram 6h15m. Trabalho com transporte escolar e meu filho me ajuda. Estávamos no portão de casa quando passou uma moto com dois meninos sem capacete. Comecei a ouvir uns estalos e achei que era o escapamento. Quando olhei para o lado, vi que o fone de ouvido do meu filho estava quebrado. Quando olhei de novo, vi que estava ferido. Ficou com um buraco no peito. Na hora, achei que ele ia morrer — contou Maurício, que registrou o caso na 11ª DP (Rocinha), dizendo que o fone pode ter desviado a bala.

Maurício chegou a gravar um vídeo logo após o filho ser baleado. O pai aparece desesperado, gritando: “Ele saiu atirando! Pegou no filho! No peito do meu filho!”

— Os garotos estavam sem capacete. Com certeza ficaram com medo de ter a moto apreendida e correram. Não atiraram. Mas os caras (policiais) atiraram. Quando os vi, me descontrolei e comecei a xingá-los. Eu estava carregando meu filho com sangue escorrendo do peito, em pânico. Como fazem uma coisa dessas? Atirar em um estudante desarmado, que não é bandido? — questinou, revoltado, o mortorista.

Já a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) diz que uma equipe patrulhava a localidade conhecida como Vila Verde, por volta das 6h, quando ocupantes de uma motocicleta atiraram contra os agentes. Houve uma troca de tiros e o rapaz acabou ferido.


Globo Online | 05-Dez-2016 20:13

Crivella prevê que 2017 será um ano de austeridade na prefeitura 

RIO - O prefeito eleito do Rio, Marcelo Crivella, disse, nesta segunda-feira, que 2017 será um ano em que vai ter que administrar com austeridade por causa do cenário de crise econômica. Segundo ele, a prefeitura se endividou por conta da Olimpiada e compromissos assumidos nos últimos anos como o novo plano de cargos e salários da educação. links transição

Crivella, no entanto, descartou a possibilidade de aumento de tributos para compensar o fato de que o orçamento de 2017 prevê que a próxima administração terá cerca de R$1 bilhão a menos para a gestão da cidade.

- A dívida da prefeitura (a longo prazo) é de mais de R$ 10 bilhões. O plano de cargos dos professores vai gerar um gasto de mais de R$ 1 bilhão na folha.

Segundo Crivella, os futuros secretários vão ter que trabalhar com a realidade da escassez de recursos em vista. O futuro prefeito prometeu ainda realizar reuniões com frequência com o Conselho da Cidade (formado por líderes da sociedade civil para receber sugestões) na gestão do município. As declarações foram feitas durante almoço com empresários no Hotel Copacabana Palace.

REFERÊNCIAS AO VELHO TESTAMENTO

Ao defender a política de austeridade na administração, Crivella fez referências a passagens do Velho Testamento ao explicar por que governos nos períodos de crescimento econômico devem se preparar para fases mais difíceis:

- Um faraó do Egito teve um sonho que o deixou inquieto. Ele sonhou com sete vacas gordas e sete vacas magras. Com sete espigas de milho murchas e sete espigas graúdas. O faraó soube que havia um escravo que era bom de interpretar sonhos. Era o José . Ele explicou que na epoca da fartura as pessoas deveriam se preparar para tempos difíceis - disse o prefeito.
Crivella prosseguiu
- O faraó decidiu construir celeiros para armazenar produtos. Na época das vacas magras, as pessoas iam ao Egito comprar trigo. Quando não tinham mais dinheiro, pagaram com terras. Por fim, viraram escravas como gratidão para que não passassem fome. Essa é uma lição para o próprio Brasil.

PLANO DE METAS ANUAL

Crivella disse ainda que pretende trabalhar com um plano de metas anual para cada secretaria. Os indicadores seriam apresentados no início de cada a ano de forma que a sociedade pudesse cobrar os resultados ao fim do exercício.
Crivella não antecipou nomes que poderiam vir a compor o secretariado. Até agora, apenas o vereador Carlos Eduardo (Solidariedade) já foi apresentado como o futuro titular da Saúde.

No almoço, alguns políticos que vêm sendo citados como possíveis ocupantes do futuro primeiro escalão estavam presentes, como a vereadora Rosa Fernandes e o deputado estadual Carlos Roberto Osorio
- O que posso garantir a vocês é que será uma equipe técnica e de notório saber, que vocês vão aplaudir - disse Crivella.
O prefeito eleito voltou a defender que a Guarda Municipal seja equipada com armas não letais e ajude na segurança pública com o policiamento comunitário. Para isso, efetivos seriam redirecionados de outras areas, como trânsito e controle urbano.


Globo Online | 05-Dez-2016 18:52

Famílias brasileiras poderão convidar refugiados para a ceia de Natal

RIO - O Brasil tem de mais de oito mil refugiados reconhecidos e outros 28 mil que ainda estão aguardando reconhecimento. Uma das principais dificuldades que estes estrangeiros enfrentam é a de integração na sociedade. Quem vem de longe se esforça para conseguir um lugar no mercado de trabalho e tenta driblar a saudade de casa buscando acolhimento entre os brasileiros.

- Trabalhava com educação na Colômbia, como professor de assistência social. Ainda tenho muita dificuldade com a língua, mas estou aprendendo o português para poder trabalhar aqui no Brasil. Sinto falta de informações, orientações sobre o que fazer na cidade. Aos poucos, fui conhecendo outras pessoas e sentindo o acolhimento e apoio dos brasileiros - contou Luis Ramirez Escalante, que se mudou de Medellin para o Rio há 1 ano por razões de segurança.

O marroquino Mohammed El Jazouli veio para o Brasil há quatro meses, sem conhecer ninguém. Acolhido por uma igreja de Botafogo, acredita que aqui poderá ter um futuro melhor do que na África. Em busca de um emprego para ajudar a família, que ficou do outro lado do oceano, ele garante que já se sente parte do país.

- Os brasileiros têm um coração muito grande. A gente não se sente como estrangeiro. As pessoas são diferentes, muito legais - disse.

O africano do Gambia Abdou Karim Secka chegou no Brasil há nove meses. Na África, estudava matemática e jogava em um clube da terceira divisão. Assim como Luis e Mohammed, ele quer estruturar a vida no país. Seu sonho é fazer um teste para jogar futebol no Flamengo.

- Não queria ter saído do meu país. Estava estudando, tentando seguir meu sonho de jogar futebol. Meu sonho agora é continuar os estudos e quem sabe virar um jogador aqui no Brasil - afirmou.

Neste Natal, Luis, Abdou e Mohammed vão poder sentir um pouco mais a hospitalidade dos brasileiros e trocar figurinhas sobre as culturas brasileira e dos seus países de origem. Os três foram convidados para participar do projeto "Meu Amigo Refugiado", promovido pelo Migraflix, que promove a integração de refugiados e imigrantes, baseada em workshops culturais e atividades ministradas por eles para brasileiros. A ideia do projeto é mostrar os rostos e as histórias dos refugiados que estão no Brasil. Através de um site, famílias brasileiras poderão convidar um refugiado para participar do Natal na sua casa.

- A ideia de mostrar quem são essas pessoas é gerar empatia. Quando um brasileiro conhece a história de um refugiado de perto, percebe que o refugiado é uma pessoa igual a ele, que tem uma profissão, uma família e muitos talentos. E é isso que quebra o preconceito e abre muitas portas para eles - explica Jonatan Berezovsky, Fundador do Migraflix.

Para promover ainda mais a troca de culturas e experiências, cada refugiado vai levar um prato típico do seu país para a ceia. Luis e Mohammed já sabem como contribuir. O colombiano diz que poderia levar "Hojuelas", doce tradicional servido na celebração natalina do país, enquanto o africano pode preparar uma salada marroquina, prato típico do Marrocos.

Refugiados que quiserem conhecer mais sobre o Migraflix e se inscrever no projeto pode acessar o site http://meuamigorefugiado.com.br/ ou o página no Facebook: https://www.facebook.com/meuamigorefugiado.


Globo Online | 05-Dez-2016 18:08

Crivella defende que turista assaltado no Rio seja ressarcido  

RIO - O prefeito eleito do Rio, Marcelo Crivella, defendeu, nesta segunda-feira, que turistas que forem assaltados em visita ao Rio sejam ressarcidos. A declaração foi feita durante um almoço com empresários no Hotel Copacabana Palace, ao discutir ideias para ocupar os hotéis da cidade, que tiveram sua capacidade duplicada nos últimos anos como parte dos preparativos para a Olimpíada. links transição

- Temos que garantir que, se o turista for assaltado e tiver declarado o celular no aeroporto, nós vamos indenizá-lo - exemplificou.

MUDANÇA NA IMAGEM DA CIDADE
Logo depois, em entrevista, Crivella disse não saber quem pagaria a conta do seguro: se o poder público ou os empresários. Apenas que seria algo provisório para quebrar (mudar) a imagem atual da cidade.

POSSIBILIDADE DE SEGURO EMBUTIDO NA PASSAGENS

Ele chegou a sugerir que uma possível fonte seria uma espécie de seguro embutido nas passagens:

- Eu lancei uma ideia. É polêmica e utópica. O turismo é a maior riqueza da nossa terra. Valeria para o turista estrangeiro e o que viesse de outros estados - disse Crivella.


Globo Online | 05-Dez-2016 17:42

Bilhete Único: governo não consegue repassar subsídios antes do dia 14

RIO - Durante reunião com representantes de concessionárias e parlamentares, na Comissão de Transportes da Alerj, na tarde desta segunda-feira, o subsecretário de Fazenda do estado, Luiz Cláudio Gomes, disse que não há possibilidade de o governo repassar subsídios para o Bilhete Único Intermunicipal antes do dia 14. Mesmo assim, se conseguir um acordo na reunião de conciliação marcada pelo STF, na próxima quarta-feira, para arrestos e bloqueios. linksbilheteunico

- Estamos desde o dia 17 sem poder acessar nossas contas. Primeiro foram os arrestos (suspensos pelo STF). Agora, temos que o bloqueio da Secretaria do Tesouro Federal (para pagar financiamentos). Depois, teremos os duodécimos dos poderes- disse ele.

O estado deve R$ 17 milhões em subsídios às concessionárias de transporte, segundo o secretário de transportes, Rodrigo Vieira.

A defensora pública Patrícia Cardoso, coordenadora do Núcleo do Consumidor, fez propostas concretas para manter o programa. Uma delas é a de permitir o saldo remanescente dos cartões Riocard, bloqueados desde 26 de fevereiro por decisão judicial fosse revertido para o programa. Nem a Fetranspor nem os usuários podem usar esse valor.

Os recursos poderiam, segundo ela, através de um termo de ajustamento de conduta, serem usados de forma emergencial, para o pagar repasses atrasados. A ação que bloqueou esse recursos é da Defensoria Pública. A estimativa é de que só de viagens intermunicipais tenham nessa conta R$14 milhões, desde fevereiro. A projeção leva em conta os R$ 90 milhões que acabaram ficando nos cartões não usados em um ano.

Representantes do governo do estado, da Defensoria Pública e das concessionárias de transporte participam de reunião com deputados na Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa na tarde desta segunda. O objetivo do encontro é buscar um acordo para evitar a suspensão do desconto do Bilhete Único Intermunicipal (BUI), por atrasos no repasse dos subsídios pelo estado. A reunião é conduzida pelo presidente da comissão, deputado Marcelo Simão (PMDB).


Globo Online | 05-Dez-2016 17:32

Estado cria câmara para solucionar conflitos na área da Educação

RIO - Diminuir o número de ações judiciais e agilizar a conciliação de litígios são alguns dos objetivos da Câmara Administrativa de Solução de Conflitos (CASC) na área da Educação, criada nesta segunda-feira. O procurador-geral do Estado do Rio de Janeiro, Leonardo Espíndola, o defensor público-geral do estado, André Luís Machado de Castro, e o secretário estadual de Educação, Wagner Victer, assinaram o protocolo de procedimentos para a atuação da câmara.

A câmara será responsável em evitar e conciliar litígios evitando ações judiciais em demandas como expedição de diplomas, certificado de conclusão de curso e matrículas na rede pública de ensino, entre outras, que são responsáveis por um número grande de ações judiciais que carregam a Justiça e geram custos desnecessários se não forem mediados antecipadamente.

— Não existe alternativa para o estado senão a busca do consenso, a busca da mediação. A gente tem uma judicialização crescente no Poder Judiciário. Cada vez o número de processos aumenta de maneira demasiada e não há estrutura no serviço público que possa dar conta de um processo tão intenso. A mediação e a conciliação permitem você resolver litígios antes das ações serem propostas — disse Leonardo Espíndola.

O secretário de Educação citou como exemplo as ações judiciais em relação à expedição de diplomas.

— O número de ações judiciais vai diminuir com o trabalho de conciliação da câmara. Isso


Globo Online | 05-Dez-2016 17:15

Moradora é morta durante tiroteio no Complexo do Alemão

RIO - Uma mulher foi baleada e morreu durante um tiroteio entre policiais e traficantes na manhã desta segunda-feira no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. Segundo o Extra, moradores relataram que Nirza de Paula Rocha, de 51 anos, foi atingida na cabeça e chegou a ser socorrida numa Kombi e levada para o Posto de Atendimento Médico (PAM) de Del Castilho, ainda na Zona Norte, mas não resistiu. Nirza era conhecida como Tia Neném na comunidade.

O viúvo de Nirza, Fernando Rocha, esteve no PAM e deixou o lugar de moto. Ele foi providenciar a documentação para liberar o corpo da mulher, baleada na Favela da Grota.

Moradores contaram que policiais faziam uma operação para permitir a entrada de fiscais da Secretaria municipal de Ordem Pública (Seop), numa ação contra o comércio irregular. Também houve tiroteio na Fazendinha, onde a base administrativa da UPP foi atacada por bandidos armados.

Nas redes sociais, moradores falam sobre os momentos de terror que passaram no Alemão: “Não temos mais sossego nesse lugar”. Outra postagem diz: “clima tenso aqui nos Mineiros. Cuidado moradores”.

- Estávamos há três semanas sem ter tiroteio no Alemão. Só de vez em quando que ouvíamos tiros para o alto. Os moradores estavam até perdendo o medo de ir à rua. Agora, com o que aconteceu hoje, vai ficar todo mundo com receio de sair de casa - diz a artista plástica Mariluce Mariá, moradora da comunidade. - A gente fica preocupada com o horário escolar. Você manda a criança para a escola e torce para não ter tiroteio enquanto ela está na aula e você no trabalho.

Rene Silva, do jornal Voz da Comunidade, postou numa rede social que os fiscais removeram dezenas de barracas e lojas da Rua Joaquim de Queiroz, na Grota. Moradores contaram que um blindado da PM (o caveirão) estava num dos acessos à comunidade.

" Lá pra dentro do Mineiros começou a intensa troca de tiros. Muita gente falando desse tiroteio, que estava impossibilitando moradores de saírem de suas casas. Eis que chega a notícia de uma senhora baleada DENTRO DE CASA, que é socorrida e levada para o hospital... Infelizmente, ela levou um tiro na cabeça e não resitiu. Morreu. Dª Nilza, mais conhecida como Tia Neném, descanse em paz, porque a gente continua aqui tentando sobreviver nessa guerra! ", escreveu o jovem.

Devido ao tiroteio, uma Clínica da Família suspendeu o atendimento no Alemão. Moradores disseram que algumas pessoas ficaram abrigadas na estação do teleférico das Palmeiras.

A assessoria da Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) informou, em nota, que o tiroteio começou durante operação da Seop na Rua Joaquim de Queiroz - uma das principais do Alemão. Houve confronto em alguns pontos da região, inlucindo na Fazendinha, onde a UPP foi alvo de criminosos. O policiamento foi reforçado por PMs do 16º BPM e do Grupamento Aeromóvel (GAM).


Globo Online | 05-Dez-2016 16:58